Notícias

Laudo aponta maus-tratos a animais em zoológico de João Pessoa (PB)

O documentou indicou que os veterinários, zootecnistas e biólogos do local negligenciam os animais


Um laudo pericial assinado por quatro médicos veterinários peritos apontou maus-tratos impostos aos grandes felinos explorados para entretenimento humano pelo Parque Arruda Câmara, a Bica, em João Pessoa, na Paraíba.

O caso passou a ser investigado após o Núcleo de Justiça Animal da Universidade Federal da Paraíba (NEJA-UFPB) fazer uma denúncia na Delegacia do Meio Ambiente da Paraíba.

Foto: PMJP/Divulgação

De acordo com o laudo, os veterinários, zootecnistas e biólogos do local negligenciam os animais. As informações são do portal G1.

A direção da Bica questionou a legitimidade do laudo e a Secretaria de Meio Ambiente da Prefeitura de João Pessoa afirmou que os animais são cuidados por uma equipe multiprofissional, recebem alimentação balanceada e tratamento veterinário.

O laudo aponta irregularidades no zoológico. Dentre elas, falta de limpeza e estrutura inadequada no recinto dos felinos, espaço menor do que o necessário e alimentos condicionados de maneira errada, que podem levar à magreza extrema ou obesidade. O documento afirma ainda que falta um responsável médico pelo local.

A onça-pintada, espécie ameaçada de extinção, é um dos animais apontados como vítimas de maus-tratos no zoológico. Em maio de 2019, sete animais foram periciados. O documento, porém, só foi assinado e oficializado em novembro. A Polícia Civil informou que o procedimento foi concluído e encaminhado à Justiça.

O coordenador do NEJA, Francisco José Garcia, afirmou ao G1 que vai pedir que o caso seja avaliado pela Polícia Federal e que os responsáveis pelos maus-tratos sejam responsabilizados nas esferas administrativa, civil e penal.

Não é a primeira vez que o zoológico é acusado de maus-tratos. Em junho de 2019, um inquérito civil foi aberto pelo Ministério Público Federal para avaliar as condições de vida da elefanta Lady, após denúncias de que o animal estava sendo maltratado. Um laudo emitido no final de julho apontou que a elefanta corria risco de morte e estava com a doença que mais mata elefantes em cativeiro no mundo.

Foto: Santuário de Elefantes do Brasil

O laudo indicou que Lady sofria com a estrutura inadequada, a falta de capacitação dos funcionários e a negligência veterinária e administrativa. Foi apontado ainda abuso psicológico por parte de um antigo tratador.

A direção da Bica negou os maus-tratos. No entanto, uma audiência determinou a transferência da elefanta para o Santuário de Elefantes do Brasil. No novo lar, Lady apresentou melhora na saúde.


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


​Read More
Notícias

Após ser explorada por décadas, elefanta Lady chega a santuário em MT

Lady vivia em um zoológico desde que foi resgatada de circos que a maltrataram e exploraram durante 40 anos


A elefanta Lady chegou nesta sexta-feira (29) ao Santuário de Elefantes do Brasil (SEB), na Chapada dos Guimarães, no Mato Grosso. O animal foi transferência de um zoológico de João Pessoa (PB), de onde saiu na segunda-feira (25).

Foto: SEB/Divulgação

A transferência foi realizada após um acordo judicial e teve como motivação aproximar a elefanta de outros animais da espécie. Ela vivia no zoológico desde 2013, após passar 40 anos sendo explorada e maltratada por circos. As informações são do Portal T5.

Lady foi colocada dentro de um contêiner, que foi transportado por caminhões. Diversas paradas foram feitas durante a viagem para atender às necessidades do animal, que recebeu alimentação durante o trajeto.

O animal silvestre chegou ao santuário à noite e foi liberada para entrar em seu recinto por volta das 21 horas. Ao conhecer o local, ela tomou um banho de terra, característico da espécie, e se alimentou de capim e frutas.


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


​Read More