Notícias

Aproximadamente 40 golfinhos morrem por infecção viral fortalecida por agrotóxicos

Vírus semelhante ao sarampo está matando golfinhos na Itália. Segundo cientistas da Universidade de Siena, no mínimo 40 golfinhos já foram mortos pelo mobilivirus.

Um golfinho no mar
Foto: Earth

O vírus, inicialmente, faz com que os golfinhos percam peso. Depois, aproveitando-se do corpo enfraquecido, ataca o cérebro e os órgãos internos dos animais. Testes realizados em alguns dos corpos dos golfinhos que foram infectados também confirmaram a presença de substâncias químicas que podem estar impedindo a imunidade dos animais de combater a doença. Os especialistas acreditam que o vírus se fortaleceu devido à poluição do mar por pesticidas.

“Esses produtos podem ter um efeito imunossupressor e, portanto, podem ter contribuído para a disseminação da doença”, disse Federica Fratoni, ao Daily Mail.

Fratoni e autoridades da região estão pedindo à Itália para que se junte à Convenção de Estocolmo de 2001, que proíbe o uso de Poluentes Orgânicos Persistentes – também conhecidos como POPs, são as substâncias químicas utilizadas como agrotóxicos. A itália é, atualmente, o único país europeu que não assinou o pacto.

O mobilivirus matou cerca de 800 golfinhos e quatro baleias na costa leste da América em 2013. Na Itália, em 1987, ele também tirou a vida de 740 golfinhos.

As autoridades italianas concordaram que o país deve repensar sua posição em relação a Convenção de Estocolmo de 2001.


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


​Read More
Destaques

Gangue de criminosos mata 40 cães envenenados em uma única noite

Foto: James Pyatt/News LTD
Foto: James Pyatt/News LTD

Criminosos matam mil cães por semana na África do Sul, para que possam invadir casas e roubar os donos das residências sem serem atacados por seus leais animais domésticos.

Cerca de 40 cães foram envenenados em uma cidade durante uma única noite na semana passada.

Imagens chocantes foram divulgadas mostrando como cães fiéis estão sendo massacrados por gangues nos jardins da frente e dos fundos de suas próprias casas.

O Dr. Gerhard Verdoon, diretor do Griffon Poison Information Centre, em Port Elizabeth, revelou que os cães estão sendo alimentados com carne contaminada com veneno mortal.

Foto: James Pyatt/News LTD
Foto: James Pyatt/News LTD

O especialista observou que o veneno é tão poderoso que mata um cão pequeno em apenas 5 minutos e um cachorro grande em menos de 15 minutos.

Ele acrescentou que poucos animais domésticos sobrevivem a uma dose do veneno.

“O veneno usado é muito potente – cerca de 97% dos animais envenenados morrem”, disse Verdoon.

“Eles usam o Aldicarb, conhecido como ‘two-step’ (dois passos, na tradução livre), porque você come, dá dois passos e morre.

“Os criminosos geralmente colocam o veneno em cachorros-quentes ou misturam com picadinho e dão para os cães comerem. Depois que os cães morrem, as casas são alvos fáceis de invasão ou roubo.

Foto: James Pyatt/News LTD
Foto: James Pyatt/News LTD

“O veneno é normalmente usado em cães que dormem fora, no quintal, para proteger a família e, nas primeiras horas da manhã, jogam a carne por cima da cerca e observam enquanto o cão come a carne”.

“Eles deixam o veneno agir por uma hora para se certificar de que quando voltarem para realizar um assalto à mão armada ou um roubo, muitas vezes atacando os moradores da residência e roubando dinheiro, valores e carros.

“O número de até 1000 cachorros mortos por semana é extremamente absurdo e cruel e está aumentando”, disse ele.

Verdoon disse que o veneno é proibido na África do Sul, mas é contrabandeado através da fronteira do Zimbábue por sindicatos do crime e vendido ilegalmente a criminosos para matar cães.

Ele continuou: “O que acontece é que o sistema nervoso do animal é desligado e o cão fica paralisado e então ele sufoca até a morte. É uma maneira muito sofrida de um cachorro morrer”.

Foto: James Pyatt/News LTD
Foto: James Pyatt/News LTD

“Isso está afetando todo o país pois o veneno é usado em ataques em fazendas também”, disse ele.

Cora Bailey, diretora do Community Led Animal Welfare, disse que 40 cães foram mortos na Flórida, um subúrbio de Johanesburgo, na última quarta-feira por criminosos que invadiram casas.

“Os criminosos não querem entrar em uma propriedade onde um cachorro pode alertar os moradores”, disse ela.

A África do Sul é classificada como um dos países mais perigosos do mundo para se viver, com quase 20 mil assassinatos por ano, 50 mil estupros e 275 mil roubos e assaltos em casas particulares.

Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


 

​Read More