Notícias

Husky siberiano morre durante voo da Air France

Foto ilustrativa | Pixabay

O amor de muitos tutores por seus animais domésticos é tão grande que eles não conseguem imaginar que ficarão alguns dias sem vê-los. O problema é que muitas vezes essas viagens em família não saem como o planejado. A cada dia o número de incidentes com animais transportados por companhias aéreas cresce assustadoramente.

O caso mais recente é o de um husky siberiano que morreu dentro do porão de carga de um voo da Air France-KLM que saiu de Amsterdã com destino a Los Angeles, na última terça-feira (19).

Supostamente, o cão teria morrido por falta de oxigênio. Um trabalhador da Air France disse ao site TMZ que o husky havia sido transportado de forma inadequada na aeronave e acabou perdendo oxigênio durante o voo sem escalas que durou 10 horas e 45 minutos.

O voo 601 da Air France pousou em Los Angeles às 12h35 e quando a tutora do animal foi a um armazém no aeroporto para pegar seu cão, ela o encontrou sem vida. As informações são do Daily Mail.

Regras de transporte

A Air France permite que os passageiros transportem um cão ou um gato com menos de 8 quilos na cabine, desde que o animal tenha pelo menos 10 semanas de idade e possua todos os outros requisitos necessários.

Os viajantes que voam em classe executiva em voos intercontinentais não podem manter seus animais na cabine, independentemente do tamanho.

Todos os gatos e cães com peso acima de 8 quilos devem viajar no porão de carga, em caixas de plástico rígido ou fibra de vidro fixadas por parafusos e aprovados pela Associação Internacional de Transporte Aéreo.

De acordo com os requisitos da IATA, o animal deve ser capaz de se levantar sem tocar no topo da caixa e também deve ser capaz de se virar e deitar dentro do contêiner com folga.

Outros casos

No ano passado, um buldogue francês, chamado Kokito, morreu em um voo da United Airlines, entre Houston e Nova York, após uma comissária de bordo obrigar a tutora, Catalina Robledo, a colocá-lo no compartimento de bagagens de mão.

Em abril de 2017, um coelho gigante chamado Simon morreu enquanto viajava no porão de carga em um voo da United entre Londres e Chicago.

​Read More
Home [Destaque N2]

Outdoor gigante em aeroporto revela as vítimas secretas da Air France

Por Isis Shinagawa (da Redação)

Outdoor contra a companhia Air France (Foto: PETA)
Outdoor contra a companhia Air France (Foto: PETA)

O Aeroporto de London Heathrow está cheio de passageiros viajando nesta semana. Mas há passageiros que não podem escolher seus destinos e as pessoas não podem vê-los.

Segundo informações da ONG PETA (People for the Ethical Treatment for Animals), a Air France despacha centenas de macacos provenientes de criadouros de explorações degradantes na Ásia para laboratórios no Ocidente, onde eles passarão por experimentos assustadores. Os primatas são amontoados em caixas de madeiras pequenas e transportados dentro de porões de carga por mais de 30 horas antes de chegarem ao seu destino final e mortal.

Foto: Animais explorados em experimentos científicos
Animais explorados em experimentos científicos

Para garantir que o sofrimento destes animais não será esquecido, a organização instalou um outdoor enorme do lado de fora do terminal 4 do Aeroporto de Heathrow.

A nova campanha aumenta a conscientização dos passageiros mostrando que a Air France é a única companhia aérea de relevância que ainda coopera com a indústria de vivissecção ao despachar os primatas para o tormento e para a morte. E a campanha visa impedir esta atividade pela companhia aérea.

Junte-se à campanha para acabar com o transporte de primatas, enviando uma mensagem curta à Air France sobre a política antiética deles.

E-mails: Alexandre de Juniac, CEO Air France-KLM (adjuniac@airfrance.fr), Frédéric Gagey, CEO Air France (frgagey@airfrance.fr), Peter Hartman, Vice Chair (peter.hartman@klm.com), Florence Parly, Director General Air France Cargo (flparly@airfrance.fr).

Página da Air France no Facebook

 

​Read More
Notícias

PETA denuncia Air France pelo transporte de primatas para testes científicos

(da Redação)

Foto: AFP
Foto: AFP

A Organização PETA, disse no inicio dessa semana que espera recolher 25 mil assinaturas até 31 de outubro, em uma petição online, que pede a companhia aérea francesa para cessar com o transporte de primatas para testes científicos. As informações são do El Nacional.

Air France defendeu nesta terça-feira (22) a sua atividade de transporte de animais vivos para exames laboratoriais e afirmou está em total conformidade com as normas internacionais que regem o transporte desses animais.

E em um comunicado de sua sede em Paris, a Air France disse que a companhia opera apenas laboratórios de pesquisa biomédica que “cumpre integralmente a legislação e regulamentação em vigor, desenvolvidas por organizações científicas especializadas em bem-estar animal.”. Ele adicionou que “eles visitam a seus clientes” para garantir a conformidade com os protocolos dos experimentos, e com o controle dos fornecedores dos animais que devem cumprir com os regulamentos.

Em um comunicado segunda-feira (21), PETA afirmou que a Air France é uma das poucas grandes companhias aéreas que transporta macacos para experimentos científicos.

Em janeiro do ano 2012, PETA alegou ter feito um apelo semelhante e bem sucedido, em que a Air France acabou cancelando um carregamento de macacos de Maurício, país considerado um dos principais fornecedores de primatas para a investigação científica, com destino a um laboratório dos EUA.

Nota da Redação: O caso com a Air France é similar aos mesmo ocorrido com a TAM Linhas Aéreas, companhia brasileira que foi denunciada pela British Union for the Abolition of Vivisection e, após matéria publicada pela ANDA, revisou seus procedimentos internos e suspendeu todo tipo de transporte de animais para laboratórios.

​Read More
Destaques, Notícias

Após mobilização de ativistas, Air France não transportará mais macacos para laboratórios

Por Natalia Cesana (da Redação)

Foto: Reprodução/PETA

Quando a PETA divulgou que a Air France planejava transportar 60 macacos ao Shin Nippon Biomedical Laboratories (SNBL), graças a dez milhões de e-mails, post, tweets e telefonemas a companhia aérea confirmou que o deslocamento seria cancelado.

Imediatamente ao saber que os macacos seriam levados da ilha africana da Mauritânia, a seguir para Paris e depois para Chicago, onde os animais seriam carregados em um caminhão com destino ao laboratório SNBL, a PETA entrou em contato com os executivos da Air France e instou-os a cancelar a viagem.

Mas com tão pouco tempo para convencer a empresa a fazer a coisa certa, a PETA pediu a todos seus membros e apoiadores que se certificassem que a companhia tivesse recebido a mensagem. E assim foi. Devido aos milhares de contatos, a companhia parou de aceitar comentários públicos nas suas páginas do Facebook e desligou as linhas de telefone corporativas.

Enquanto a decisão da Air France é uma boa notícia, a PETA está agora incentivando a transportadora francesa a se juntar à maioria das principais companhias aéreas e colocar em prática políticas formais que proíbam o transporte de macacos para laboratórios.

Veja mais sobre o caso e participe acessando aqui.

​Read More