Notícias

Instituto Americano de Pesquisas sobre o Câncer passa a servir refeições veganas aos pacientes

Foto: VegNews
Foto: VegNews

O Instituto Americano de Pesquisa sobre o Câncer (AICR) recentemente fez uma parceria com a marca de kits de refeições veganas MamaSezz para criar pacotes de refeições veganas que ajudam a prevenir e tratar o câncer.

Segundo a co-fundadora da empresa responsável pelas refeições, Meg Donahue, os pacientes receberão pratos com ingredientes selecionados e balanceados, montados especialmente para reforçar e proteger o sistema imunológico.

“Este é o padrão ouro das refeições à base de vegetais: saborosas, frescas, prontas para consumo, entregue à sua porta.” Cada pacote inclui um plano alimentar de sete dias, receitas e ingredientes para pratos como grãos de lentilha com quinoa, grão-de-bico com ervas e açafrão-da-índia e ensopado marroquino.

AICR trabalhou em conjunto com a empresa MamaSezz para criar as refeições depois de lançar seu relatório “Dieta, Nutrição, Atividade Física e Câncer: Uma Perspectiva Global”, uma revisão da pesquisa de prevenção do câncer que aponta para uma alimentação baseada em vegetais para uma saúde ideal.

“Seguir o pacote de recomendações de dieta, exercícios e estilo de vida [do relatório publicado] é a melhor maneira de reduzir suas chances de contrair câncer”, disse a Diretora de Programas Nutricionais da AICR, Alice Bender, MS, RDN.

“Fazer mudanças no estilo de vida exige algum esforço, mas as recompensas podem mudar a vida de uma pessoa”.

Os pacotes de refeições estarão disponíveis para pedidos on-line por meio da MamaSezz e a empresa doará 10% dos recursos das refeições do AICR para ajudar a financiar os esforços de pesquisa sobre o câncer do instituto.

Cientista, pesquisadora e vítima da doença conta como venceu o câncer mudando a alimentação

Sobrevivente a seis cânceres a cientista e professora, Jane Plant, não come nenhum tipo de derivados do leite, ela conta que foi sua dieta que a ajudou se curar e colocar o câncer de mama em remissão.

A professora Plant, que é geoquímica especializada em carcinógenos ambientais, conta que sua primeira batalha contra o câncer de mama foi em 1987, segundo o Telegraph. Em 1993, a doença retornou pela quinta vez na forma de um tumor que tinha metade do tamanho de um ovo e os médicos afirmaram que ela tinha apenas alguns meses de vida.

Professora e cientista Jane Plant | Foto: Reprodução/Livekindly
Professora e cientista Jane Plant | Foto: Reprodução/Livekindly

Como a professora e seu marido Peter, geólogo, trabalharam na China ao longo de suas carreiras, eles tinham conhecimento das taxas historicamente baixas de câncer de mama entre as mulheres chinesas, de uma a cada 100 mil mulheres, muito menor se comparada a taxa de câncer em mulheres ocidentais, de uma em cada 12, de acordo com um estudo dos anos 70.

Persistindo na pesquisa, a professora percebeu que quando as mulheres chinesas se mudavam para países ocidentais e adotavam uma dieta tradicional contendo carne e laticínios, elas experimentavam as mesmas taxas de câncer.

Ela e seu marido descobriram que os riscos mais elevados de ter câncer possuíam grande probabilidade de estar ligados a alimentação, especificamente de laticínios. “Ele frisou que naquela época eles não tinham uma indústria de laticínios. Foi uma revelação”, disse ela.

O livro “The China Study”, escrito pelo Dr. T. Colin Campbell e seu filho Dr. Thomas M. Campbell lançado em 2005, avaliou não apenas as baixas taxas de câncer entre os habitantes da China rural, mas também algumas doenças crônicas como cardiopatias e diabetes tipo 2. Os autores concluíram que uma dieta rica em alimentos a base de plantas reduz consideravelmente o risco desses problemas de saúde.

A professora então, que já comia poucos produtos de origem animal, cortou todos os produtos lácteos de sua alimentação enquanto fazia quimioterapia. Dentro de seis semanas, o nódulo desapareceu e ela permaneceu livre do câncer por 18 anos. Foi assim que ela desenvolveu o programa “Plant”, uma dieta rica em vegetais e legumes e livre de produtos lácteos, e ainda escreveu um livro sobre sua experiência, “Sua vida em suas mãos: entendendo, prevenindo e superando o câncer de mama”.

Quando o câncer retornou em 2011, ela teve a sensação de que, mais uma vez, era uma questão de ingerir laticínios ou não. Ela adotou então uma dieta vegana e seu câncer voltou à remissão. Embora Jane não desconsidere tratamentos médicos tradicionais contra o câncer, como quimioterapia e mastectomia, ela acredita que a alimentação tem o poder de ajudar ou atrapalhar as pessoas.

Laticínios são Cancerígenos?

“Todos nós fomos educados com a ideia de que o leite é bom para a saúde. Mas agora há evidências de que os fatores de crescimento e hormônios que ele contém não são apenas um risco em relação ao câncer de mama, mas também a outros cânceres relacionados a hormônios, próstata, testículos e ovário”, disse ela.

“O leite de vaca é bom para os bezerros – mas não para nós”, acrescentou a professora.

“O leite de vaca, orgânico ou não, contem 35 hormônios diferentes e 11 tipos de fatores de crescimento”, ela continuou. “Isso significa que uma dieta vegana é menor em moléculas promotoras de câncer e maior nas proteínas de ligação que reduzem a ação dessas moléculas.”

De acordo com o Cancer Research UK, não houve evidência definitiva ligando os produtos lácteos a um aumento do risco de câncer. Um estudo do Fundo Mundial para Pesquisa do Câncer relacionou a carne – especialmente a carne vermelha e processada – ao aumento do risco de câncer; mas as descobertas não diziam o mesmo sobre laticínios.

Mas o PCRM (Comitê de Médicos pela Medicina Responsável) – uma organização sem fins lucrativos composta por mais de 12.000 médicos – destaca os riscos à saúde associados aos laticínios. Leite e queijo são ricos em gordura saturada, que tem sido associada a doenças cardíacas, diabetes tipo 2 e mal de Alzheimer.

A dra. Kristi Funk, autora do livro “Breasts, an Owner’s Manual”, cujos pacientes incluem os atores Angelina Jolie e Ellen Pompeo, também acredita que os laticínios aumentam o risco de câncer. “É claro que a resposta celular do corpo às proteínas e gorduras animais é muito perigosa”, disse ela.

Como o professora Plant, a dra. Funk acredita que uma dieta rica em vegetais é a melhor escolha para diminuir o risco de desenvolver a doença.

Um corpo crescente de estudos médicos mostra que uma dieta vegana integral – que evita todos os produtos de origem animal e alimentos processados – é uma das formas mais eficazes de combater doenças crônicas.

O segundo livro da professora Plant, “Vença o Câncer: Como recuperar o controle de sua saúde e da sua vida” fornece opções simples no lugar de produtos lácteos, como leite vegan, iogurte e iogurte de leite e queijo à base de vegetais.

Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


 

​Read More
Notícias

Políticos são pressionados a destacar os benefícios do veganismo para o planeta

O Reino Unido foi a primeira nação do mundo a declarar emergência climática e ambiental com a provação de uma moção parlamentar requerendo ações urgentes em prol do planeta.

Tendo saído na frente em reconhecer a ameaça sobre a qual a humanidade tem vivido não é de se surpreender que mais um passo seja esperando do bloco de países em relação a proteção e ajuda ao planeta.

Agora são os políticos do bloco de países que estão sendo instados a centrar o veganismo nas políticas de alimentação e agricultura depois da declaração de uma emergência climática nacional.

Uma série de pesquisas recentes mostra como a adoção de uma alimentação vegana pode reduzir o impacto ambiental de um indivíduo, incluindo a pesquisa da Universidade de Oxford, que descreveu o movimento como a “maior e mais efetiva atitude” que as pessoas poderiam fazer pelo planeta.

Agora, a Vegan Society escreveu para os principais partidos políticos, pedindo-lhes para “traduzir esse anúncio [sobre a iminente crise climática] em ação” e adotar políticas que estimulem a alimentação baseada em vegetais, além de oferecer comida vegana em cantinas do setor público e apoiar fazendeiros deixar as atividades que envolvem de animais de criação.

Cartas formais

O executivo-chefe da Vegan Society escreveu ao Partido Trabalhista, aos Democratas Liberais, ao Parlamento do Reino Unido, ao Partido Nacional Escocês e ao governo galês, afirmando que o aumento do conhecimento e a absorção de alimentos vegetais são necessários não apenas para a mitigação da mudança climática, mas também para a saúde pública. como pode aliviar a pressão no NHS.

A carta pede aos partidos políticos que deem três passos: encorajar a nação a adotar uma alimentação cada vez mais baseada em vegetais, implementar políticas para instituições do setor público, como escolas, hospitais e lares de idosos, para oferecer uma boa refeição vegana como padrão nos cardápios todos os dias. como parte de sua campanha Catering for Everyone, e fornecer ajuda financeira e prática para os agricultores que desejam se afastar de animais de criação para o cultivo de culturas vegetais para consumo humano, como parte de sua campanha Grow Green.

Dieta vegana e política

“É amplamente reconhecido que comer produtos de origem animal tem um enorme impacto ambiental, mas isso não é de forma alguma incorporado à política”, disse George Gill, executivo-chefe da Vegan Society, em um comunicado enviado ao Plant Based News.

“A agricultura animal não tomou nenhuma atitude em relação a sua cota de emissões e está ficando cada vez mais claro que não poderemos cumprir o Acordo de Paris a menos que façamos uma mudança nacional em direção a alimentações baseadas em vegetais”.

“Estamos pedindo aos partidos políticos que cumpram suas promessas e deem um passo ousado para superar a emergência climática implementando políticas que encorajem uma alimentação realmente sustentável e baseadas em vegetais”.

Opções veganas para ser padrão

“Estamos fazendo campanha para que as opções veganas se tornem padrão em todo o setor público para garantir que haja sempre uma opção alimentar adequada para todos”, acrescentou Will Gildea, responsável por campanhas e políticas da Vegan Society.

“O governo deve também apoiar os agricultores que desejam uma agricultura sustentável ou restauração ecológica, o que ajudaria a cumprir sua promessa de dinheiro público para bens públicos.

“Em um nível individual, podemos fazer a diferença comendo uma alimentação baseada em vegetais – qualquer pessoa interessada pode se inscrever para o desafio Plate Up for the Planet de sete dias”.

​Read More
Notícias

Projeto incentiva adoção de animais em Itajaí (SC) através de desconto no IPTU

Proteção Animal

Um projeto do vereador Osvaldo Mafra (Solidariedade) quer incentivar a adoção de animais em situação de risco. A proposta sugere que a prefeitura conceda desconto no IPTU para os moradores que se candidatarem à adoção, além de criar um cadastro geral para inserir os animais que foram esterilizados. Para garantir que a lei funcione, o parlamentar pede que os cidadãos assinem um termo de responsabilidade e sejam fiscalizados pela prefeitura. O projeto foi inspirado em uma lei em vigor em Araquari.

Fonte: Guarda – Sol

​Read More
Notícias

Nota Fiscal Paulista também pode beneficiar ONGS de Proteção Animal

Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

A Nota Fiscal Paulista (NFP), um programa de estímulo à cidadania fiscal, também pode beneficiar ONGs de Proteção e Defesa Animal em todo o Estado de São Paulo. Desde agosto de 2013, já é possível ajudar estas entidades doando os créditos das notas fiscais de suas compras.

Para usufruir dos créditos concedidos no âmbito do Programa e participar dos sorteios, as entidades deverão ser paulistas, sem fins econômicos e estar devidamente cadastradas no governo estadual.

As instituições poderão receber créditos e bilhetes para concorrer aos sorteios tanto a partir de compras realizadas com verba própria, como da doação de notas sem identificação de CPF. Caso as notas já tenham sido identificadas, a transferência para a organização deve ser feita por meio do site da Nota Fiscal Paulista. Saiba mais!

A regulamentação decorre de decreto do governo do Estado, atendendo à Lei da Nota Fiscal Animal (nº 14.728/2012), de autoria do Deputado Estadual Feliciano Filho.

Projeto Mucky

O Projeto Mucky, principal programa voltado a saguis no Brasil, localizado em Itu é uma das entidades que podem receber os benefícios da NFP. Para destinar estes créditos ao Projeto, basta que nas compras do dia a dia você peça o cupom fiscal (sem o CPF ou CNPJ do consumidor) e o envie via Correio ou por email (escaneado) para financeiro@projetomucky.org.br.

Para mais informações sobre o Projeto Mucky, agendamentos e colaborações, entre em contato com os responsáveis pelo e-mail coordenadora@projetomucky.com.br ou pelo telefone (11) 4023-0143.

Fonte: Itu.com.br

 

​Read More
Notícias

Cachorra resgatada ajuda na socialização de menino autista

Antes de encontrar a cachorra Xena, Jonny passava horas jogando bolinhas de gude sozinho (Foto:  Daily Mail)
Antes de encontrar a cachorra Xena, Jonny passava horas jogando bolinhas de gude sozinho
(Foto: Daily Mail)

Um garoto de oito anos que sofre de autismo se transformou de um garoto “dolorosamente estranho e isolado” em um menino tagarela graças à sua amada cachorra resgatada. Em apenas dois meses, a cachorra mix Staffordshire terrier fez de Jonny Hickey “a criança mais feliz desde que eu o conheço”, disse sua mãe, Linda.

Jonny, que vive na Geórgia, nos Estados Unidos, mal falava antes de encontrar Xena. Ele passava horas jogando bolinhas de gude sozinho e morria de medo de novas experiências. Os dois desenvolveram uma relação especial desde que se encontraram, dois meses atrás, quando a família adotou a cachorrinha. Desde então, Jonny se transformou em um menino carinhoso e feliz, que considera Xena sua melhor amiga.

Um vídeo com os dois mostra Jonny cantando You’ve got a friend in me (música de Randy Newman e tema de ‘Toy Story”) com Xena em seu colo. Em outro, o menino diz que ele e Xena formam um time mais que perfeito e beija a cabeça da cachorrinha.

Mãe de dois filhos, Linda Hickey, de 44 anos, disse: “Estes dois estavam destinados a ficar juntos, a salvar um ao outro em um nível que os humanos simplesmente não conseguem entender”.

“Desde o primeiro dia, a cachorra sentou-se no colo dele no banco do carro, e tem lhe dado todos esses beijos. E é ali que ela tem ficado desde então”, disse Linda.

A professora disse que seu filho agora não para de conversar, falando a ela sobre como foi seu dia na escola.

A cadela foi encontrada esquelética (Foto:  Daily Mail)
A cadela foi encontrada esquelética (Foto: Daily Mail)

Xena foi levada para um abrigo de animais na Georgia no fim de 2012, depois de ter desmaiado no quintal de uma pessoa. A cachorra de quatro meses estava esquelética e com cicatrizes, após ter sido jogada numa gaiola.

A equipe do abrigo DEKalb County Animal Services, na Geórgia, disse que Xena chegou pesando por volta de 1,8 kg e num estado muito próximo da morte, de acordo com o Today.com.

Chrissy kaczynski, do abrigo, disse que em 12 anos de trabalho com cachorros resgatados, Xena é um dos piores casos que já presenciou. A filhote rapidamente se recuperou e ganhou o apelido de Xena, a guerreira.

A mãe de Jonny achou a cachorra numa página do Facebook e foi pegá-la em um evento para angariar fundos para o abrigo, em novembro último. Ela diz que a conexão entre seu filho e Xena foi instantânea.

“Estávamos lá literalmente havia apenas quatro minutos quando Xena correu rapidamente na direção de Jonny e do meu marido. Eu já amei aquela cachorra na hora e, depois de conhecê-la, eu realmente confirmei este amor”.

Pesquisas sobre os efeitos de crianças com autismo e a companhia de animais têm mostrado que eles são mais propensos a rir e a falar na presença de animais que na de brinquedos.

Cães do Serviço de Autismo da América que possuem treinamento especial proporcionam um efeito calmante nas crianças. A mãe de Jonny posta regularmente fotos no Facebook de Xena e fez uma série de vídeos de apoio para entidades de prevenção de autismo e crueldade contra animais.

“Meu nome é Jonny e esta é minha cachorrinha, Xena”, ele fala no vídeo, com a cachorra descansando perto dele com a pata em seu colo.

“Bom, minha Xena foi muito machucada por pessoas não muito legais. E eu tenho austismo. Então, eu acho que nós formamos um time mais que perfeito para espalhar que se deve ser bom com os animais e legal com crianças como eu”, disse Jonny.

Xena foi encontrada quase morta, desmaiada em um quintal, porém, respondeu bem ao tratamento e teve a sorte de encontrar Jonny e mudar o destino de ambos.

Fonte: Uol Notícias

​Read More
Notícias

Acupuntura ajuda animais com problemas de locomoção

Recorrer a tratamentos alternativos é um costume dos humanos, mas poucos sabem que os bichos também podem ser beneficiados por algumas terapias, como é o caso da acupuntura.

A técnica chinesa consiste em atingir pontos específicos do corpo, geralmente com agulhas, para melhorar sintomas e problemas de saúde. Segundo a médica veterinária Ayne Murata Hayashi, especialista em acupuntura animal, os benefícios da agulha já são comprovados para a melhora da dor crônica. Esse é um dos motivos que levam os tutores a procurarem o tratamento diferenciado.

Na maioria dos casos, os bichos apresentam problemas na parte locomotora, artrose, problemas de coluna e problemas neurológicos, como a paralisia. Em alguns casos, a técnica ajuda bastante..

A médica explica que na primeira consulta é feita uma avaliação de acordo com a medicina chinesa, onde são recolhidos dados importantes sobre o animal – informações como a queixa principal, além dos dados sobre o comportamento e também se o bicho prefere climas quentes ou frios.

Toda medicina chinesa é voltada para a teoria do Yin-Yang. Essa teoria acredita que o universo é dividido em duas forças opostas, onde cada uma tem características diferentes da outra. Para que o universo funcione, no caso, a saúde, as duas forças devem estar em equilíbrio.  É preciso identificar para qual lado o animal mais pende, Yin ou Yang, para definir os pontos de acupuntura.

O método nos bichos é feito com diversas técnicas. A clássica é a introdução das agulhas em pontos específicos. Os pontos mais comuns onde a acupuntura é feita são as orelhas, extremidades das patas, coluna, pescoço e cabeça.

Se for paralisia ou dor, o aparelho de eletroacupuntura é acionado. Há também a técnica da massagem no ponto certo para aliviar a dor, que pode ser feita em casa pelos tutores. Outra forma é a fonte de calor, com o uso de ervas que emitem calor estimuladas em cima da pele..

As sessões duram em média de 30 a 40 minutos. A frequência depende do problema do animal, geralmente vai de uma a duas vezes por semana e os resultados começam a aparecer depois da 4º sessão. A cada quatro sessões, é preciso fazer uma reavaliação do estado do bicho.

No caso da artrose, os sintomas normalmente pioram com frio. Como é uma doença que não tem cura, a acupuntura acaba sendo melhor que anti-inflamatórios, pois não tem efeitos colaterais.

Foi exatamente a artrose que levou Carla Toscano a procurar um acupunturista para Beans. O poodle começou a desenvolver o problema quando chegou aos oito anos de idade. “Beans começou a ter dificuldades de movimentos. Quando a artrose foi diagnosticada, morri de dó dele. A veterinária receitou um anti-inflamatório que deveria ser dado mês sim, mês não, para o resto da vida. Procurei a acupuntura para ver se ajudava o meu velhinho. O Beans voltou a se movimentar e só recorro a anti-inflamatórios quando ele tem muita dor “.

A acupuntura não cura tudo, apenas melhora os sintomas e muitas vezes funciona como diagnóstico. Esse foi o caso do gatinho Nico. Em 2008, Nico caiu da varanda do terceiro andar, machucou a coluna e a pata, mas foi medicado e ficou ótimo. Um ano e dois meses depois, ele começou a caminhar esquisito. Após diversos exames, os veterinários acharam que Nico estava com um problema na coluna e recomendaram à mãe dele, Cristina Durán, que recorresse à acupuntura.

“Achei estranho, mas queria tentar tudo. Procurei a Dra. Ayne e ela chegou a fazer quatro sessões. Como Nico não melhorava, fizemos exames e descobrimos que o problema não era uma lesão na coluna, e sim leucemia felina”.

Após o diagnóstico, Cristina parou com a acupuntura, mas revela que Nico ficava incrivelmente bem, mais calmo e chegava até a dormir nas sessões. “Aos poucos eliminamos todos os medicamentos e só deixamos o floral, que ele toma todo dia de manhã. Quando tomava os remédios ficava estressado e até fugia de mim”.

Ayné conta que gatos costumam ser mais ariscos e por isso, as agulhas devem ser mais finas e as sessões mais rápidas. Também é comum usar o método do laser ou das massagens..

A própria Dra. Ayné já se surpreendeu com alguns casos. “Uma vez chegou a mim o caso de um pastor alemão que não andava mais. O tutor não acreditava que ele voltaria a andar, mas eu quis tentar. Em duas sessões, ele voltou a caminhar. O animal tetraplégico, mesmo com cirurgia, não voltaria a andar”.

Fonte: R7

​Read More
Notícias

SVB organiza evento em benefício de santuário animal no RJ

Por Fernanda Franco (Da Redação)

Será realizado, no próximo sábado (09/05), às 18h, um evento em benefício do primeiro santuário de animais do Rio de Janeiro, o Santuário das Fadas (local responsável pela tutela e resgate de animais de médio e grande porte). O evento será organizado pela SVB-RIO. A programação começará com um debate com os índios Pataxós, do sul da Bahia, que falarão de sua relação com a natureza. Em seguida, haverá apresentação de dança indígena dos Pataxós e venda de artesanato.

O encontro acontecerá no Refeitório Orgânico, na Rua Dezenove de Fevereiro, 120, no bairro do Botafogo, Rio de Janeiro (RJ). Para participar, o valor por pessoa é de R$ 19,80.

Estarão à venda, no local, materiais libertários (blusas, sabonetes veganos, entre outros) e será sorteada uma cesta vegana entre todos que estiverem participando do jantar beneficente.

​Read More