Notícias

Ave morre após ter asa cortada por linha de pipa no litoral de SP

Fragata se recupera na sede do IPeC após ser machucada por linha de pipa em Ilha Comprida (SP) — Foto: Divulgação/IPeC

Uma ave fragata, conhecida por sobrevoar praias em busca alimentos, foi vítima de uma linha de pipa enquanto sobrevoava a praia de Ilha Comprida, no litoral de São Paulo. A linha cortou a asa da ave que, apesar de ter sido socorrida por equipes do Instituto de Pesquisas Cananéia (IPeC), não resistiu aos ferimentos. Nesta temporada, três aves já foram cortadas por linhas em Ilha Comprida.

As fragatas são aves marinhas que vivem no litoral e, geralmente, são encontradas sobrevoando praias e estuários em busca de peixes para se alimentar. A ave foi socorrida por equipes do IPeC no dia 2 de janeiro, na praia próximo ao bairro Boqueirão Norte, onde existe a maior concentração de turistas nesta época do ano.

Segundo a bióloga e coordenadora do Projeto de Monitoramento de Praias da Bacia de Santos, Daniela Ferro de Godoy, a fragata foi ferida por uma linha de pipa. “Nesta época, muita gente fica soltando pipa próximo à praia e pode enroscar em alguma ave, pois essa espécie fica sobrevoando o mar em busca de peixes. Ainda não sabemos se a linha continha cerol, mas ela foi ferida na asa e trouxemos para tratamento no Instituto”, explica.

Apesar do atendimento, a ave morreu no dia seguinte por conta do ferimento e a perda de sangue consequente. Além dessa, outras duas aves da mesma espécie foram socorridas com cortes nas asas nas praias de Ilha Comprida. Todos, de acordo com o IPeC, causados por linhas de pipa. Elas estão em tratamento na sede do instituto, mas há dúvida sobre a reabilitação completa dos animais.

“Fizemos sutura nos machucados das aves e estamos tratando com antibióticos e analgésicos. Elas estão reagindo muito bem ao tratamento, mas ainda não sabemos se elas voltarão a voar. Por conta da envergadura das asas da espécie, é difícil voltar a ficar perfeito para que ela possa voar novamente”, conta.

Por isso, a bióloga faz o alerta para turistas e moradores que costumam soltar pipa. “Às vezes, as pessoas não têm noção do dano que podem causar. Peço que evitem empinar pipas próximo à aves e animais para evitar esses acidentes”, finaliza.

Fragatas

A fragata (Fregata magnificens) é uma ave da família Fregatidae e se destaca pela envergadura das asas, que podem medir até 2 metros. Ela chega a medir cerca de 98 centímetros e pesa aproximadamente 1,5 kg. A plumagem é preta e o papo, vermelho. Na época de reprodução, o macho infla o papo para atrair a fêmea. Diferente do macho, a parceira é preta e tem o peito branco.

Elas se alimentam de peixes mas, diferente de outras espécies, não mergulham para fisgá-lo. Elas sobrevoam próximo à linha d’água e pegam o peixe com o bico. Elas também esperam outras aves mergulharem e, depois, tentam roubar o peixe.

IPeC

O monitoramento, resgate e reabilitação de animais marinhos são algumas das atividades realizadas pelo IPeC dentro do Projeto de Monitoramento de Praias da Bacia de Santos (PMP-BS), que é uma atividade desenvolvida para o atendimento de condicionante do licenciamento ambiental federal das atividades da Petrobras de produção e escoamento de petróleo e gás natural no Polo Pré-Sal da Bacia de Santos, conduzido pelo Ibama.

Esse projeto tem como objetivo avaliar os possíveis impactos das atividades de produção e escoamento de petróleo sobre as aves, tartarugas e mamíferos marinhos, por meio do monitoramento das praias e do atendimento veterinário aos animais vivos e necropsia dos mortos.

Fonte: G1

​Read More
Notícias

Urubu tem a asa cortada após ser ferido por linha com cerol em Santos (SP)

Foto: Mariane Rossi/G1
Foto: Mariane Rossi/G1

Um urubu teve a asa cortada após ser atingido por uma linha com cerol em Santos, no litoral de São Paulo. Ele foi resgatado por profissionais de uma clínica veterinária onde passa por tratamento. A reabilitação do animal deve durar de um a dois meses.

O urubu foi encontrado caído na calçada entre a rua Oswaldo Cochrane e a avenida Afonso Pena na noite do último domingo (7). Na segunda-feira (8), os moradores do bairro ligaram para a Codevida, que orientou os mesmos para entrar em contato com o Orquidário de Santos que pediu para comunicar a Polícia Ambiental. Segundo os moradores, a Polícia Ambiental orientou ligar para a Codevida. Nenhum dos órgãos foi buscar o animal.

O médico veterinário Eduardo Ribeiro Filetti foi até o local resgatar o urubu. Segundo ele, o animal estava com uma das asas ferida. “Dava para ver bem o corte com o cerol. Trouxemos para cá (clínica).Uma das asas foi cortada e ele também teve uma fratura na asa.”, conta Filetti. De acordo com o veterinário, o animal está tomando antibiótico e antinflamatório, está tendo uma alimentação a base de proteína e vitamina, além de repousar.

Segundo Filetti, o urubu ferido é macho e tem, aproximadamente, dois anos de idade. Ele está em um local separado da clínica e sendo cuidado por outros veterinários que já lidaram com urubus feridos em outras situações. “A gente acredita que entre um mês e meio ou dois ele vai estar apto a voar de novo”, diz ele.

O departamento veterinário do Orquidário de Santos informa que o atendimento a animais silvestres só pode ser realizado mediante encaminhamento da Secretaria estadual de Meio Ambiente, Polícia Ambiental ou Ibama, verificando-se ainda a disponibilidade de vaga no setor.

Urubu

O médico veterinário diz que o urubu faz parte do nosso ecossistema, já que se alimentam de materiais em decomposição, são fundamentais para auxiliar na limpeza das cidades e a manutenção do equilíbrio ecológico do meio ambiente.

Fonte: G1

 

​Read More
Notícias

Maritacas engaioladas e com asas cortadas são apreendidas em Bauru (SP)

Duas maritacas foram encontradas engaioladas e com as asas cortadas na tarde de ontem (21), no Núcleo Nobuji Nagasawa, em Bauru. Os pássaros estavam numa residência na rua Antônio Maceri. A Polícia Ambiental foi até o local por meio de uma denúncia anônima, que indicou o paradeiro das maritacas.

O caso foi levado até a delegacia e uma mulher de 39 anos, responsável pelas aves, foi autuada e responderá por crime ambiental de maus-tratos. De acordo com a Polícia Ambiental, as maritacas seriam, provavelmente, encaminhadas ao Ibama.

Fonte: JCNet

​Read More