Notícias

Golfinho depressivo bate a cabeça contra as paredes do aquário que o mantém cativo

Foto: Tipwam/Shutterstock
Foto: Tipwam/Shutterstock

Durante uma visita ao Resorts World Sentosa (RWS) S.E.A. um aquário em Cingapura no ano passado, um visitante ficou tão perturbado com algo que viu que decidiu gravar as imagens em vídeo. Ele enviou as filmagens para a ONG Empty The Tanks (Esvaziem os Tanques), que está baseada nos Estados Unidos e luta acabar com o cativeiro de golfinhos e baleias. Recentemente, a Empty the Tanks compartilhou o vídeo nas mídias sociais para chamar a atenção para o sofrimento de mamíferos marinhos em cativeiro.

No vídeo, um golfinho (um dos vinte que são mantidos em cativeiro naquela instalação) pode ser visto repetidamente batendo a cabeça contra a parede do tanque. Este é um sinal claro de depressão. Naomi Rose, uma cientista especializada em mamíferos marinhos que trabalha no Instituto de Bem-Estar Animal dos EUA, disse ao jornal The Straits Times que este comportamento é “um sinal de tédio, neurose, depressão” e completou: “É difícil dizer exatamente o que está acontecendo nas imagens, mas é definitivamente um sinal de problemas de saúde emocional”.

A fundadora da ONG, Rachel Carbary, diz que compartilhou as imagens (que podem ser vistas acima) nas mídias sociais “na esperança de chamar mais atenção para a situação desses animais sensíveis que continuam sofrendo privados de sua liberdade e da companhia de seus companheiros”.

O Resorts World Sentosa afirma que o golfinho está “apenas curioso” sobre os arredores, como a maioria dos golfinhos. Mas esse tipo de comportamento repetitivo é um sinal de compulsão e tédio, resultado da vida em cativeiro. Na natureza, os mamíferos marinhos nadam livremente com suas famílias. Eles não vivem confinados a pequenos tanques.

Alguns comportamentos estereotipados de sofrimento mental incluem nadar em círculos repetidamente, bater com o bico (ou nariz) repetidamente no ar e permanecer imóvel na superfície ou no chão do aquário por períodos relativamente longos.

Em cativeiro, golfinhos e baleias até se machucam e chegam a quebrar os dentes no extremo do tédio, o que os leva a morder as barras de suas celas. Esses animais sofrem doenças incomuns, barbatanas dorsais que caem, mortes precoces e ficam tão deprimidos que muitos até se encalharam propositalmente na tentativa de cometer suicídio.

Se você não deseja apoiar o cativeiro de golfinhos e baleias, assine este compromisso de não visitar lugares que mantêm mamíferos marinhos em cativeiro para o entretenimento de humanos.

Você também pode assinar esta petição pedindo o fim do Sea World Organizations, um dos maiores e piores tipos de parques aquáticos com mamíferos marinhos em cativeiro de todo o mundo.

Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


 

​Read More
Notícias

Gato fica famoso ao ser flagrado batendo em porta para entrar em casa

Um gato ficou conhecido mundialmente após ser flagrado batendo em uma porta para entrar em casa. O caso inusitado aconteceu em Cardiff, capital do País de Gales, no Reino Unido.

Foto: Reprodução/Vídeo/The Sun

A atitude incomum do gato fez com que ele ganhasse o título de “gato mais educado do Reino Unido”. As informações são do portal R7.

As imagens do gato batendo na porta foram feitas por Sheekilah Jones, de 24 anos. “Estou vendo coisas porque são 6 da manhã ou este gato está batendo na porta?”, questionou a jovem ao divulgar o caso através das redes sociais.

No registro feito por Jones, é possível ver o gato em pé, sob as patas traseiras, em cima de um corrimão. Uma das patas dianteiras ele apoia na maçaneta, enquanto usa a outra para bater na porta e chamar a atenção dos tutores, para que eles deixem-o entrar.

Após serem divulgadas, as imagens viralizaram na internet e chamaram a atenção dos internautas. Desde que foi publicado, o vídeo já alcançou mais de 360 mil compartilhamentos e mais de 2 milhões de visualizações.

Um das internautas que ficou surpresa com a atitude do gato afirmou que esses animais têm facilidade para imitar as pessoas das quais eles gostam e que, provavelmente, o gato do vídeo viu muita gente batendo na porta de casa e percebeu que, assim, ela era aberta em seguida para que as pessoas entrassem e, por isso, agiu igual.

​Read More
Notícias

Investigação revela tortura de vacas em matadouros e ONG pede que população mundial adote o veganismo

Trabalhadores em matadouro foram flagrados batendo em animais com bastões. Imagens foram gravadas por ativistas através de câmeras escondidas.

O local do ocorrido foi o matadouro da PJ Hayman & Sons, em Ottery St Mary, na Inglaterra. Na filmagem, dois trabalhadores rindo um com o outro tentam forçar uma vaca em direção a uma grade para ficar atordoada.

Quando a vaca resiste, o trabalhador bate nas costas e tenta empurrá-la para a frente enquanto a insulta. O outro trabalhador pergunta em brincadeira para o seu amigo: ‘você quer um pouco de carne de Natal?’.

A Agência de Padrões Alimentares (Food Standards Agency – FSA) lançou uma investigação depois que a organização de combate ao abuso de animais Animal Aid liberou as imagens tiradas no matadouro.

Tor Bailey, gerente de campanha da Farming and Slaughter na Animal Aid, disse:

“Pedimos a qualquer um que se sinta comovido com a filmagem que considere aderir ao veganismo, já que esta é a única maneira de não contribuir com essa indústria”.

Trabalhador força uma vaca em direção a uma grade para ficar atordoada (Foto: Daily Mail Online)

A Food Standards Agency confirmou que iniciou uma investigação criminal sobre as ações das pessoas capturadas nas filmagens. “A Food Standards Agency leva muito a sério o bem-estar animal nos matadouros e está em curso uma investigação criminal”.

“Nossa equipe de veterinários revisou as imagens recebidas do Animal Aid e a ação apropriada foi tomada dentro de 24 horas. A introdução de câmeras obrigatórias nos matadouros faz parte de medidas mais rigorosas para evitar incidentes desta natureza”, disse um porta-voz.

​Read More
Notícias

Mulher bate em cachorro e é levada para prisão

Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

Uma mulher flagrada batendo repetidamente em um cão na frente de seus vizinhos em San Lorenzo, Puerto Rico, foi detida e levada para a prisão de mulheres em Vega Alta.

Através de redes sociais, uma das vizinhas de Noemí del Valle Medina, divulgou um vídeo do momento em que a mulher segura Sparky em uma de suas pernas e começa a esmurrá-lo na área residencial de La Lorenzana.

Antes desta agressão da mulher de 37 anos, haviam várias denúncias por violação da Lei Armas e maus-tratos de animais A juíza Edianette Martinez estabeleceu uma fiança de cem mil dólares e como não tinha o dinheiro, foi presa. O pitbull passou por uma cirurgia e está estável. Na sequência da divulgação de imagens e vídeos de Sparky, várias pessoas se ofereceram para adotar o animal.

Fonte: O Grito do Bicho

​Read More
Notícias

Participante de 'A Fazenda' declara que teve vontade de bater em uma lhama

A Fazendeira se irritou com uma lhama na manhã desta segunda, dia 19 (Foto: Reprodução/TV Record)

A polêmica envolvendo peões e animais em “A Fazenda” parece não ter fim. Na manhã desta segunda-feira, dia 19, quem se desentendeu com uma lhama foi a participante Joana Machado. A personal trainer revelou à Valesca Popozuda que teve vontade de bater em um macho da espécie.

“O Lino deu um pulão, me deu vontade de dar um soco nele”, disparou. Para se justificar, ela explicou que o bicho pode machucar alguém quando pula e revelou que aplica uma pena alternativa. “Deixei ele de castigo, disse que ele não ia comer mais”.

Fonte: Band

​Read More
Home [Destaque N2], Notícias

Polícia investiga morte de animais torturados na Espanha

Por Raquel Soldera (da Redação)

A Polícia Civil está investigando uma denúncia de constantes mortes por maus-tratos a animais, que vêm ocorrendo há meses na cidade de Carlet, na Espanha.

Polícia Civil espanhola investiga morte de animais torturados em Carlet. (Foto: Levante)
Polícia Civil espanhola investiga morte de animais torturados em Carlet. (Foto: Levante)

Segundo denúncias de protetores de animais de Valencia, um grupo de pessoas se dedica a capturar animais abandonados e se divertir com eles, fazendo todo tipo de atrocidades. “Eles fazem isso por diversão”, disse Amparo, uma das protetoras dos animais.

O último deste tipo de incidente ocorreu há um mês e meio, quando uma mulher testemunhou vários jovens, incluindo um menor, batendo com um pedaço de madeira em um cão amarrado a uma árvore. Quando a testemunha censurou a ação, eles riram dela e continuaram a bater no animal.

Esses fatos já são conhecidos da Polícia Civil, segundo informaram fontes que auxiliaram nas denúncias, que dizem que os policiais sabem quem são os autores de maus-tratos a animais, mas é muito difícil provar a sua culpa, já que alguns deles são menores de idade.

As fotografias apresentadas por protetores de animais mostram a gravidade das agressões a que os animais foram submetidos. Em uma delas, um cachorro estava pendurado em uma árvore próxima ao centro poliesportivo de Carlet. “Ele foi enforcado e permaneceu pendurado por dois meses, até que um funcionário da prefeitura o tirou dali”, disse um morador do município.

De acordo com as fontes, cães de rua são levados a uma clareira, onde os agressores jogam gasolina e ateiam fogo nos animais, como visto em outras imagens. Um cavalo morto foi encontrado na mesma área, e pode ter sido torturado por este mesmo grupo de pessoas.

Os maus-tratos contra animais são punidos na comunidade valenciana com multas que chegam a 18 mil euros. Além disso, o Código Penal, no artigo 337, afirma que o crime é punível com pena de prisão. Aqueles que maltratam animais, matando ou causando-lhes ferimentos graves que causam deficiência física, são punidos com pena de prisão de três meses a um ano.

Com informações de Levante

​Read More