Notícias

Mais de 3 mil animais mortos foram encontrados em rodovias em 2018

O Serviço de Limpeza Urbana (SLU) do Distrito Federal recolheu 3.011 corpos de animais mortos em 2018. No ano anterior, foram 2,9 mil recolhidos. Dentre eles estão cavalos, cachorros, bois e lobos-guará, que foram as principais vítimas. A causa da morte costuma ser atropelamento.

(Foto: PMDF/Divulgação)

Quando a morte é constatada, o animal é retirado do local por servidores do SLU. Se sobrevive, ele é levado pela Polícia Militar Ambiental ao Hospital Veterinário da Universidade de Brasília (UnB), onde recebe os cuidados necessários. Antes, porém, eles passam pelo Centro de Triagem e Reabilitação de Animais Silvestres (Cetas), na Floresta Nacional de Brasília. As informações são do Correio Braziliense.

“Ano passado, atendemos uma fêmea de sagui que tinha acabado de ser atropelada. Ela estava grávida e muito ferida. Apesar de tudo que fizemos, ela não resistiu e, como os filhotinhos ainda estavam em fase de formação, todos morreram”, lamenta Líria Queiroz Luz Hirano, médica do Hospital Veterinário da UnB e professora da universidade. A maioria dos animais que chegam à unidade, segundo ela, é vítima de atropelamento, choque elétrico ou agressão dos tutores.

No Vale do Amanhecer, em Planaltina, onde mora Iara Francisca Rodrigues da Silva, de 42 anos, é comum ver cavalos andando solto às margens das rodovias, segundo a moradora.

“Vira e mexe, aparece um animal morto na pista. Por isso, a gente tem que redobrar a atenção, principalmente em estradas mais escuras, sem iluminação”, conta a professora. “Há animais soltos e mortos em todas partes, como no Jardim Roriz, no Setor da Estância, em Arapoanga. É cachorro, vaca, galo”, completa.

Segundo a diretora da Associação Protetora dos Animais do DF (ProAnima), Mara Moscoso, a maior parte dos animais é tutelada por pessoas que não se preocupam em cuidar deles de forma adequada.

“No geral, esses atropelamentos são devidos à irresponsabilidade dos tutores, que não entendem que os animais não têm consciência dos perigos de uma pista”, observa Moscoso, que faz um alerta para o risco de acidentes. “Muitos condutores ignoram as placas de aviso de animal na área e não diminuem a velocidade, negligenciando os relatos de acidentes graves envolvendo atropelamentos de animais. Atenção ajuda os dois lados”, ressalta.

Ações de monitoramento de fauna na área da obra de implantação do Trevo de Triagem Norte são feitas pelo Departamento de Estradas de Rodagem (DER-DF), que instalou controladores de velocidade na BR-020 recentemente, diminuindo o limite para 60 km/h em pontos com maior chance de ocorrerem atropelamentos de animais.

Maus-tratos

Dez ocorrências de maus-tratos a animais foram registradas em janeiro nas delegacias do Distrito Federal. A maior parte é composta por denúncias anônimas.

“É importante que a denúncia seja realizada, tanto pelos canais de denúncia ou, formalmente, nas delegacias de área, para atuação efetiva da polícia”, explica o delegado Marinho Neto, chefe da Delegacia Especial de Proteção ao Meio Ambiente e à ordem Urbanística.

Também em janeiro foram resgatados 374 animais silvestres que, segundo o comandante do batalhão, Major Souza Júnior, “se perderam por causa da invasão de áreas urbanas em seu habitat” e 811 animais vítimas do tráfico.

A Polícia Federal resgatou, há duas semanas, 160 pássaros silvestres que estavam com um passageiro que tentava embarcar no Aeroporto Internacional de Brasília. Trazidas de Boa Vista, em Roraima, as aves seriam levadas para São Paulo. Da espécie canário-da-terra, elas estão ameaçadas de extinção.

O homem, de 55 anos, foi detido no saguão do terminal após outros passageiros acionarem a polícia. Levado à Superintendência da Polícia Federal, ele foi autuado por crime ambiental e assinou um termo se comprometendo a comparecer à Justiça quando solicitado. Em seguida, foi liberado. Não há informação sobre o estado de saúde dos animais, tampouco sobre a possibilidade de alguns deles terem se ferido ou morrido. As aves foram levadas para a sede do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente (Ibama).

Adoção

O Batalhão de Polícia Militar Ambiental (BPMA) disponibiliza para adoção animais domésticos resgatados em ações policiais. Para isso, foi lançado, em junho de 2018, o “WhatsApp Adoção”, serviço que pode ser acessado pelo telefone 99351-5736.

Para adotar um animal, é preciso preencher uma ficha cadastral e participar da lista de espera para adoção. “A partir do momento em que a pessoa encaminha o pedido, nós avaliamos se ela tem capacidade de manter o animal, oferecer comida, espaço e carinho”, explica o major Souza Júnior.

Já foram adotados, em seis meses de funcionamento do serviço, 272 animais, sendo 20 gatos e os demais cães.

​Read More
Videos

A dramática travessia de 3 mil renas nas águas profundas de um grande rio

Uma nova série da BBC One, “Human Planet”, mostrará uma incrível, exaustiva e dramática travessia de mais de 3 mil renas para uma nova área de pastagem.

A migração é liderada por uma jovem do norte da Noruega, Elle-Helene, que auxilia de um barco centenas de animais que lidam, inclusive, com a possibilidade do enganchamento de seus grandes chifres, o que poderia provocar até mesmo o afogamento de vários indivíduos.

Ela narra sobre os seus medos quanto às possibilidades de algo dar errado, especialmente para os filhotes, mas segue em frente e satisfeita com o resultado final. Confiram o trailer da nova série!

​Read More