Notícias

Aves vítimas do tráfico são encontradas dentro de caixas de leite em SP

Quatro aves silvestres foram resgatadas pela Polícia Ambiental em São José dos Campos (SP) no domingo (1º). Três delas, da espécie trinca-ferro, eram mantidas dentro de caixas de leite.

Foto: Divulgação/Polícia Ambiental

O caso foi descoberto após uma denúncia de que caçadores haviam capturado as aves. Eles foram encontrados em uma área de mata. As informações são do G1.

Além das três aves levadas dentro de caixas de leite, os caçadores transportavam um quarto pássaro em uma gaiola.

Com os caçadores foi encontrada também uma espingarda de pressão com calibre de arma de fogo e rede para caçar aves. Todos os objetos foram apreendidos pelos policiais.

Após o resgate, as aves foram soltas na natureza e os homens foram encaminhados para a delegacia. Eles foram multados em R$ 39 mil. Dois dos caçadores foram liberados e vão responder por crime ambiental em liberdade. Um terceiro, que também responderá pelo crime cometido contra as aves, foi mantido preso por porte ilegal de arma de fogo.


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


​Read More
Notícias

Senado deve votar projeto de lei que proíbe sacrifício de animais saudáveis

O texto da proposta permite que os animais sejam acolhidos por ONGs de proteção animal


O Senado deve votar nesta terça-feira (3) o projeto de lei 17/2017 que proíbe que cachorros, gatos e aves saudáveis sejam sacrificados como forma de controle populacional em centros de zoonoses, canis públicos e similares.

Pixabay/RandyDMM

O objetivo é que os estabelecimentos públicos passem a usar formas menos cruéis de controle populacional, como a castração. O sacrifício só será permitido em caso de doença incurável e serão necessários realização de exame e elaboração de laudo técnico para que a morte induzida seja executada. As informações são do portal D24M.

A medida prevê ainda que as entidades de defesa animal tenham “acesso irrestrito à documentação que comprove a legalidade do sacrifício”. O descumprimento da medida acarretaria em punições previstas na Lei de Crimes Ambientais.

O texto da proposta permite ainda que os animais sejam acolhidos por ONGs. A proposta original autorizava também que convênios fossem celebrados pelo Executivo com entidades para realização de feiras de adoção, mas esse trecho foi retirado porque os senadores entenderam que o artigo interferia nas competências de outro poder.

O projeto original protegia apenas os cachorros e gatos, mas as aves foram incluídas por uma emenda sugerida por Telmário Mota (Pros-RR) e acatada pela Comissão de Assuntos Sociais (CAS) do Senado, Soraia Thronicke (PSL-MS).

“Anualmente o Ibama resgata de centenas a milhares de aves – silvestres ou domésticas – que são mantidas em cativeiro ou submetidas a maus-tratos. Muitas delas não possuem condições de retornar à natureza e, muitas vezes, não há o interesse dos zoológicos em recebê-las. Nesses casos, os animais são submetidos ao sacrifício. Como consideramos esta prática cruel e absurda, queremos que as aves também não sejam mortas”, disse o senador.

O projeto foi analisado pela Câmara e aprovado pela comissão do Senado. “Consideramos a proposição relevante para o bem-estar dos animais e a proteção da saúde humana. Este parlamento contribui para a profissionalização da política pública referente ao cuidado e ao manejo dos animais que se encontram sob a guarda de órgãos de controle de zoonoses”, disse o senador Jaime Campos (DEM-MT), membro da CAS.


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


​Read More
Notícias

Aves silvestres são resgatadas de cativeiro em Glória do Goitá (PE)

Aves silvestres em cativeiro e um depósito e comércio irregular de carvão vegetal foram localizados no município de Glória do Goitá, na Zona da Mata Norte, na tarde deste sábado (15). Foram apreendidas 53 aves Canários da Terra e 140 sacos de carvão vegetal durante a fiscalização realizada por policiais militares da Companhia Independente de Proteção ao Meio Ambiente (Cipoma).

Reprodução

As irregularidades foram encontradas no prédio localizado na Rua Cel. José Antônio de Albuquerque. As aves foram entregues ao Centro de Triagem de Animais Silvestres (CETAS-Tangará) e o infrator foi detido e conduzido à Delegacia de Plantão, onde foi lavrado o Termo Circunstanciado de Ocorrência (TCO) em seu desfavor.

Fonte: Folha PE

​Read More
Notícias

PM e GM apreendem cerca de 100 aves silvestres engaioladas em imóvel em Jundiaí (SP)

Ação da Polícia Militar Ambiental e Divisão Florestal da Guarda Municipal de Jundiaí apreendeu, nesta sexta-feira (17), dezenas de pássaros silvestres em uma residência no bairro do Traviú. Aproximadamente 100 aves foram encontradas no imóvel, dentro de gaiolas, e parte delas foi solta ainda no local pelos policiais.

Reprodução

Segundo a GM, são pássaros das espécies coleirinha, canário-da-terra, tico-tico, entre outras. Dois homens foram detidos no local e levados à delegacia para serem autuados. Dos pássaros que não foram soltos, parte foi levada à Mata Ciliar, enquanto a outra foi levada a São Paulo pela PM Ambiental.

Lei

A caça e a posse ilegal de animais silvestres em cativeiro são proibidas em todo território nacional, conforme dispõe o artigo 29 da lei 9605/98. Já a pena varia de seis meses a um ano de detenção, além do pagamento de multa que varia de R$ 500 a R$ 5 mil por ave em cativeiro sem autorização do órgão ambiental. Em fevereiro deste ano, a Defesa Civil e a Guarda Municipal de Campo Limpo Paulista resgataram na avenida Mitiharu Tanaka, no São José, uma Arara Canindé. A ave estava em uma árvore. O animal foi levado para a Associação Mata Ciliar, de Jundiaí. De acordo com a Defesa Civil, o pássaro aparentava estar sendo criado, de maneira ilegal, em cativeiro e pode ter fugido de alguma residência.

Ajuda
Denúncia sobre a criação irregular de pássaros silvestres em Jundiaí pode ser passada à Polícia Militar, pelo número 190, ou à Guarda Municipal, pelo telefone (11) 4492-9060. Não é necessário se identificar.

Fonte: Jornal de Jundiaí

​Read More
Notícias

Periquitos são retirados do ninho e vendidos na internet

Jovem usou redes sociais para anunciar aves silvestres no Facebook (Foto: Reprodução)

Nesta segunda-feira (11) em Ribeirão Preto (SP) dois homens foram apreendidos pela Polícia Militar Ambiental vendendo quatro filhotes de periquito. A venda foi anunciada no Facebook, e as aves seriam vendidas por R$40 cada. Os homens foram autuados e responderão por crime ambiental em liberdade. As aves já foram levadas ao bosque municipal.

A prática ilegal foi informada por um morador numa denúncia anônima, de acordo com o cabo da PM Ambiental Charles Salomão Lopes dos Santos. A abordagem pela polícia foi feita em um dos locais marcados para a entrega das aves, que estavam presas dentro de uma mochila.

Os homens contaram à polícia que as aves da espécie periquito-de-encontro-amarelo foram retiradas de um ninho numa praça em Ribeirão Preto. O dinheiro arrecadado seria para compra de drogas. Eles foram autuados pela prática de maus-tratos e pela venda ilegal. O multa é de R$14 mil para cada um dos homens, porém, eles foram liberados e responderão em liberdade.

Adolescente e maior de idade foram apreendidos com 4 periquitos (Foto: Polícia Militar Ambiental)
​Read More
Notícias

Número de aves silvestres em Manaus (AM) tem diminuído a cada ano, afirma pesquisador

Foto: Divulgação/Inpa
Foto: Divulgação/Inpa

A contagem natalina de aves (Christmas Bird Count) é uma tradição anual que acontece em várias partes do mundo. Em Manaus, ela é realizada há pelo menos 30 anos. Na última quinta-feira (5), um grupo de 15 pessoas, formado por especialistas e leigos, entre eles o pesquisador do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa), o ornitólogo Mario Cohn-Haft, foram a campo para a última etapa da atividade colaborativa.

O evento faz parte do mais longevo exemplo do mundo de ciência cidadã, que conta com a participação da sociedade para contar aves. A atividade teve início em 1900, no Estados Unidos, a fim de conscientizar a população e conter a redução alarmante do número de aves que eram usadas nos chapéus das senhoras elegantes, tanto as penas quantos as aves empalhadas. Outro fator era a caça de aves no período de Natal.

“No ano passado, a contagem de Manaus registrou 125 espécies de aves. E logo saberemos o total para este ano”, diz o pesquisador ao explicar que o período da contagem é de no máximo 24 horas. Começa à zero hora de uma data definida e termina às 23h59 daquele mesmo dia. A Amazônia possui cerca de 1.300 espécies de aves, destas quase 85% (1.100) são encontradas no Amazonas.

Segundo o pesquisador, não é obrigatório utilizar todo este tempo, porém, não se pode extrapolar o período. “A ideia não é só contar todas as espécies, mas também todos os indivíduos”, explica.

Os participantes se dividem em equipes, que cobrem diversas partes da cidade, dentro de uma área circular predefinida de 24 quilômetros de extensão. Na atividade, o círculo de Manaus é composto pelo Distrito Industrial, as matas da Ufam e do Conjunto Acariquara e nos três campi do Inpa, além de áreas no Encontro das Águas, no Careiro e na Ilha da Marchantaria.

Ao todo, são feitas quatro contagens na região, sendo que as três primeiras foram feitas nas reservas do Inpa. A primeira, foi realizada antes do Natal, na Reserva Ducke, a segunda contagem foi feita no último dia 27 de dezembro, na ZF-2 (BR-174), e a terceira, no dia 30 de dezembro, na ZF-3 (BR-174), na área do Projeto Dinâmica Biológica de Fragmentos Florestais (PDBFF), localizada no Distrito Agropecuário da Suframa, cerca de 80 quilômetrros ao norte de Manaus. A quarta contagem iniciou na madrugada desta quinta-feira (5), nas outras áreas do círculo de Manaus. Após a última contagem, os participantes se reúnem, no final do dia, em determinado local para “chamar a lista”.

Cada grupo relata o que registrou para fazer a soma e logo em seguida faz-se a chamada dos animais especiais. Ao longo das próximas semanas, a colaboradora Summer Wilson, que está à frente do evento, em Manaus, fará a compilação dos dados que serão publicados num banco de dados disponível na internet para o mundo inteiro.

Para o pesquisador, a principal observação que se pode fazer ao longo das contagens de Manaus é a prevalência do desmatamento e a urbanização da região. Ele afirma que o número de aves típicas de florestas está diminuindo à medida que a cidade se expande.

“Muitos animais que víamos antes não são mais vistos”, lamenta. “Enquanto que algumas espécies, típicas de ambientes abertos, como o quero-quero (Vanellus chilensis), um tipo de maçarico conhecido em quase todo o Brasil, menos na Amazônia e que agora está invadindo a região acompanhando o desmatamento”, acrescenta. Cohn-Haft explica que os dados são disponibilizados de todas as contagens, de todos os tempos e de todo o mundo.

“Então, o potencial de alguém usá-las para entender as tendências populacionais e diferenças entre uma região e outra é infinito”, diz. “As pessoas que fizeram as contagens, muitas pessoas leigas que gostam de observar pássaros, não precisam fazer também as análises. Os dados são doados para um banco de dados comum e disponível online. Por isso é chamada de ciência cidadã”, ressalta.

O pesquisador destaca também que existem publicações com os dados da América do Norte traçando as tendências populacionais de espécies daquela região e mostram com clareza as espécies que estão diminuindo em número, outras que estão se expandindo e as que sofrem flutuações, como as araras-canindé (Ara ararauna), pois não se sabe a frequência desse fenômeno de invasão dessas aves na cidade.

“Certamente é um fenômeno raro, mas pode ser que tenha uma ciclicidade e aconteça de novo. Não sabemos o intervalo e nem as causas. Talvez quando tivermos cem ou duzentos anos desses dados pra cá poderemos ver o padrão. Quero dizer com isso que ter dados de longo prazo é importante”, destaca Cohn-Haft.

Segundo ele, um dado marcante das contagens deste ano foram as chuvas. Todas as três contagens até agora sofreram com as chuvas. “Tivemos números baixos de aves e permanência em campo por pouco tempo por causa do clima. Mas faz parte e constam no banco de dados, não só as espécies, mas quantas horas, quantas pessoas participaram e quantas horas tivemos de chuvas ou de sol”, diz.

Contagem Natalina

O evento teve início em 1900, na cidade de Nova Iorque, nos Estados Unidos. Foi uma ideia de um ornitólogo famoso na época, Frank Chapman, curador de aves do Museu Americano de História Natural. “Ele gostava de divulgar ciência e envolver o grande público em pesquisa. Começou como uma atividade entre amigos, na época de Natal, que era contar pássaros”, explica o pesquisador. “No norte da América do Norte, a maioria das aves que se reproduzem no verão são migratórias e somem no inverno”, diz Cohn-Haft.

O pesquisador explica que a ideia era ver quais aves ainda estavam por lá, no final de dezembro naquela região. Os amigos se reuniam e saiam para contar os pássaros. No final do dia, todos se encontravam e relatavam o que tinham encontrado. O que começou como uma diversão e continua divertindo os participantes, até hoje, mostrou-se com tempo uma fonte de dados importante.

Segundo Cohn-Haft, a ideia da contagem natalina de aves se alastrou pelo mundo todo e, no Brasil, acontece em Manaus desde os anos 80. A iniciativa foi do Dr. Rob Bierregaard, primeiro diretor científico, na época, do PDBFF, que já fazia a contagem nos EUA e iniciou a atividade na cidade.

Hoje, a contagem tem à frente a pesquisadora Summer Wilson, colaboradora da Coleção de Aves, onde o pesquisador do Inpa Mario Cohn-Haft trabalha.

Fonte: Portal Amazônia

​Read More
Notícias

Animais silvestres se recuperam e são devolvidos à natureza em MG

animais silvestres
Um urubu também foi devolvido à natureza junto com outros animais silvestres | Foto: Divulgação / Camilo Marcelino

A Polícia Militar de Meio Ambiente realizou no início da manhã dessa quarta-feira (21) a soltura de 13 animais silvestres em Uberlândia (MG). Oito canários da terra, dois curiós, dois azulões e um urubu foram devolvidos à natureza.

Todos eles estavam em tratamento e receberam alta do Laboratório de Pesquisa em Animais Silvestres da Universidade Federal de Uberlândia (Lapas-UFU). De acordo com sargento Eduardo Venâncio, alguns destes animais que receberam alta são oriundos de resgates, outros foram encontrados feridos ou doentes e também há animais que foram para o Hospital Veterinário ainda filhotes, depois serem encontrados no setor urbano de Uberlândia.

Ainda segundo Venâncio, o local escolhido pelos militares para a soltura dos animais foi uma reserva florestal de cerrado, com abundância de comida, água e abrigo, onde os animais terão grande chance sobrevivência e o risco de migrarem para centros urbanos minimizados.

Ele ainda disse que “quem mata, persegue, caça, apanha, ou utiliza espécimes da fauna silvestre, nativos ou em rota migratória, sem a devida permissão, licença ou autorização da autoridade competente, ou em desacordo com a obtida, pode ser preso em flagrante delito conforme artigo 29 da Lei Federal 9605/98 “Leis dos Crimes Ambientais” que prevê uma Pena – detenção de seis meses a um ano, e multa”, afirmou Venâncio.

Fonte: Correio de Uberlândia

​Read More
Notícias

Criminosos são detidos com seis cabeças de onça-pintada em zona rural de Curionópolis (PA)

Foram encontradas cabeças de cinco onças pintadas e uma de onça Suçuarana ( Ascom/PC)
Foram encontradas cabeças de cinco onças-pintadas e uma de onça Suçuarana ( Ascom/PC)

Uma denuncia anônima levou a polícia a um comércio de fachada para a fabricação e venda de armas clandestinas no bairro Centro, na zona rural de Curionópolis, sudeste do Pará, onde foi constatado um crime à fauna brasileira.

No local, as equipes das policias civil e militar encontraram cabeças de cinco onças-pintadas e uma onça suçuarana, guardadas em um freezer, além de carcaças de jacarés. Aves silvestres mantidas em cativeiro também foram resgatadas no local.

A operação mobilizou equipes do 23º Batalhão, Grupamento Tático Operacional (GTO) e Batalhão de Policiamento Rodoviário (BPRV). No primeiro local alvo da ação os policiais encontraram uma fábrica clandestina de armas que funcionava nos fundos de uma serralheria e onde foram apreendidas 42 espingardas desmontadas de vários calibres, 12 espingardas montadas, um revólver calibre 38 desmontado e a quantia de R$ 807.

“O levantamento foi feito pelo setor de inteligência e os procedimentos ainda estão em curso. Este é apenas o balanço parcial. Ainda estamos fazendo a apresentação do restante do material apreendido”, informou o subcomandante do 23º Batalhão, major Alan Silva.
Até agora, três pessoas foram detidas. O caso está sendo apurado pela Delegacia de Parauapebas.

Fonte: G1

​Read More
Notícias

Aves silvestres são contrabandeadas dentro de garrafas plásticas

Divulgação
Divulgação

Milhares de animais em todo o mundo morrem nas mãos de caçadores furtivos. Essas pessoas não se preocupam com o fato de muitas vezes tirarem a vida destes seres vivos. Seu principal objetivo é tão somente o lucro. Só nisso que pensam e só isso o que vale. Através de marfim ou peles de animais, quanto maior e mais raro o animal, maior o lucro.

Recentemente, os funcionários aduaneiros da Indonésia testemunharam mais um abuso com os animais por parte desses “comerciantes”.

Os criminosos tentaram contrabandear através da fronteira várias dezenas de papagaios raros (cacatuas), em garrafas plásticas de 1,5 litros. Os criminosos ganhariam cerca R$2.500, por cada ave.

Divulgação
Divulgação

Apenas a ponta do Iceberg
O mercado negro de animais tem um lucro anual de mais de R$70 bilhões. Imediatamente após a descoberta do contrabando das aves, elas foram encaminhadas para as mãos de veterinários que deram os primeiros socorros e depois as libertaram.

05
Divulgação
07
Divulgação

Fonte: Universo Inteligente

​Read More
Notícias

Polícia resgata filhote de arara e outras aves silvestres no Distrito Federal

Divulgação
Divulgação

Durante patrulhamento no Gama nesta sexta-feira (22/7), a Polícia Militar do Distrito Federal (PMDF) encontrou um filhote de arara dentro de uma caminhonete estacionada próxima à Avenida São Francisco, no condomínio Ponte Alta Norte.

O motorista do veículo foi questionado pelos militares e confirmou que criava outra aves. Na casa do suspeito, a corporação localizou mais três aves silvestres. Os policiais o encaminharam à 20ª Delegacia de Polícia (Gama).

As espécies foram levadas para o Batalhão de Polícia Militar Ambiental (BPMA), na Candangolândia, e, de acordo com a PMDF, os animais não estavam feridos.

Fonte: Metrópoles

​Read More
Notícias

Polícia Rodoviária Federal flagra casal com mais de 100 aves silvestres em carro no interior do Piauí

19
Divulgação

Na manhã desta segunda-feira (16), em Bom Jesus (PI), policiais rodoviários federais abordaram o veículo GM Classic. Durante a vistoria ao interior do carro, os PRFs encontraram 106 aves silvestres em diversas gaiolas (102 canários da terra, 02 trincas de ferro e 02 curiós).

Indagados os dois ocupantes, o passageiro alegou que estava trazendo os pássaros de Brasília para supostamente soltar em uma Fazenda no Piauí. A informação não condiz com a realidade encontrada, uma vez que os animais estavam sendo transportados por uma distância muito longa em pequenas gaiolas e caixas, inclusive algumas envoltas por sacos.

As aves foram resgatadas para encaminhamento ao IBAMA, o homem foi preso e a ocorrência encaminhada à Delegacia local.

Fonte: 180 Graus

Nota da Redação: Como nós, os animais nasceram para viver livremente. Manter um animal engaiolado é um dos crimes mais cruéis do ponto de vista ético. Infelizmente as nossas leis ainda permitem que algumas espécies de aves sejam caçadas, comercializadas e aprisionadas apenas para satisfazer a ganância e os desejos inconscientes e cruéis de algumas pessoas. Não podemos mais aceitar calados este tipo de prática como também todas as outras que tratam os animais apenas como mercadoria ou objeto de decoração. As leis precisam avançar e proibir qualquer forma de manutenção de animais em cativeiroPRF, .

​Read More
Notícias

Suspeito de tráfico de aves silvestres é preso em rodovia do DF

Gaiolas com canários apreendidos pela PM na DF-180, em Samambaia (Foto: Polícia Militar/Divulgação)
Animais foram resgatados pela PM na DF-180, em Samambaia (Foto: Polícia Militar/Divulgação)

Um homem foi preso suspeito de contrabandear canários-da-terra na tarde desta segunda-feira (28), em Samambaia, no Distrito Federal. Ele foi detido às margens da DF-180 com 18 aves silvestres em duas gaiolas. Um rapaz que estava com ele fugiu com a chegada da Polícia Militar.

Os dois envolvidos deixaram as gaiolas no chão e correram quando os policiais se aproximaram. O canário-da-terra está entre as dez espécies mais encontradas pelo Ibama. Cada ave pode custar até R$ 125.

A PM conseguiu identificar o outro suspeito, que permanecia foragido até a publicação desta reportagem.

O homem detido tem 28 anos e foi encaminhado à 23ª DP, em Ceilândia. Ele deve responder por tráfico de animais, crime que prevê pena de seis meses a um ano de prisão e pagamento de multa.

Fonte: G1

Nota da Redação: Como nós, os animais nasceram para viver livremente. Manter um animal engaiolado é um dos crimes mais cruéis do ponto de vista ético. Infelizmente as nossas leis ainda permitem que algumas espécies de aves sejam caçadas, comercializadas e aprisionadas apenas para satisfazer a ganância e os desejos inconscientes e cruéis de algumas pessoas. Não podemos mais aceitar calados este tipo de prática como também todas as outras que tratam os animais apenas como mercadoria ou objeto de decoração. As leis precisam avançar e proibir qualquer forma de manutenção de animais em cativeiro.

​Read More