Notícias

Mais uma cidade americana adere à Segunda Sem Carne Vegana

Foto: Unsplash/ Naveen Venkatesan
Foto: Unsplash/ Naveen Venkatesan

A partir de 22 de abril, Dia da Terra, Berkeley começará a Segunda-feira Verde (Green Monday), que exige que toda a comida servida pela cidade em suas instalações, reuniões e eventos às segundas-feiras seja livre de carne, de acordo com o jornal Berkeleyside.

De acordo com o site da campanha Meatless Mondays, ja são mais de 40 países pelo mundo que aderiram ao movimento. Entre as cidades americanas estão São Francisco, Los Angeles, Nova York, Washington, Aspen entre outras.

Além disso, a Green Monday, que foi referida como “Vegan Mondays” pela mídia local, exigirá que as refeições servidas sejam totalmente livres de todos os produtos de origem animal, incluindo laticínios e ovos.

Isso vem como resultado de uma resolução aprovada pelo Conselho Municipal de Berkeley em setembro, que exige que apenas comida vegana seja servida, em um esforço para reduzir o impacto sobre o meio ambiente.

“Muitas pessoas que se importam profundamente com a mudança climática, a preservação dos recursos naturais, a poluição não têm ideia dos impactos devastadores da ingestão de animais”, disse Amy Halpern-Laff, diretora de parcerias estratégicas da Green Monday e residente de Berkeley.

“Podemos fazer uma tremenda diferença apenas cortando nosso consumo de carne e laticínios um dia por semana.”

Após a análise mais abrangente do impacto da agropecuária no meio ambiente, os cientistas concluíram que a única maneira maior de reduzir a pegada ecológica é evitar carne e laticínios.

O estudo descobriu que, enquanto carne e laticínios fornecem apenas 18% das calorias, é responsável por 83% do uso das terras agrícolas.

A agricultura animal também é responsável por mais emissões de gases de efeito estufa do que todos os carros, aviões, trens e navios em uso atualmente combinados.

A Green Monday, movimento conhecido também por Segunda Sem Carne, Segunda-feira Vegana ou Segunda-feira Verde, é um movimento internacional focado em incentivar o consumo de alimentos vegetais para o benefício do meio ambiente e da saúde humana.

Críticos da resolução dizem que é exagero, com muitos dizendo que o governo não tem que decidir o que as pessoas podem e não podem comer.

No entanto, os defensores da campanha chamaram a resolução de “um passo na direção certa para lidar com a mudança climática”.

“Não estamos pedindo às pessoas que assumam uma nova identidade como veganas”, disse Halpern-Laff. “Nem o programa tem que acontecer em uma segunda-feira necessariamente”.

“Mas a Green Monday pede que as pessoas pensem mais criticamente sobre seus hábitos de consumo como um todo”.

Em outubro, o prefeito de Minneapolis, Jacob Frey, anunciou as Meatless Mondays em conjunto com um restaurante local depois de escrever uma “proclamação baseada em vegetais” no último verão, onde pediu às pessoas que comessem menos carne pelo bem do planeta.

Na proclamação, Frey escreveu: “Considerando que, se cada americano optasse por comer alimentos vegetais em apenas uma refeição por semana, a economia de CO2 equivaleria a tirar mais de meio milhão de carros das estradas norte-americanas”.

​Read More
Notícias

Ator Kevin Smith adota dieta vegetariana estrita para se manter saudável

Impulsionado por questões de saúde o ator adere ao veganismo | Foto: Getty Images
Impulsionado por questões de saúde o ator adere ao veganismo | Foto: Getty Images

O comediante, ator e produtor Kevin Hart é a mais recente celebridade a vir a público dizer que está adotando uma alimentação vegana.

Em um vídeo postado em seu Instagram story ontem, Hart disse a seus fãs que, para ele que já come de forma saudável, se tornar vegano é apenas um pequeno passo de onde ele esta e o ator vai experimentar a transição.

A celebridade, que é entusiasta de fitness, disse a seus seguidores “Eu vou começar a comer melhor”, disse ele. “Eu já como bem, mas agora vou me dedicar a essa mudança real e certeira da comida baseada em vegetais.”

No mês passado, o ex-juiz do American Idol, Simon Cowell, disse que adotou a alimentação vegana ao se aproximar do seu 60º aniversário no final deste ano.

A estrela da televisão afirmou estar lidando com problemas recorrentes de saúde que abrir mão de carne e laticínios resolveriam rapidamente.

“Um amigo meu, que é médico, recomendou falar com um especialista e eu o fiz por capricho. Eu era alérgico a melão, então não comi a fruta durante seis meses, mas fui visitar esse especialista e o que ele me explicou e fazia sentido ”, disse Cowell em uma entrevista recente ao Sun.

“Em 24 horas, mudei minha alimentação e não olhei para trás desde então. Você se sente melhor, você parece melhor. Eu cortei muitas das coisas que eu não deveria ter comido, principalmente carne, laticínios, trigo e açúcar – esses foram os quatro principais itens”.

O cineasta Kevin Smith se tornou vegano em 2018 depois de sofrer um ataque cardíaco agudo. A mudança ajudou-o a perder peso e reduzir a medicação para o colesterol. Rapper Will.i.am também viu melhorias significativas na saúde após sua recente mudança para uma alimentação vegana.

Embora as duas estrelas tenham se tornado veganas inicialmente, elas também demonstraram uma crescente conscientização dos problemas éticos com o consumo de carne.

Smith apareceu em várias campanhas pedindo às pessoas que abandonassem os produtos de origem animal. Will.i.am trabalhou algumas letras em uma música recente do Black Eyed Peas sobre o assunto também.

Cowell também pode ter sido motivado em parte pelo sofrimento animal. A estrela destacou cães resgatados em seu feed no Instagram e se juntou a uma lista de celebridades pedindo o fim do comércio de carne de cachorro.

Beyond Meat

O anúncio de Hart acontece em concomitância com a Beyond Meat ter se tornado a primeira empresa de carne vegana a abrir capital na semana passada. A startup foi listada na Nasdaq na última quinta-feira no maior IPO dos EUA em quase 20 anos. Os preços das ações da empresa subiram 163% no primeiro dia e a startup da Califórnia foi avaliada em quase 4 bilhões de dólares.

A empresa doou milhares de hambúrgueres na sexta-feira, apelidada de “Beyond Day” após o IPO. O músico Snoop Dogg filmou uma promoção dentro do caminhão Beyond Meat, onde distribuía hambúrgueres veganos ao ex-jogador de beisebol Nick Swisher.

O vídeo de Hart mostra seu chef preparando Beyond Burgers (hamburgueres de carne vegana da Beyond Meat) em sua cozinha enquanto fala sobre todos os produtos que a empresa oferece atualmente. “Eu estou nessa”, ele disse, “estou pulando nessa de cara.”

A fabricante de carne à base de vegetais Beyond Meat viu suas ações subirem 135% após seu IPO (abertura de capital na bolsa de valores), levando a empresa a um valor de mercado de 3,52 bilhões de dólares.

Sucesso na bolsa de valores e futuro vegano

De acordo com um relatório da MarketWatch, especialista no setor, os ganhos da empresa Beyond Meat continuaram durante a manhã de abertura de capital em 02 de maio, atingindo uma alta de 63,43 dólares que é cerca de 154% acima da alta inicial.

A Beyond Meat inicialmente planejava vender ações por entre 19 e 21 dólares, de acordo com o documento da Securities and Exchange Commission (SEC) de 22 de abril; no entanto, o aumento de preço de quarta-feira para 25 dólares sugeriu uma antecipação da forte demanda dos investidores.

A oferta pública inicial de quarta-feira da Beyond Meat a 25 dólares por ação para a venda de pelo menos 9,6 milhões de ações elevou a empresa ao valor de 241 milhões de dólares.

Em conversa com a CNBC, o Fundador e CEO da empresa, Ethan Brown, falou sobre os próximos passos da Beyond Meat. “No momento, representamos apenas 2% de penetração domiciliar”, disse Brown.

“Se você pensar em onde estamos nos mercados convencionais, nos tornamos, no último verão, pelo menos em nossa região do sul da Califórnia, a empacotadora número um as embalagens de hambúrguer das maiores mercearias convencionais do país”.

“Vamos construir essa uma nova instalação para oferecer aos consumidores uma variedade de opções, não apenas hambúrgueres, não apenas salsicha, mas em toda a cadeia de valor.”

“Também estou animado com o crescimento internacional e, em última análise, com o programa de cinco anos planejado para ficar realmente agressivo em relação aos preços”.

Brown discutiu previamente os planos da empresa para reduzir o preço da Beyond Meat abaixo da carne derivada de animais usando fontes alternativas de proteína com a ajuda de fundos levantados no IPO.

A Beyond Meat faz parte de uma nova onda de alternativas de carne vegana projetadas para parecer e o gosto de carne derivada de animais.

Brown diz que a Beyond Meat não foi feita para competir com outras marcas veganas e vegetarianas; a empresa se considera um concorrente direto de carne de porco, carne bovina e outros produtos não-veganos.

Até agora, a empresa tem sido bem sucedida em atrair consumidores de carne e flexitários, que compõem a grande maioria dos consumidores da Beyond Meat.

Isso se deve, em parte, à demanda do consumidor por alternativas à base de vegetais, mais saborosas e saudáveis, à medida que as pessoas se voltam para uma dieta mais rica em vegetais devido a preocupações com a saúde e o meio ambiente.

Além de produtos de carne a empresa comercializa produtos que incluem similares a frango, carne moída, salsichas e sua assinatura Beyond Burger, todos feitos sem produtos de origem animal.

A ação da Beyond Meat está atualmente sendo negociada a 64,89 dólares.

Expansão mundial

A partir deste ano, 2019, a Beyond Meat promete priorizar a sua expansão global que tem como compromisso levar seus substitutos de carne, que inclui versões vegetais de hambúrguer, linguiça e carne moída, para pelo menos 50 países.

Para conseguir isso, a startup fundada em 2009 tem contado com o apoio de grandes investidores – como Bill Gates e Leonardo DiCaprio, que tem não apenas injetado dinheiro na Beyond Meat, mas também divulgado seus produtos em suas mídias sociais.

Além disso, a marca tem sido endossada por atletas da NBA, NFL e também de esportes radicais. Segundo o CEO, Ethan Brown, Canadá, Europa, Austrália, México, América do Sul, Israel, Coréia do Sul e África do Sul devem ser beneficiados com a expansão global.

Atualmente, só nos Estados Unidos, a Beyond Meat já distribui seus produtos em mais de 27 mil estabelecimentos comerciais, entre grandes, médias e pequenas empresas. O que também motivou a startup a se aprofundar na realidade do mercado internacional é o grande volume de mensagens recebidas de consumidores questionando quando seus produtos serão chegarão até eles.

O último lançamento da Beyond Meat foi o Beyond Beef, “carne moída” à base de proteínas de ervilha, arroz e feijão mungo. O produto livre de soja e glúten possui um pouquinho mais de proteínas do que o seu equivalente de origem animal e 25% menos gorduras saturada.

Há muito tempo estamos de olho na criação de um produto que permita aos consumidores desfrutar da versatilidade da carne moída enquanto aproveitam os benefícios para a saúde humana, ambiental e animal dos alimentos à base de plantas”, diz Ethan Brown.

​Read More