Notícias

Artista explora galinhas para filosofar sobre a banalidade da vida

Imagem: Flickr

Por Lobo Pasolini (da Redação)

O mercado de arte funciona como o mercado de ações: quando um setor está em alta, todo mundo investe.

Infelizmente uma das tendências mercadológicas atuais de artistas de pseudo-vanguarda que querem chocar é usar animais e violência contra eles ou elas em suas exposições.

Ouvimos falar do colombiano que deixou um cachorro passar fome em uma exposição. Depois veio o francês que mostrou vídeo de animais sendo marreteados no México. E mais recentemente no Brasil Nuno Ramos teve que remover os urubus da Bienal de São Paulo que ele insistiu em explorar em exposição.

Victor de La Rocque se especializa em galinhas, que ele explora em performances, e já chegou amarrar várias delas no próprio corpo. Segundo Victor, a galinha “é o símbolo de uma perturbação com a brutalidade desmedida, habitual.”

Ele segue agora para Bogotá onde estará explorando galinhas no festival Trampolin Itinerante. Ele atravessará a rua com uma galinha para “esvaziar uma atitude cotidiana”. Ele levará uma galinha a igreja e depois colocará ovos no seu próprio ânus para depois pô-los em “analogia ao modo como as galinhas o fazem”.

Não importa o tipo de arte que se faz. Performance já produziu trabalhos belíssimos nas mãos de Yoko Ono e Marina Abramovic, mas o que Victor de La Rocque faz parece ser, literalmente, o caso de alguém que ouviu o galo cantar mas não sabe aonde.

Usar animais vivos em arte é errado porque o animal não tem opção e provavelmente será machucado, física ou psicologicamente, para o benefício de um ser humano que se acha superior a ele ou ela.

Se Victor quer chocar de verdade, ele deveria usar apenas seu próprio corpo como instrumento. Galinha choca apenas por seus filhotes.

Com informações do Diário do Pará

​Read More
Notícias

A legalização da exploração de animais em exposições de arte precisa acabar

Por Lobo Pasolini  (da Redação)

Esta semana uma das histórias que acenderam o debate na arena dos direitos animais foi a presença de três urubus em uma instalação da Bienal de São Paulo feita por Nuno Ramos. Os urubus ficam confinados em um viveiro grande com música alta e obviamente objetificados como meros elementos de cena em um projeto de alguém completamente irrelevante para eles.

Em uma entrevista ao programa de TV do Jô Soares, Nuno disse que demorou dois anos até encontrar as aves, já que elas são protegidas por lei. Ele finalmente se deparou com um treinador de falcões em Sergipe que criava os urubus e, como eles nasceram em ‘cativeiro’, o Ibama deu licença para o uso dos animais. Ou seja, Nuno efetivamente procurou um buraco na lei para poder levar a cabo seu projeto.

Em relação a esse detalhe técnico, está na hora de o Ibama parar com esse legalismo e se dar conta de que o problema não é se o animal nasceu em cativeiro ou não. Para eles isso é irrelevante. O problema é explorar animais, ponto final. Animais não são coisas que podem ser postas a serviço da vaidade de uma pessoa, independente do suposto ‘bem-estar’ pelo qual a organização diz zelar. Como o Ibama pretende acabar com o tráfico de animais enquanto apoia a exploração destes é um mistério para mim.

A instalação tem o nome de ‘Bandeira Branca’ e fica no vão central do prédio da Bienal. A maior parte, inclusive telas, é feita com material escuro, e os animais convivem permanentemente com o som de músicas como ‘Carcará’, ‘Bandeira Branca’ e ‘Acalanto’, com muitos alto-falantes instalados em caixas de vidro.

Não é a primeira vez que Nuno Ramos explora animais em benefício próprio. Em 2006, ele usou  burros em uma instalação onde os animais eram obrigados a portar grandes caixas acústicas amarradas no seu lombo. A instalação foi exibida no Instituto Tomie Ohtake.

Ativistas já se mobilizaram e estão protestando contra mais esse caso de arrogância e falta de ética. A questão aqui não é censura. O artista tem o direito de fazer o que quer, se expressar livremente, mas com certeza ele não tem direito de causar sofrimento e reforçar a opressão. Imagine se para tratar de um tema como o estupro de mulheres, digamos, o artista tenha que reproduzir uma cena real em sua instalação ou filme? Animais podem ser usados na arte, desde que como representação e não forçados a participar de algo que para eles não tem significado algum.

A legislação ambiental, inclusive a Lei de Crimes Ambientais, em seu Art. 32 criminaliza quem pratica abusos, maus-tratos, fere ou mutila animais.

“Os animais evidentemente não estão em situação de bem-estar, não têm liberdade nem para se esconder e se alimentar. Essas aves, na natureza, recolhem-se ao final da tarde. A arte, a meu ver, não pode ser cega para o sofrimento e os incômodos causados a qualquer forma de vida”,  disse o vereador Roberto Trípoli.

Criticar obras de arte baseadas no sofrimento de animais não é um ato de repressão e censura, como alguns detratores podem querer alegar. Um artista, por mais iconoclasta ou rebelde que seja, jamais cogitaria a possibilidade de explorar um ser humano em uma instalação. Se ele considera a possibilidade de explorar um animal como algo aceitável, é porque ele não tem a capacidade de analisar seu próprio preconceito contra outras espécies; ele não consegue transpor sua própria atitude antropocêntrica. Ou seja, por trás de um verniz de vanguarda, ele na verdade é um conservador.

Em tempo: no Rio de Janeiro o uso de periquitos em uma instalação na artista Rosana Palazyan na casa França-Brasil, onde os animais seriam usados para ler a sorte dos visitantes, foi proibida pela Secretaria Especial de Promoção e Defesa dos Animais com base na lei 3.402 de 22 de maio de 2002. Mais uma vez o Ibama havia dado autorização para essa exploração dos animais, mas felizmente o bom senso  prevaleceu. Esperamos que o mesmo aconteça no caso dos urubus da Bienal.

​Read More