De olho no planeta

Aumento do volume dos mares poderá inundar mais de 300 mil residências nos EUA

Centenas de milhares de lares nos Estados Unidos podem enfrentar enchentes à medida que as mudanças climáticas elevam o nível do mar, segundo um novo relatório.

Cerca de 550 mil americanos vivem em propriedades sob risco de serem abandonadas, uma vez que as inundações reduzem os valores das propriedades.

O aumento do volume dos mares é uma das consequências do aquecimento global
(Foto: BBC)

O aumento do nível do mar é um dos efeitos mais tangíveis de um clima em mudança. A acumulação de gases de efeito estufa na atmosfera ocasiona um aumento constante nas temperaturas globais que, por sua vez, derretem geleiras e elevam o nível dos oceanos, ameaçando áreas baixas e costeiras.

Um novo relatório da Union of Concerned Scientists quantificou o risco, comparando áreas já conhecidas como de alto risco de inundação com dados do site imobiliário Zillow.

O resultado: mais de 300 mil casas nos litorais da América do Norte podem enfrentar enchentes crônicas até 2045. Essas estruturas atualmente abrigam cerca de 550.000 pessoas.

Mesmo antes de as casas estarem totalmente submersas, constatou o relatório, a queda dos valores das propriedades poderia levar os proprietários a abandoná-las e potencialmente bairros inteiros se tornarão efetivamente inabitáveis, “com potenciais reverberações em toda a economia nacional”.

“Com a inevitabilidade de mares cada vez mais altos, esse não é o tipo de desvalorização que os mercados imobiliários conseguem se recuperar”, alertou o relatório.

Mas os autores do relatório alertam que muitos mercados imobiliários não levam em conta os eventos climáticos, é continuam a vender propriedades que podem enfrentar enchentes regularmente.

Além das casas em risco de inundação, o relatório constatou que cerca de 14.000 propriedades comerciais com um valor coletivo de US $ 18,5 bilhões estão na zona de perigo.

Estendendo a análise para 2100, as consequências prováveis ​​se tornam ainda mais terríveis: cerca de 4,7 milhões de pessoas poderiam morar em casas vulneráveis ​​a enchentes, com a Flórida, Nova York e Nova Jersey mantendo os maiores números.

As autoridades devem responder com políticas que buscam limitar as emissões de gases do efeito estufa e ajudar as comunidades costeiras a se preparar para o aumento das inundações, insiste o relatório.

“No nível local, as comunidades costeiras não devem mais permitir obras que não possam acomodar a elevação do nível do mar”, disse o prefeito de Miami, Philip Stoddard, aos autores do relatório.

Mas Michael Berman, especialista em habitação e risco de enchentes que assessorou o governo federal na política de habitação, alertou que os formuladores de políticas demoraram a reconhecer a ameaça.

“O pensamento de curto prazo e uma visão simples do mundo tendem a prevalecer em nossa cultura, incluindo nossas culturas políticas e empresariais”, disse Berman. “Não há quase nada sendo feito pelos formuladores de políticas em muitas partes vulneráveis ​​dos Estados Unidos nas áreas que correm risco de inundações”.

​Read More