Notícias

Mais de 400 pinguins encalham no litoral de SP em menos de dois meses

Foto: Divulgação/Instituto Gremar

De 20 de junho a 13 de agosto, mais de 400 pinguins encalharam em praias do litoral de São Paulo – mais de 200 deles sem vida. Os animais-marinhos foram encontrados em praias de Santos, São Vicente, Guarujá e Bertioga.

Os animais foram retirados das praias pelo Instituto Gremar. Dos 402 pinguins, 122 estavam vivos – sendo 62 em Bertioga, 43 em Guarujá, 13 em Santos e quatro em São Vicente – e 280 foram encontrados mortos ou morreram antes de chegarem ao Centro de Reabilitação e Despetrolização de Animais Marinhos. Dentre os mortos, foram encontrados 126 em Bertioga, 131 em Guarujá, cinco em Santos e 18 em São Vicente.

A maioria dos pinguins resgatados com vida estava exausta e desnutrida – parte deles, em estado grave. Ferimentos leves e lixo no trato gastrointestinal também foram identificados.

Como os animais resgatados têm reagido bem ao tratamento, um grupo já foi transferido para um recinto externo, com tanque de volume médio, onde fortalecem a musculatura e a impermeabilização das penas – fatores essenciais para a vida na natureza.

O Gremar explicou ao G1 que o período migratório dos pinguins se inicia quando o inverno começa no Hemisfério Sul. Os animais migram da Argentina, Chile e Ilhas Malvinas para o Brasil, onde procuram alimento. Correntes marítimas e ações antrópicas causam os encalhes.

Ao encontrar animais vivos ou mortos em praias entre São Vicente e Bertioga, a população deve evitar contato e acionar um órgão ou instituição ambiental. O Gremar atende pelos telefones 0800-6423341 e (13) 99711-4120.


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


​Read More
Notícias

Toninha morta é encontrada enrolada em rede de pesca no litoral de SP

Foto: Arquivo Pessoal

Uma toninha, espécie de golfinho, foi encontrada morta na orla da Praia do Indaiá, em Bertioga, no litoral de São Paulo. Com pedaços de rede de pesca enrolados na região da boca, o animal marinho foi encontrado por moradores da cidade.

Um morador relatou ao G1, sem se identificar, que encontrou a toninha no domingo (7) envolta por urubus. Ele disse ter espantado as aves e se aproximado para observar o golfinho, foi quando percebeu que havia uma rede de pesca enrolada no animal.

Cerca de duas horas depois, o homem retornou à praia e percebeu que a toninha permanecia na faixa de areia. Ele, então, acionou o Instituto Gremar.

Equipes de fiscalização foram enviadas ao local, mas quando chegaram à praia não encontraram a toninha.

O Gremar informou que a espécie está ameaçada de extinção, especialmente por conta da poluição dos oceanos – que mata toninhas que confundem lixo com alimento – e da pesca, que tira a vida desses animais ao prendê-los nas redes.


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


​Read More
Notícias

Operação de resgate paralisa rodovia para salvar a vida de quati atropelado

Foto: Alex Amorim

Um quati atropelado contou com a solidariedade de motoristas que se uniram a uma equipe da Guarda Civil Municipal (GCM) em uma operação de resgate. O caso aconteceu no último sábado (30) em Bertioga, no litoral de São Paulo, e levou à interdição momentânea da rodovia Rio-Santos.

O grupo paralisou rapidamente o fluxo de veículos na pista para socorrer o animal. Uma das pessoas que participou desta corrente de solidariedade em prol do quati foi o autônomo Alex Amorim, de 41 anos. Ele contou ao G1 que passava pelo local quando viu  pessoas paradas na rodovia. Decidiu se aproximar e, então, descobriu que o grupo estava prestando atendimento ao animal.

Ferido, o quati ficou assustado com a aproximação do grupo, que não conseguiu identificar o veículo responsável pelo atropelamento e pela omissão de socorro.

“Ele estava deitado na calçada, mas depois começou a correr para o outro lado da pista”, contou. Enquanto os motoristas tentavam ajudar o animal, uma viatura da GCM de Bertioga se aproximou.

“Íamos levar na guarda ambiental, mas o guarda parou e se dispôs a levar. Colocou o quati no porta-malas da viatura e depois não tivemos mais notícias. Foi um atendimento bem rápido”, disse.

Foto: Arquivo Pessoal

Apesar dos esforços para salvar a vida do quati, o animal não resistiu aos ferimentos. Ele foi encaminhado à Diretoria de Operações Ambientais (DOA) de Bertioga, mas chegou no local sem vida. O corpo foi levado para ser enterrado.

A Prefeitura de Bertioga emitiu nota explicando que irá solicitar, através de documento produzido pela Diretoria de Operações Ambientais, que o Departamento de Estradas de Rodagem (DER) coloque novas placas de sinalização na rodovia, alertando os motoristas sobre os cuidados necessários a serem tomados por conta dos animais silvestres.

“Independente de ser um bichinho ou não, se trata de uma vida. Nós invadimos o habitat dele, fazemos eles atravessarem rodovias e pistas, então, temos que tomar mais cuidado com os animais na estrada”, concluiu Amorim.


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


​Read More
Notícias

Filhote de golfinho ameaçado de extinção aparece morto no litoral de SP

Não há informações sobre o que causou a morte do animal marinho


Uma toninha, espécie de golfinho ameaçada de extinção, foi encontrada morta em uma praia de Bertioga (SP) na segunda-feira (18). O animal, que era um filhote, estava em estado de decomposição.

Foto: Divulgação/Alex de Amorim

O Instituto Gremar não foi acionado para submeter o corpo à necrópsia e, por isso, não se sabe qual é a causa da morte do animal. As informações são do G1.

O vendedor Alex de Amorim, de 41 anos, caminhava pela praia quando encontrou vários urubus. “Fui me aproximando e percebi que estavam comendo um golfinho. Neste ano, já encontrei outros dois mortos na cidade. Está se tornando algo recorrente”, disse.

“Queria entender porque os golfinhos estão morrendo. Isso está acabando com os nossos bichinhos. Temos que correr atrás disso e saber o que está acontecendo. É muito triste esta situação”, completou.

O Gremar informou que o número de ocorrências com toninhas costuma ser maior entre outubro e fevereiro porque nesse período ocorre o nascimento de filhotes. Apesar disso, casos também costumam acontecer em outras épocas do ano.

Em Bertioga, outras duas toninhas foram encontradas mortas num intervalo de quatro dias. Uma delas apresentava ferimentos causados por redes de pesca. A ingestão de lixo também ameaça a sobrevivência desses animais.

De Laguna, em Santa Catarina, a Saquarema, no Rio de Janeiro, é executado o Projeto de Monitoramento de Praias da Bacia de Santos – PMP/BS, que funciona como um condicionante do licenciamento ambiental federal do Polo Pré-Sal da Bacia de Santos da Petrobras, conduzido pelo IBAMA.

O projeto monitora as praias, resgata e faz a necrópsia de animais para avaliar os impactos das atividades de produção e escoamento de petróleo sobre as aves, tartarugas e mamíferos marinhos.

Ao encontrar animais mortos na região de atuação do projeto, a orientação é ligar para o telefone 0800-642-3341.


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


​Read More
Notícias

Casa pega fogo e mulher é salva por cachorro em Bertioga (SP)

Ao perceber que a casa estava pegando fogo, o cachorro começou a latir e a chorar para chamar a atenção de sua tutora, que estava dormindo


Um incêndio destruiu uma casa em Bertioga, no litoral de São Paulo, e a proprietária do imóvel sobreviveu graças ao seu cachorro, que latiu para alertá-la sobre as chamas. O caso é investigado pela Polícia Civil, que trabalha com a hipótese do incêndio ter sido criminoso.

Foto: Divulgação/Aconteceu em Bertioga

O imóvel pegou fogo na madrugada de quinta-feira (14), no momento em que a dona da casa dormia. Os latidos e o choro do cachorro acordaram a mulher, que saiu do local.

Um vídeo que foi publicado nas redes sociais mostra a mulher contando que sua vida foi salva pelo cachorro, que desapareceu após o incêndio. As informações são do G1.

“Meu cachorro meu acordou às 2h30. Só que o cachorro não está lá dentro. Eu quero encontrar o meu cachorro porque ele me salvou”, disse.

De acordo com a mulher, jogaram gasolina no imóvel. Ela acredita, inclusive, que o criminoso responsável pelo incêndio travou a porta da casa para impedir sua saída.

Após ser acionado, o Corpo de Bombeiros foi até o local. A corporação informou que o fogo teve início em um carro que estava estacionado no quintal e, depois, se espalhou, atingindo a residência.

Por conta do depoimento da vítima, e também por ter sido encontrado um galão de gasolina no local, a polícia suspeita que o incêndio tenha sido criminoso. A perícia foi acionada e o caso foi denunciado à Delegacia Sede de Bertioga.


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


​Read More
Notícias

Baleia de sete metros é encontrada morta em praia no litoral de São Paulo

Uma baleia de sete metros de comprimento foi encontrada morta, já em estágio avançado de decomposição, na praia de Guaratuba, em Bertioga, no litoral do estado de São Paulo. O estado do corpo impediu que a espécie fosse determinada. O animal foi encontrado na terça-feira (23) e examinado por uma equipe do Instituto Gremar.

Foto: Divulgação/Gremar

Pesquisadores do Instituto, que monitora a costa da região, explicaram que a baleia era uma fêmea adulta. Eles suspeitam que o animal era uma jubarte, mas não conseguiram definir de maneira certeira a espécie.

Com o apoio do Departamento de Operações Ambientais (DOE) da Prefeitura de Bertioga, que fez a remoção do corpo, os pesquisadores do Gremar coletaram amostras de gordura, músculo e pele da baleia para realização de um exame genético. As informações são do G1.

A presença de baleias-jubarte no litoral de São Paulo é comum entre julho e novembro. Isso porque, segundo o Gremar, esse é o período em que esses animais migram da Antártida para águas tropicais do litoral brasileiro. A migração ocorre para que as baleias possam se reproduzir. Elas se concentram principalmente na Bahia.

O trabalho do Instituto, que engloba o Projeto de Monitoramento de Praias (PMP) da Bacia de Santos, é realizado na orla da região por determinação da autoridade ambiental federal como condição para exploração de petróleo do pré-sal.

Foto: Divulgação/Gremar

Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


​Read More
Notícias

Cão atropelado de propósito por motorista sobrevive e recebe tratamento

O cachorro Snoppy, que foi atropelado de propósito por um motorista na contramão, passa por tratamento após sofrer uma fratura na bacia. O caso, que ocorreu em Bertioga, no litoral de São Paulo, repercutiu na web pela brutalidade do atropelamento. Após o episódio, Snoppy foi encontrado por um grupo de proteção animal da cidade que, com a permissão do tutor, tem cuidado do cachorro.

(Foto: Renata Ferraz/Arquivo Pessoal)

O atropelamento de Snoopy, como é chamado, teve grande repercussão. Imagens obtidas pelo G1 mostraram o momento em que o condutor de um veículo invade a contramão da Rua Bartolomeu Fernandes Gonçalves, no Centro, e atropela o cachorro, mesmo podendo ter desviado do animal.

De acordo com Renata Ferraz, participante do projeto Agnes, que promove a proteção de animais em situação de rua em Bertioga, o cachorro tem aproximadamente cinco anos. Ele sofreu uma leve fratura na bacia, mas não foi o suficiente para que ele tivesse que passar por uma cirurgia. “Com repouso de 15 a 20 dias, segundo a veterinária, o osso quebrado vai calcificar”, diz ela.

Porém, a fissura fez com que Snoopy passasse a ter dificuldade para fazer as necessidades fisiológicas. Snoopy está utilizando uma sonda, oferecida por uma clínica veterinária que resolveu ajudar no caso. O procedimento é diário e, só assim, ele consegue urinar.

“Ele não consegue defecar e urinar, pois sente muita dor. Por isso, está passando por um tratamento com medicação para facilitar as coisas”, explica Renata.

O tratamento só foi possível graças a insistência de Renata, que soube do acidente envolvendo o animal por meio de uma amiga. “Ela me disse que tinha o vídeo e não sabia como podia resolver. Eu disse para ela fazer um boletim de ocorrência e só assisti ao vídeo na sexta-feira”, conta.

Quando viu o que aconteceu, a primeira reação foi ir atrás de Snoopy. “Fiquei horrorizada. Rodei próximo do local do atropelamento, mostrei o vídeo para pessoas próximas e disseram que ele ficava perto de uma obra. Chegando lá, o achei”.

(Foto: Renata Ferraz/Arquivo Pessoal)

Snoopy estava em uma casa ao lado da obra indicada, após ter sido acolhido pelo tutor, que trabalha na construção. Humilde, ele permitiu o tratamento do cão. “Pedi para pegá-lo e levá-lo para a clínica, pois ele não teria condições. Daí, fizemos todos os exames”, conta. Por enquanto, ele recebe cuidados na casa de uma das integrantes do projeto.

Milagre

Renata conta que o responsável pelo atropelamento já se identificou e se prontificou a pagar os custos do tratamento do cachorro. Porém, ele ainda não o fez. “Como não sabemos se ele vai pagar ou não, precisamos ter a certeza de que conseguiremos arcar com o tratamento não só dele, mas dos outros animais”, pontua.

Para ela, ver Snoopy só com uma pequena fratura na bacia e conseguindo andar e comer é um milagre, se comparado com a cena vista no vídeo. “Achei que ia entrar com ele na clínica completamente quebrado, pensei o pior. Mas, graças a Deus não foi. Foi um alívio”.

Confira o vídeo do momento do atropelamento:

Fonte: G1

​Read More
Notícias

Vídeo: motorista atropela cachorro de propósito e foge em Bertioga (SP)

Um motorista atropelou um cachorro de propósito e, em seguida, fugiu. O caso ocorreu na área central do município de Bertioga, em São Paulo, e foi registrado por câmeras de monitoramento de um comércio.

(Foto: G1 Santos)

O carro entrou na contramão na Rua Bartolomeu Fernandes Gonçalves, passou lentamente por uma lombada e, mesmo tendo a possibilidade de desviar do cachorro, que andava próximo à guia da rua, foi em direção ao animal e o atropelou de forma proposital. Após o atropelamento, o motorista reduziu a velocidade do automóvel, mas em seguida, fugiu. O cachorro, ferido e com dor, começou a pular em círculos.

O ato cruel revoltou moradores da região. Uma testemunha, que preferiu não ser identificada, ouviu o barulho e foi até a rua verificar do que se tratava. “Moramos em um condomínio bem em frente. Ouvimos um barulho de pneu cantando e, em seguida, o cachorro chorando”, diz. “Depois, descemos para ir atrás do cão”, completa.

O morador, entretanto, não encontrou o cachorro. Ao chegar na rua, ele soube que um rapaz que passava pelo local de bicicleta resgatou o animal ferido e o levou em uma caixa na garupa. As informações são do portal G1.

Em uma publicação do Facebook, informações sobre o estado de saúde do animal foram divulgadas. Snoopy, como passou a ser chamado, está sob a responsabilidade do Grupo Voluntário de Proteção Animal – Projeto Agnes. De acordo com o grupo, o cachorro “passou bem a noite, mas ainda está em tratamento. Hoje (sexta-feira) passou novamente por consulta e ficou sob observação. Snoopy não está conseguindo fazer cocô nem xixi devido à dor. Já está sendo tratado”.

(Foto: Reprodução / Facebook / Grupo Voluntário de Proteção Animal)

Segundo o grupo de proteção animal, um boletim de ocorrência foi feito sobre o caso. O condutor do veículo já foi identificado.

As imagens do atropelamento foram divulgadas nas redes sociais. “Ficamos revoltados. Todos ficaram revoltados. Ele estava na contramão e jogou o carro de propósito”, desabafa o morador. “Ele precisa ser punido”, finaliza.

O Projeto Agnes busca agora ajuda financeira para custear o tratamento do cachorro. Interessados em colaborar devem entrar em contato com os voluntários através do Facebook.

Confira o vídeo do momento do atropelamento:

​Read More
Notícias

Habitats destruídos: tamanduá é flagrado atravessando rodovia em Bertioga (SP)

Tamanduá quase foi atropelado ao tentar atravessar avenida de Bertioga (Foto: Reprodução/G1)

Um tamanduá surpreendeu passageiros ao atravessar uma movimentada avenida de Bertioga, no litoral de São Paulo. Um morador da cidade que passava pelo local flagrou a situação e, bancando o ‘agente de trânsito’, ajudou o animal a passar de um lado para o outro em segurança.

O fato ocorreu por volta das 21h de terça, quando o animal apareceu na calçada da avenida Anchieta. Alguns pedestres pararam para acompanhar os passos do animal, que dava várias voltas no trecho de mato e voltava para o asfalto. O comerciante Marcos Aurélio de Melo conta que estava voltando de uma pizzaria de carro com um amigo quando viu um animal na pista.

“Eu achei que era um cachorro, só que vi que ele estava querendo voltar para a mata e os carros impediam ele passando em alta velocidade. Os motoristas não estavam nem aí e simplesmente não paravam. Quando eu vi o fucinho grande, vi que era um tamanduá. Parei o carro e liguei o pisca alerta”, conta.

O comerciante fez um video do passeio do tamanduá e da volta do animal para o matagal. O amigo de Marcos fez o sinal para os carros pararem e deixarem o animal passar pelas duas faixas da via. O tamanduá, por sua vez, nem se preocupou com os motores dos veículos e atravessou calmamente a avenida.

Depois que o animal entrou na mata, ele não foi mais visto pelos moradores. Melo alerta que a área foi desmatada para a construção de um condomínio, mas o projeto ficou apenas no papel e o habitat dos animais foi degradado. Ele diz que há muitos animais naquela região e pede que os motoristas tenham cuidado para não atropelar os animais.

“O pessoal tem que estar ciente, tomar cuidado. Ali tem muitos animais silvestres. Já vimos bicho preguiça. A Prefeitura também poderia colocar uma cerca. Os animais acabam invadindo o asfalto e dá dó já que podem ser mortos. Ali tem muito carro, é uma via de acesso aos bairros da cidade. Nunca tinha visto um tamanduá. Ele é lindo. Se eu não fosse salvá-lo, ele poderia ter morrido”, finaliza o morador.

Fonte: G1

​Read More
Notícias

Morte de mais de dez cachorros comove moradores do bairro São João, em Bertioga

Divulgação
Divulgação

Falta de apetite, emagrecimento, aparente surdez, dificuldade de locomoção, salivação excessiva e morte. Estes foram os sintomas apresentados por mais de dez cachorros no bairro Sítio João, no último mês, em Bertioga (SP). Na manhã do dia 25 mais um animal morreu e outro está com os sintomas, cuja causa ninguém sabe dizer. Os moradores afirmam que o motivo é a vacina antirrábica, aplicada nos animais em agosto.

A dona de casa Maria Helena se emociona ao falar sobre a morte de seu cachorro, o Bob. “Ele era um cachorro forte, atlético, gostava de nadar, gostava de fazer caminhada. Mas depois que ele tomou a vacina da zoonoses, ele começou a emagrecer, ele parou de comer, ele mal bebia água, os ‘quartos’ dele começou a arriar, onde ele tomou a injeção, depois a gente chamava ele e ele não atendia, porque eu acho que ele perdeu a audição e assim ele foi definhando e depois ele ficava só rodando, como se fosse louco”.

Os sintomas, segundo Maria Helena surgiram assim que o cachorro tomou a vacina. Foi uma semana de sofrimento, até a morte. Faz quinze dias que o Bob morreu. “Eu não fiz a denúncia antes porque estava muito triste. Mas, quando vi mais cachorros morrendo, resolvi fazer alguma coisa”, afirmou.

Questionada sobre o caso, a prefeitura respondeu com a seguinte nota: “Informamos que o Centro de Controle de Zoonoses (CCZ) não recebeu qualquer denúncia referente à reação da vacina antirrábica nos animais (cães e gatos). A campanha de vacinação aconteceu em agosto e as vacinas foram distribuídas pela Secretaria de Estado da Saúde para todo o Estado. A vacina é a mesma para todos os municípios e não há qualquer denúncia referente à reação negativa nos animais. No entanto, o CCZ vai entrar em contato com a D. Maria Helena, e buscará no bairro mais informações sobre os casos apontados pela reportagem. A recomendação para os tutores é que procurem o CCZ para passar os animais em consulta. O contato do CCZ para denúncias e informações é o 3316-4079”.

Fonte: Costa Norte

​Read More
Notícias

Vídeo: CCZ é opção para adoção de animais em Bertioga (SP)

Divulgação
Divulgação

Uma pesquisa do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) aponta que 44,3% dos domicílios brasileiros convivem com pelo menos um cachorro e 17,7% têm a presença de gatos. Quem procura por um animal doméstico e não está disposto a investir dinheiro pode adotar. O Centro de Controle de Zoonoses de Bertioga é uma opção.

Fonte: Costa Norte

​Read More