Notícias

Após protestos, a elefante Minnie não desfilará mais no 4 de julho de Springfield, EUA

Por Rafaela Damasceno

O 4 de julho, dia da Independência dos Estados Unidos, é uma das datas mais importantes e celebradas no país. Em Springfield, no estado de Delaware, os desfiles foram marcados por mais de 30 anos pela presença de uma elefante chamada Minnie. Ela era forçada a carregar pessoas e caminhar pelas ruas todos os anos.

Minnie anda pelas ruas carregando um homem e uma crianças, com várias pessoas em volta
Foto: Springfield Republican Party

Em 2019, Minnie foi explorada pela última vez. Após uma onda de debate nacional acerca dos direitos animais, especialmente os elefantes, o comitê do Partido Republicano de Springfield (responsável pelo desfile) decidiu que Minnie nunca mais será obrigada a desfilar.

O presidente do partido, Puppio, anunciou a decisão essa semana, declarando que estava na hora de Minnie se aposentar. A medida foi tomada após uma discussão com especialistas, segundo ele.

Recentemente, o número de pessoas conscientes acerca dos direitos animais está aumentando. Circos e zoológicos já estão sendo criticados pela exibição animal há anos.

O Philadelphia Zoo fechou sua exibição de elefantes em 2007. Após protestos de ativistas, além do aumento das restrições federais e estaduais, o circo Ringling Bros e Barnum & Bailey Circus parou de explorar elefantes em suas exibições em 2016. Um ano depois, o local fechou definitivamente.

Poucos dias antes do anúncio do partido, uma petição online pedindo a proibição da exploração de animais silvestres em Springfield foi criada.

“O Partido Republicano de Springfield usou por muitos anos um elefante vivo como propaganda, montando o pobre animal com ganchos para que ele obedecesse. Os animais não pertencem a desfiles, circos, zoológicos ou qualquer outro meio de exibição. Esse tipo de coisa leva o público a acreditar que é aceitável explorar animais para o entretenimento humano e ensina crianças de que eles estão aqui para o nosso uso, sem merecer direitos básicos”, dizia a petição.

Nas redes sociais, muitos ficaram contentes com a decisão do partido. Alguns criaram outra petição, pedindo para que Minnie e outros dois companheiros elefantes fossem liberados do zoológico onde permanecem e realocados em um santuário.


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


 

​Read More
Notícias

Abrigo cuida de 57 cães que fugiram devido aos fogos do 4 de julho

Reprodução / Daniel DeSousa
Reprodução / Daniel DeSousa

O feriado do dia 4 de julho é um dos dias mais estressantes do ano para os cães que vivem nos Estados Unidos. A data, que comemora o Dia da Independência do país, é sempre celebrada com festa e muita queima de fogos de artifício.

O som dos fogos explodindo pode ser extremamente assustador para a maioria dos cães, que podem até mesmo chegar a fugir, tamanho o pânico que o barulho causa.

No condado de San Diego, na Califórnia, o San Diego Animal Services encontrou 156 cães perdidos que provavelmente fugiram por medo dos fogos de artifício. Os animais foram levados para três abrigos diferentes do condado. Os funcionários do abrigo fizeram um grande trabalho da melhor forma que puderam para reunir cada cão com sua família, mas, infelizmente, 57 desses cães não tiveram suas famílias encontradas.
Porém, isso não é novidade e esses números não surpreendem.

“Todos os anos antes do 4 de julho o nosso departamento tenta educar o público sobre como manter os cães seguros durante os fogos de artifício. Fazemos isso por meio dos meios de comunicação locais e nossa página no Facebook. Infelizmente, a cada ano ainda aparecem dezenas de cães após os fogos de artifício”, contou Daniel DeSousa, vice-diretor do County of San Diego Department of Animal Services, ao site The Dodo.

Acredita-se que os 57 que continuam no abrigo devem ter famílias, mas, pela demora em encontrar os tutores destes animais, eles, infelizmente, terão que esperar por novas famílias.

Fogos de artifício podem ser muito assustadores para cães, então o indicado é tentar ficar em casa com os animais para acalmá-los. “Mantenha os cães dentro da residência. Já vimos cães passarem por janelas, cercas de salto e mastigar portões e portas para escapar durante o momento de pânico. Se você tiver que deixá-los em casa, coloque-os em um cômodo seguro, com uma televisão para bloquear o barulho dos fogos de artifício. Em segundo lugar, certifique-se de que o cão está com um microchip ou coleira de identificação e suas informações de contato estão atualizadas”, acrescentou Daniel.

Fonte: Portal do Dog

​Read More
Notícias

Abrigo cuida de 57 cães que fugiram por causa dos fogos do 4 de julho, nos Estados Unidos

Divulgação
Divulgação

O feriado do dia 4 de julho é um dos dias mais estressantes do ano para os cães que vivem nos Estados Unidos. A data, que comemora o Dia da Independência do país, é sempre celebrada com festa e muita queima de fogos de artifício.

O som dos fogos explodindo pode ser extremamente assustador para a maioria dos cães, que podem até mesmo chegar a fugir, tamanho o pânico que o barulho causa.

Nós contamos aqui a história de Rocky, um cão idoso que foi encontrado assustado e perdido em uma floresta bem longe de sua casa após ter fugido com medo dos fogos de artifício das comemorações do 4 de julho. Rocky teve um final feliz, foi resgatado e voltou para sua casa e seu amado tutor. Porém, nem todos os cães conseguem ter essa mesma sorte.

No condado de San Diego, na Califórnia, o San Diego Animal Services encontrou 156 cães perdidos que provavelmente fugiram por medo dos fogos de artifício. Os animais foram levados para três abrigos diferentes do condado. Os funcionários do abrigo fizeram um grande trabalho da melhor forma que puderam para reunir cada cão com sua família, mas, infelizmente, 57 desses cães não tiveram suas famílias encontradas.

Divulgação
Divulgação

Porém, isso não é novidade e esses números não são inesperados.

“Todos os anos antes do 4 de julho o nosso departamento tenta educar o público sobre como manter seus cães seguros durante os fogos de artifício. Fazemos isso através dos meios de comunicação locais e nossa página no Facebook. Infelizmente, a cada ano ainda aparecem dezenas de cães após os fogos de artifício”, contou Daniel DeSousa, vice-diretor do County of San Diego Department of Animal Services, ao site The Dodo.

Acredita-se que os 57 que continuam no abrigo devem ter famílias, mas, pela demora em encontrar os tutores destes animais, eles, infelizmente, terão que esperar por novas famílias.

Fogos de artifício podem ser muito assustadores para cães, então o indicado é tentar ficar em casa com seus animais de estimação para acalmá-los. “Mantenha os cães dentro da residência. Já vimos cães passarem por janelas, cercas de salto e mastigar portões e portas para escapar durante o momento de pânico. Se você tiver que deixá-los em casa, coloque-os em um cômodo seguro, com uma televisão para bloquear o barulho dos fogos de artifício. Em segundo lugar, certifique-se de que o cão está com um microchip ou coleira de identificação e suas informações de contato estão atualizadas”, acrescentou Daniel.

Divulgação
Divulgação

Fonte: Portal do Dog

​Read More