Destaques, Notícias

Elefante cai em cima da plateia durante apresentação de circo na Alemanha

Um vídeo em circulação nas redes sociais capturou o momento em que um elefante caiu do palco em cima de uma multidão durante uma apresentação do Circo Krone, na Alemanha. O animal que sofreu o acidente, Tompteusen, aparentemente saiu ileso. Mas outros dois elefantes, também explorados no espetáculo, precisaram ajudar o animal caído a se levantar – ele estava tão exausto que não conseguia se colocar de pé sozinho.

Passado o momento de pânico, os treinadores subiram no palco e controlaram a situação, relatando em entrevista a um jornal local que aquele comportamento dos elefantes era “comum”. No entanto, muitas organizações e pessoas em defesa dos direitos animais discordam dessa afirmação.

“Inúmeras vezes vimos que manter animais selvagens em cativeiros e forçá-los a realizar truques sem sentido pode fazer com que desenvolvam comportamento neurótico e depressão”, comenta Elisa Allen, diretora da People for the Ethical Treatment of Animals (PETA) UK, sobre o incidente no Circo Krone.

“Evidências científicas nos dizem que suas necessidades nunca serão atendidas em um circo, por isso não é surpreendente quando eles simplesmente ‘surtam’ após anos encarcerados e abusados ​​nas mãos de treinadores cruéis armados com anzóis”, ela completa.

Captura de tela | YouTube

A ONG PETA não foi o único grupo a se pronunciar publicamente sobre o terrível acontecimento. A Animal Defenders International, do Reino Unido, e outras organizações ao redor do planeta, interessadas no bem-estar dos animais, estão exigindo que os governos em todo o mundo proíbam a exploração deles nestes atos.

De acordo com o presidente da ADI, Jan Creamer, “explorar animais selvagens em circos é uma receita para o desastre, colocando os animais e o público em perigo. A ADI apela aos governos em todo o mundo para acabar com os atos de animais selvagens urgentemente e acabar com o sofrimento”.

Os elefantes e os outros animais selvagens que geralmente são explorados por circos vivem em péssimas condições: suas acomodações são muitas vezes apertadas, eles não recebem comida ou cuidados veterinários, e os métodos usados ​​para treiná-los para realizar os truques para o entretenimento do público são, na maior parte das vezes, bárbaros e cruéis.

Animais que crescem em circos são arrancados de suas mães muito antes do que deveriam. As torturas mentais e físicas que eles sofrem, combinadas com o risco para o público – como este show em Osnabrück demonstrou – significam que precisamos lutar contra a exploração e optar por eventos livres de crueldade.

Momento em que o elefante cai, e os dois outros companheiros tentam ajudá-lo (Captura de tela | YouTube)

Essa não foi a primeira vez que o circo Krone teve problemas com elefantes. Há cerca de um mês, outro animal tentou escapar durante uma apresentação e, por um tempo, conseguiu desfrutar do gosto da liberdade. “A elefante, chamada Quênia, surpreendeu os moradores de Neuwied, no oeste da Alemanha, enquanto caminhava por bairros e interrompia o trânsito em ruas movimentadas”, relatou a PETA em junho. Infelizmente, ela foi capturada em pouco tempo e levaram-na de volta para o circo, acabando com os seus poucos minutos livre.

O lugar dos animais é na natureza, agindo conforme seus instintos e, não, dentro de gaiolas ou espaços apertados, sendo obrigados a terem comportamentos que são completamente absurdos para eles. É preciso clarear a consciência para entender e respeitar os direitos animais. Eles não são objetos para serem expostos e servirem ao prazer de seres humanos. As pessoas podem obter alguns minutos de entretenimento, mas para eles é uma vida inteira de exploração e abusos condenados pelo egoísmo humano.

​Read More
Feitos para serem livres, leões morrem aos poucos em cativeiro | Foto: Big Cats Allies
Destaques, Notícias

Leão estressado come a própria cauda em cativeiro

Feitos para serem livres, leões morrem aos poucos em cativeiro | Foto: Big Cats Allies
Feitos para serem livres, leões morrem aos poucos em cativeiro | Foto: Big Cats Allies

O quanto Govani, o leão, deveria estar infeliz e desesperado a ponto de mutilar a si mesmo? Este belo leão foi retirado da natureza e confinado a uma gaiola de 2 por 2 metros onde ele mal podia se mover. Como se isso não fosse ruim o bastante, ele teve suas garras e seus dentes caninos arrancados, ele estava tão faminto e miserável que mordeu e comeu sua própria cauda. Este era o destino inimaginável de Govani como um leão de circo itinerante usado e abusado em nome do entretenimento humano e do lucro.

Como alguém poderia forçar um animal selvagem tão majestoso a viver em cativeiro e submetê-lo a esse nível absurdo de abuso e negligência? É difícil dar a volta por cima, mas esse tipo de coisa acontece o tempo todo em circos itinerantes pela Europa. Atualmente, existem mais de 1.000 animais silvestres que ainda sofrem em condições deploráveis e são explorados interminavelmente pelos circos itinerantes europeus. E, por algum motivo insondável, muitos ainda estão aindo livres dos crimes de maus-tratos extremos a esses animais.

Conforme a verdade sobre o tratamento que os circos dão à suas estrelas principais veio à tona, ativistas de animais indignados começaram a exigir que essas operações fossem paradas imediatamente. Eles conseguiram fazer com que circos com animais selvagens fossem banidos em vários países europeus, e muitas organizações de resgate se apresentaram para dar a esses pobres animais uma nova chance de vida. Por exemplo, a Animal Advocacy and Protection Association (AAP, na sigla em inglês) deu a Govani, o leão, a chance de se recuperar de seu passado miserável em um espaço aberto cheio de árvores e lagos.

Mas até que todos os animais vítimas da indústria do circo tenham esse mesmo final feliz, essas operações precisam ser denunciadas e trazidas à luz. Existem cerca de mil animais que ainda estão sendo explorados por diversão humana.

​Read More