Notícias

Auditoria em jóqueis encontra cavalos feridos e com sinais de estresse

Oito jóqueis clubes do país, que exploram cavalos para entretenimento humano, foram foco de auditoria do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa). A fiscalização encontrou 170 irregularidades. De acordo com a chefe da Divisão de Bem-Estar Animal e Equideocultura do Mapa, Liziè Buss, “a maior parte das inconformidades verificadas nos animais foi de cavalos com movimentos repetitivos ou estranhos à espécie, gerados por estresse, além de ferimentos no corpo e no canto da boca, por uso incorreto do freio”.

Foto: Pixabay

E apesar dos cavalos estarem bem nutridos e terem baias com tamanho e forragem para a cama adequados, foram encontradas também cicatrizes nos corpos deles “indicativas de problemas no manejo, que deixaram os animais agitados, além de falhas de manutenção das instalações e uso inadequado de equipamentos de equitação”.

O objetivo da fiscalização é elaborar normas de boas práticas agropecuárias para os jóqueis, com a inclusão de exigências específicas em relação ao bem-estar animal. As informações são do Paraná Portal.

Atualmente, 1.657 cavalos vivem em jóqueis. Na auditoria, 167 foram avaliados. No país, há 15 jóqueis com autorização para realizar apostas em corridas de cavalo. O do Rio de Janeiro, que foi vistoriado pelo Mapa, tem 963 cavalos, sendo considerado o estabelecimento com mais animais.

Em 2018, foram realizadas 1.294 corridas, que movimentaram R$ 150,2 milhões em apostas.

Nota da Redação: as corridas de cavalos são práticas exploratórias que, conforme constatou a auditoria do Mapa, condenam esses animais a sofrimento. Forçados a realizar atividades anti-naturais, que não seriam realizadas pelos cavalos por conta própria, esses animais são explorados para entretenimento humano. Eles suportam estresse, acabam feridos e são condenados a uma vida miserável, na qual são tratados como objetos para gerar lucro e divertir a população.

​Read More