Notícias

Cachorrinho arteiro destrói tudo na casa mas é o melhor amigo de sua tutora mirim

Foto: Joy Loft
Foto: Joy Loft

Um cachorro travesso ameaça arruinar o Natal destruindo tudo em sua casa – mas sua tutora o ama incondicionalmente. Joy Loft trouxe o cãozinho Porridge para viver em sua casa em 2017 – seu filho Chris teve a ideia depois que seu velho cão resgatado morreu de câncer.

A família suspeita que Porridge era um “filhote de Natal”, cães dados de presente e depois das festas levados para um abrigo quando os tutores presenteados se cansam deles. Mas Joy, que tem 56 anos e mora em Doncaster, South Yorkshire (Inglaterra), claramente tem um nível de tolerância muito mais alto e está disposta a aguentar todo tipo de “arte” por seu amor a esse cão.

Porridge, de três anos, conseguiu causar uma grande quantidade de destruição em sua curta vida. No ano passado, Porridge derrubou a árvore de Natal e se enroscou nos enfeites e nas luzes. Ele comeu as almofadas de três sofás diferentes – espalhando o recheio por todo o chão.

Foto: Joy Loft
Foto: Joy Loft

O filhote arteiro rasgou um saco de areia de gato e um saco de sementes de pássaros. Ele destruiu infinitos rolos de papel higiênico e até mastigou sapatos caros: “Ele mastigou meu tablet e celular – incluindo três cartões bancários que estavam na carteira” – acrescenta Joy.

“Ele destruiu vários ursinhos da minha neta, vive comendo tiras nas sandálias e botas, tive que costurá-los todos. Ele consegue acabar com um cabide quase todos os dias. Tenho certeza que ele gosta de ouvi-los quebrar. Nada esta seguro nas bancadas da cozinha e você não pode ficar tranquilo achando que ele não pode chegar lá – porque ele pode. A quantidade de vezes que me virei para pegar algo e descobri que uma fatia de torrada, ou meu sanduíche haviam desaparecido. Escondemos coisas no micro-ondas, no forno e na lixeira”, conta a tutora.

Foto: Joy Loft
Foto: Joy Loft

Porridge também adora procurar lanches – e até engoliu garrafas de refrigerantes, embalagens de leite e caixas de cereal. Joy diz que tem uma maneira única de lidar com o comportamento dele: “Meu mantra é um grito de pânico e depois ‘Porridge, seu pequeno safado. Devolva!’. E então tento encurralá-lo, geralmente no final do jardim ou na varanda, dependendo do clima – e eu tento abrir suas mandíbulas, enquanto luto com ele e tento recuperar o que ele encontrou e reivindicou como sendo dele”

Às vezes, o cachorrinho arteiro resgatado se mete em perigos reais, colocando a coisa errada na boca: “Ele tentou se matar comendo uma caixa de veneno de rato que eu tinha esquecido que tínhamos”, lembra Joy. “Ele encontrou a sacola na parte de trás da despensa enquanto eu fazia arroz”.

“Meu filho e eu passamos as duas horas seguintes e gastamos mais de 300 libras nos veterinários com ele – fazendo com que ele vomitasse. Estávamos até tentando economizar um pouco com comida, cozinhando nosso próprio arroz”.

Foto: Joy Loft
Foto: Joy Loft

Mas esse filhote irrequieto tem uma séria fraqueza quando se trata da neta de Joy, Alex. Na verdade, ele é completamente apaixonado pela menina de cinco anos.

“Ela tinha apenas três anos quando o pegamos, e eu não sei se é porque ela é pequena em tamanho ou jovem, mas ele apenas sabe que precisa ter cuidado com ela. Alex sempre quer sentar na mesma cadeira que ele no café da manhã. Ela puxa e empurra comida para ele, enfia a mão na boca dele para tentar recuperar seus brinquedos – e Porridge não faz nada. Ele a deixa fazer qualquer coisa. E quando ela fica doente. Ele fica grudado nela”.

Foto: Joy Loft
Foto: Joy Loft

Joy diz que, quando descobre que algo foi pego por Porridge, ela solta um suspiro profundo. E não há espaço seguro – ele até aprendeu a abrir com o portão infantil no quarto dela. “Ele aprendeu que, se pressionasse para cima e para baixo, no lugar certo, poderia abri-lo”, explica Joy. “Eu sei quando ele está lá, porque eu posso ouvi-lo atacando meus travesseiros – e quando ele sai, ele está sempre abanando o rabo, e eu fico com uma cama desarrumada!”.

Foto: Joy Loft
Foto: Joy Loft

Joy diz que, apesar de tudo, ela ama Porridge, porque “é isso que você faz quando tem um cachorro. Li em algum lugar que um cachorro faz parte de nossas vidas, mas somos toda a vida deles. Algo parecido”.

“Se você vai começar a brigar com ele porque seu cachorro mastigou alguma coisa ou fez cocô na casa – não tenha um. Trato isso como um risco ocupacional. E certamente nem tudo é destruição”. Porridge acrescenta muito amor e companheirismo à vida de Joy – e ela não o trocaria por nada no mundo. “Quando me sento com uma xícara de chá, ele me olha até eu me sentar e ele poder se aconchegar comigo”. As informações são do METRO UK.

Foto: Joy Loft
Foto: Joy Loft

Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


 

​Read More
Notícias

Coala atropelado e arrastado em rodovia sobrevive e se recupera bem

Após ser atingido por um carro e arrastado em alta velocidade na estrada movimentada por quilômetros, o animal surpreendeu os cuidadores do hospital com uma rápida recuperação


 

A jovem coala de três anos chamada de Wazza | Foto: Hospital Veterinário Port Macquarie Koala
A jovem coala de três anos chamada de Wazza | Foto: Hospital Veterinário Port Macquarie Koala

A jovem coala estava tentando atravessar a rodovia Pacific Highway, ao norte de Kempsey, na costa norte de New South Wales, na Austrália, quando foi atropelada por um carro e ficou presa na grade de seu para-choque frontal.

Cheyne Flanagan, diretora clínica do Hospital Veterinário Port Macquarie Koala, disse que quando ouviu a equipe de socorro descrever que havia acontecido, esperava que o animal estivesse gravemente ferido.

“Não tenho certeza se o motorista sabia que a havia atingido ou não”, disse Flanagan.

“Ela foi arrastada por cerca de 10 km ao longo da estrada, com as pernas traseiras penduradas”.

Apesar do impacto, velocidade e distância, a coala conseguiu se libertar quando o motorista parou. Ao perceber o que havia acontecido, ele ligou para o hospital de animais imediatamente.

“Ele parou o carro, a coala pulou (fora da grade) e subiu correndo em uma árvore”, disse Flanagan.

“Eu já vi ferimentos em coalas arrastados por veículos antes, e é uma situação horrível, mas quando pegamos o animal e começamos a lidar com ela, não era tão ruim quanto pensávamos”.

Foto: Hospital Veterinário Port Macquarie Koala
Foto: Hospital Veterinário Port Macquarie Koala

“Acho que ela gastou meia dúzia de vidas nesse acidente”, acrescentou a diretora, “Uma onda de adrenalina e hormônios”.

Flanagan disse que a coala sofreu algumas queimaduras de fricção relativamente pequenas na parte inferior das pernas traseiras.

“Havia o que você chamaria de erupção cutânea severa, mas não quebrou nenhum osso ou qualquer coisa parecida”, disse ela.

“Ela ficou com a pele arranhada em muitos lugares e um pouco dos músculos ficaram a mostra, mas nenhum tendão foi exposto”.

“Poderia ter sido horrível – ela poderia ter perdido os pés”.

O diretor clínico assistente do hospital veterinário, Scott Castle, disse que a jovem coala surpreendeu a todos: “Não houve danos graves na cabeça, no cérebro ou no corpo, além do que, simplesmente sair do para-choque e subir em uma árvore – é sinal de que nada de grave tinha acontecido com ela”, disse ele.

Flanagan disse que a resposta de luta (defesa) ou fuga da coala provavelmente levou à sua subida imediata na árvore: “Puro medo – quero dizer, ela ficou apavorada ao ser arrastada pela Pacific Highway”.

“Coalas, cangurus e todos os tipos de animais quando são atingidos e sentem dor e medo, eles recebem essa grande onda de hormônios do estresse e adrenalina.

Descansando e se recuperando bem

A coala, chamada de Wazza, tinha apenas três anos de idade.

Ela está sob os cuidados da equipe do hospital veterinário desde o acidente, há uma semana e meia.

Os curativos das pernas e pés foram removidas e ela foi transferida da unidade de terapia intensiva para um dos pátios externos do hospital para poder se movimentar livremente.

Foto: Hospital Veterinário Port Macquarie Koala
Foto: Hospital Veterinário Port Macquarie Koala

“O grande problema é onde devemos libertá-la – não há muitas árvores no local de onde ela veio”, disse Flanagan.

“Quando pegamos um coala, tentamos colocá-la de volta em um raio de 500 metros do ponto de captura”.

“Eles têm territórios domésticos e, se você tentar colocá-los em qualquer lugar longe deles, eles voltarão para eles, e depois terão que enfrentar novamente os carros, o tráfego e as cercas, correndo perigo”.

Motoristas são alertados a tomar cuidado na época reprodutiva.

Flanagan pediu aos motoristas que tomem cuidado com os coalas, porque eles se tornam muito ativos agora que a época de reprodução já começou: “Por favor, tenha cuidado, observe quando estiver em qualquer lugar onde haja vegetação e examine os lados das estradas para garantir que não haja vida selvagem”.

“Tivemos muitos atropelamentos recentemente”, disse ela, “Temos outro que chegou esta manhã de Crescent Head que foi atingido durante a noite – ele não parece muito bem”.

“Com veículos motorizados, ataques de cães e coisas assim, é muito difícil que eles escapem ilesos. Muitas vezes, eles vêm aqui com lesões muito avançadas, mas fazemos o que podemos”.

Flanagan disse que os números de coalas estão em sério declínio em NSW (New South Wales) e Queensland: “A parte mais difícil é que 90% dos coalas atingidos por carros ou atacados por cães tendem a ser animais realmente saudáveis, porque estão se movimentando mais”.

“Então essa é a perda de uma vida e isso é simplesmente horrível”, concluiu ela.

Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como
esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


 

​Read More
Notícias

Mulher reencontra cadela perdida há 3 anos

(Foto: Divulgação)
(Foto: Divulgação)

Uma senhora de Wellington, na Flórida (EUA), pode finalmente se reunir com sua cadela Olivia, depois de mais de 3 anos de separação.

Patty Corbat contou à emissora “WPTV” que o animal de 11 anos se perdeu após sair com uma “babá canina”, e que, por mais que pessoas tivessem visto a cadela algumas vezes na região, nunca conseguiram resgatar e levar o animal de volta para a família. “Já tinha desistido dela”, contou Patty.

No entanto, Carol Chapius, dona da clínica veterinária Pet Heaven, avistou Olivia conseguiu atrair o animal assustado, que estava a pouco mais de 12 km da casa da antiga tutora, e pode finalmente ligar para Patty para dar as boas notícias. “As pessoas viram a cachorra por anos, mas ninguém conseguia pegá-la”, relatou Carol.

Apesar do receio da tutora de que a cadela não se lembraria dela, Olivia saltou da van onde estava e foi para os braços de Corbat. Carol sublinhou que uma das principais razões que ajudaram na identificação do animal foi o microchip no peito da cadela.

Fonte: Surgiu

​Read More
Você é o Repórter

Pit bull muito dócil aguarda uma nova família em SP

Graziela Torres Blanch
grazi.equipepitcao@gmail.com

Ela se chama MUCKY , é de cor caramelo com o peito branco, tem quatro anos. Ela não era minha, o ex-“tutor” dela batia muito nela, chutava, a deixava sem comer, enfim a maltratava e quando ele se mudou a deixou sozinha, então eu e meu marido a resgatamos em São Paulo (SP).

Mucky tinha 1 ano, então fazem 3 anos que eu estou com ela, depois que eu a resgatei, ela ficou um pouco arisca, desconfiada das pessoas ao seu redor por causa dos maus-tratos que sofria, então quem adota-la tem que ganhar sua confiança, mas não é difícil, pois uma amiga passou uma semana na minha casa e no segundo dia já estava no quintal com a Mucky deitada aos seus pés brincando.

Ela é muito inteligente, um ótimo cão de guarda, nunca tive problema com meus filhos, pois tenho uma menina de 6 anos que sempre brincou com ela, dava comida, água, me ajudava a dar banho, brincava de bola com ela, e nem com meu bebê, pois eu o deixava no carrinho no quintal para lavar roupas a Mucky ficava deitada ao lado, sem problemas e também não tive problemas com outros cães, fiquei com uma labradora de rua 4 meses até encontrar um lar para ela e também com um lhasa  apso da minha sogra.

Enfim, ela é uma boa cachorra, e muito obediente, quero um lugar bacana, com pessoas legais que de muito carinho para ela. É com muita dor no coração que tomo essa atitude! Será doada CASTRADA!

Contato: Thais – thaismansani@yahoo.com.br

​Read More