Notícias

Cadelinha do filme “A caminho de casa” era de um abrigo

Divulgação

“Bella”, cadelinha que protagoniza o filme “A caminho de casa”, em cartaz nos cinemas desde o dia 28 de fevereiro, vivia num abrigo do Tennessee (EUA), onde foi parar em 2017 depois de ser encontrada num lixão em estado miserável. Aliás, depois do filme, Bella, que na verdade se chama Shelby, foi adotada e participou de uma campanha que arrecadou ração, camas e brinquedos para os demais animais que continuam no Cheatham County Animal Control, da onde ela saiu para o estrelato.
E mais: o autor de “A caminho de casa” (original “A dog`s way home”), W. Bruce Cameron, encantado com a trajetória da cadelinha, escreveu um livro sobre ela chamado “A história de Shelby”.

Divulgação

E um importante detalhe para as gateiras: o filme tem vários gatos, reais e fofos. Inclusive, Bella está sempre ao lado deles. A crítica brasileira, no entanto, foi um tanto impiedosa com o filme salientando o que chamaram de “tom infantil”, já que é narrado pela própria cadelinha e o classificando como apenas mais um filme de cachorro para emocionar as pessoas.

Divulgação

Puro engano. Em primeiro lugar, logo no início, o filme retrata uma situação que já cansamos de ver aqui no Brasil e que costuma ter final trágico: a demolição de imóveis com vários gatos vivendo dentro. Uma cena que certamente não passa despercebida ou sem importância para quem é da causa animal ou eventualmente acompanha casos dramáticos como esse.

Felizmente, em Denver (EUA), onde o filme se passa, é possível acionar entidades de proteção animal e desautorizar a demolição de casas que contenham animais. Por outro lado, a cidade tem também um rude controle de animais que proíbe pit bulls por considerá-los cães de alta periculosidade. Quem os possui precisa mantê-los apenas dentro da residência e não pode sequer passear com eles sob pena de serem eutanasiados.

Divulgação

É bom assistirmos esses filmes que mostram a realidade dos animais em outros cantos do planeta para aprendermos a valorizar as conquistas que já tivemos. Em SP a Lei 12.916 conhecida como Lei Feliciano, há dez anos proíbe a matança de animais em situação de rua, sejam vira-latas, pit bulls ou de qualquer raça. E essa lei se espalhou por mais 11 estados sendo que nos demais também existe uma insistente luta para acabar com o extermínio de animais.

Mas certamente também nos falta uma lei que impeça a demolição de imóveis enquanto todos os animais residentes não tiveram sido retirados da forma mais ética possível e conduzidos a um lugar seguro.

Voltando ao enredo do filme, um conselho: assistam! Tem humor, emoção e cenas com as quais muita gente vai se identificar, especialmente a de uma turminha de cães vagando pela cidade para receber alimento de comerciantes e moradores. E outros temas pertinentes à causa animal como caça de animais selvagens e abandono.
Além disso, os animais selvagens são feitos por computação gráfica – o que é ótimo já que lugar de animal selvagem é na selva. Os diretores de “A caminho de casa” também declararam que tomaram o cuidado de não expor a cadelinha a situações de risco ou aflição, diferente do “Quatro vidas de um cachorro” (também de autoria de Bruce Cameron), que teve de responder por denúncias de maus-tratos aos cães que participaram do filme.

Divulgação

“Todos se esforçaram para garantir que Shelby e outros animais fossem bem tratados. Todos da equipe recebiam três números para telefonar se vissem algo de errado e, inclusive, podiam fazer isso anonimamente para denunciar qualquer caso de maus-tratos. Toda vez que você vê Shelby fazendo algo complicado na tela é porque ela está ansiosa por carinho, guloseimas e brinquedos. Ela é mais que uma estrela de cinema. É um cachorro incrível”, relatou Cameron.

O ex-oficial de controle de animais do abrigo de Shelby, Thomas Jordi, declarou: “Ela tinha uma qualidade de estrela. Uma personalidade realmente única. Ela era esse tipo de cachorro que fazia você sorrir”.

Nesse link tem um vídeo que mostra a cadelinha quando ainda vivia num abrigo e a entrevista com o autor Bruce Cameron cujos trechos estão reproduzidos aqui.
Outra coisa interessante é que o site oficial do filme traz uma série de fotos de cães e relatos de seus tutores contando como foram resgatados. Vejam aqui.

A missão continua

Shelby continua atuando mesmo fora da tela. Mês passado ela esteve com os alunos de Kingston Springs no Condado de Cheatham, onde também fica o abrigo onde ela viveu. Os estudantes coletaram comida para cães e gatos, camas e brinquedos. Ela foi muito acariciada e tirou centenas de fotos com as crianças. Chelby também visitará outras escolas e hospitais infantis. Dentro e fora do filme ela cumpre a missão de alegrar e dar esperança as pessoas. Veja mais sobre isso aqui.

Divulgação

À propósito, sobre o “tom infantil” do filme, ótimo! Assim é possível assistir com o filho, neto, sobrinho e até mesmo com o cachorro ou gato da família. Inclusive, a pré-estreia no Shopping Frei Caneca, em SP, permitiu a entrada de cães.

*Fátima ChuEcco é jornalista ambientalista e atuante na causa animal

​Read More