Notícias

Pit bull explorada em lutas agradece família que lhe ofereceu uma nova vida

Redação ANDA – Agência de Notícias de Direitos Animais

Foto: ASPCA

É muito triste tentar imaginar como seria a vida de Franny se ela não tivesse sido resgatada de um anel de combate em dezembro de 2016. Certamente, seria breve e sem amor.

Porém, sua vida teve uma reviravolta quando autoridades invadiram a operação de lutas de cães onde Franny estava presa com 150 outros cachorros.

Ela foi levada para o ASPCA Behavioral Rehabilitation Center em Madison, New Jersey, em janeiro.

Foto: ASPCA

No passado, os cães encontrados nessas operações frequentemente tinham a morte induzida, mas as pessoas estão começando a perceber que eles podem ser reabilitados.

“Há 10 anos, era comum que os cães salvos em casos de lutas fossem imediatamente mortos devido à percepção de que eles são intrinsecamente agressivos e perigosos”, diz Matt Bershadker, presidente e CEO da ASPCA.

“Agora o comportamento de cada cão é avaliado individualmente para determinar opções apropriadas de realocação”, acrescenta.

De acordo com a ASPCA, o caso Michael Vick provocou uma mudança e especialistas em comportamento animal recomendam que os cães salvos dos combates tenham uma chance de reabilitação.

Foto: ASPCA

“O caso de Michael Vick demonstrou que a crueldade aos animais tem acontecido com mais regularidade e em mais lugares do que a maioria das pessoas percebe”, afirma Bershadker ao The Dodo.

“Porém, também foi instrumental em trazer avanços substanciais em nosso esforço e capacidade de combater as lutas de cães”, completa.

Há uma década, 51 pit bulls foram retirados do celeiro escondido atrás da casa do quarterback da NFL. Depois disso, uma maior conscientização e compreensão dos cães forçados a lutar literalmente salvou vidas.

Foto: ASPCA

Franny, por exemplo, que poderia ter sido morta anos atrás, conheceu pessoas no centro de reabilitação que acreditavam em sua recuperação e ela não estava sozinha.

Outras vítimas de crueldade e negligência, resgatadas de outros ringues de combate de cães, assim como de açambarcamento e fábricas de filhotes, também estavam no centro de reabilitação, aprendendo a confiar novamente nas pessoas para que pudessem encontrar lares amorosos.

Foto: ASPCA

Franny completou o programa em poucas semanas e foi levada para Rescuzilla, um grupo de resgate em Hoboken, New Jersey (EUA). “Embora Franny possa ser um pouco tímida no início, ela adora aprender coisas novas e trocar carinhos com seus  familiares e pessoas favoritas”, relata Schneider.

Franny também ama beijar sua tutora adotiva enquanto aguarda por seu lar definitivo.

“Franny se sairia melhor em uma casa calma com uma tutora que continue a ajudá-la enquanto ela aprende a desfrutar da boa vida”, observa Emily Schneider, diretora de mídia e comunicação da ASPCA.

Foto: ASPCA

O lar ideal para Franny não é o que as pessoas poderiam esperar, considerando o seu passado em um anel de luta de cães. Franny realmente ama outros cães.

“Franny preferiria viver com um companheiro canino, se possível, ou pelo menos ter alguns amigos para socializar constantemente”, disse Schneider.

​Read More