Notícias

Cães são encontrados desnutridos e com as orelhas cheias de carrapatos

A mídia local disse que os cães eram de um caçador e um porta-voz do abrigo acrescentou que uma queixa de maus-tratos foi apresentada às autoridades locais 


CEN/@alberguevalecollino

Recentemente, cães famintos com orelhas cheias de carrapatos foram resgatados após serem encontrados abandonados em uma caverna na ilha turística de Tenerife, maior das ilhas Canárias espanholas, perto da costa da África Ocidental.

Policiais e oficiais da guarda civil na área de San Cristobel de La Laguna, em Tenerife os levaram ao abrigo de animais, o Albergue Comarcal Valle Colino, com um porta-voz da guarda civil dizendo que os animais estavam vivendo no ‘inferno’.

Três dos cinco cães possuíam microchips (para localização do tutor) e estavam expostos ao sol quente sem comida e água. A mídia local disse que os cães eram de um caçador e um porta-voz do abrigo acrescentou que uma queixa foi apresentada às autoridades locais a fim de encontrar o tutor dos animais e fazê-lo responder pelos maus-tratos.

As imagens registradas mostraram um dos cães olhando para os socorristas através de uma cerca de metal, com as orelhas completamente cheias de carrapatos. Já outras imagens registraram os cães com costelas e ossos da perna claramente visíveis.

CEN/@alberguevalecollino

Atualmente, os animais continuam sendo tratados no abrigo e os veterinários esperam que eles fiquem saudáveis em três meses, para que posteriormente, sejam adotados.


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


 

​Read More
Notícias

Médico veterinário é acusado de maus-tratos e violência contra animais

Daniel Koller teve a sua licença suspensa diversas vezes por agressões e mortes


Animais abusados pelo médico/ Ny Times

Andres Figueiroa, tutor de Bleu, um cão da raça Dachshund de sete meses, foi surpreendido pelo atendimento que recebeu de um veterinário em uma clínica nos arredores de Portland, em Oregon (EUA). Após sofrer uma lesão em uma perna, Bleu foi levado até uma clínica onde foi atendido pelo médico veterinário Daniel Koller. Durante a consulta, o cão tentou morder o veterinário, que o agarrou pela boca e pelo tronco até que defecasse sobre a mesa. Bleu também foi erguido pelo focinho até perder a consciência.

Figueroa recuperou o cão e deixou a clínica mas, no dia seguinte, Bleu foi diagnosticado com líquido nos pulmões e teve morte induzida. Koller culpou Figueroa por não informar que o animal poderia mordê-lo. O comportamento do veterinário foi registrado em boletim de ocorrência e só então Figueroa soube das várias reclamações que recaem sobre o veterinário por órgãos reguladores de dois estados, clientes e funcionários.

Em exercício tanto na Califórnia quanto em Oregon nos últimos 30 anos, Koller enfrentou uma acusação criminal de crueldade contra animais apenas três anos depois de obter sua licença em 1974. Ele teve sua licença revogada por essa e outras acusações de abuso em 1979, restaurada em 1984 e suspensa novamente em 2001. Nos anos 80, Koller construiu uma rede de clínicas veterinárias de baixo orçamento no Oregon, onde também enfrentou uma nova rodada de acusações.

Médico Daniel Koller/ Ny Times

Em entrevista ao The New York Times, oito clientes detalharam os abusos praticados nas clínicas de Koller nos últimos quatro anos. Um dos relatos é de que o veterinário sufocou um filhote durante atendimento. Em outros casos, os cães foram submetidos à cirurgia e acabaram morrendo. Em um memorando de 2015 desenvolvido para autoridades do Oregon, Koller afirma que mantinha altos padrões de atendimento e citou o apoio de vários veterinários, que disseram ser um excelente médico e uma pessoa carinhosa que defendia pessoas de baixa renda.

Espancamento e morte

Grande parte dos casos contra Koller tratam de agressão a cães em um hospital de animais nos arredores de Monterey. Um juiz de direito administrativo da região relatou que uma mulher levou o cão para tratamento de uma lesão na perna em uma das clínicas de Koller, onde o animal foi agredido com as mãos e os pés do médico até perder a consciência. Mais tarde, os funcionários encontraram o cão no freezer usado para armazenar animais mortos, de acordo com os documentos do conselho veterinário. Um júri condenou Koller por crueldade animal nesse caso, mas a pena foi de apenas 100 dias de prisão.

Outros casos judiciais

Em 2004 várias mulheres apresentaram uma queixa de 79 páginas ao conselho veterinário do Oregon, detalhando o tratamento de Koller com os animais, falta de supervisão de estagiários e erros que levaram à morte de animais domésticos. Koller contestou a queixa citando testemunhos contrários oferecidos por outros funcionários. No entanto, as alegações de abuso foram comprovadas.

Em 2008, a licença do veterinário foi suspensa mais uma vez pelo uso de drogas ilegais e revogada em 2010. Em 2015, Koller conseguiu recuperar sua licença, mas os casos de abusos continuaram. Em 2018, o conselho lhe aplicou uma multa de 1500 dólares por tentar matar um gato. De lá para cá, os tutores continuaram a apresentar queixas sobre o manuseio inadequado dos animais e mortes inesperadas durante cirurgias.

De acordo com Lori Makinen, diretora executiva do Conselho de Medicina Veterinária do Oregon, as fiscalizações e penalizações para profissionais de medicina humana e medicina veterinária “não podem ser comparadas porque a sociedade não valoriza tanto a vida de um animal e, segundo a lei, os animais são considerados propriedade”.


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


 

​Read More