• Home
  • Fazendeiros ganham apoio para converter produção de laticínios em empreendimentos veganos

Fazendeiros ganham apoio para converter produção de laticínios em empreendimentos veganos

0 comments

Pixabay

O projeto Refarm’d está ajudando ex-produtores de leite a reverterem seus negócios para alternativas livres de crueldade contra animais oferecendo treinamento e apoio. Durante a transição, todos os animais explorados pela fazenda são encaminhados para santuários ou continuam vivendo no mesmo local, mas livres da escravidão, e passam seus últimos dias ao lado de seus companheiros e núcleos sociais.

A CEO da Refarm’d, Geraldine Starke, acredita há formas sustentáveis de empreender sem abusar de animais. “Eu percebi há dois anos que fazendas de carnes e laticínios são os lugares perfeitos para se tornar santuários. Eles já têm os animais, a terra e as estruturas, bem como as pessoas que sabem cuidar deles diariamente. As fazendas que se tornam santuários evitam a necessidade de despachar animais em vários santuários e muitas vezes separam os rebanhos”, disse.

Ela completa apontando ainda que isso “[evita] a necessidade de usar mais recursos, como obter novas terras e é uma transição que pode, portanto, ser rápida. Mais importante, isso tem um impacto direto na exploração animal, porque cada fazenda que muda para um santuário é uma fazenda a menos que traz novas vidas ao mundo”, acrescentou.

A produção de leite vegano fornece estrutura e renda necessária para que pecuaristas façam a transição para modelos livres de exploração animal. Converter fazendas em santuários permite dar continuidade ao cuidado com os animais, manter a manutenção das fazendas e sem fazer mal a nenhum ser indefeso, adotando um modelo de negócios ético e sustentável.

O Refarm’d fornece equipamentos e treinamentos gratuitos. “Queremos facilitar o risco, o investimento e o investimento para que eles façam a mudança. Trabalhamos com um período de teste de três meses que permite testar nosso modelo antes de se comprometer a longo prazo. Os agricultores estão sob contrato e os animais estão legalmente protegidos”, disse Starke.

E completa: “Desenvolver a comunidade local [e] produzir alimentos frescos de qualidade é muito importante para mim” , disse ela. “É importante mostrar que o novo mundo baseado em vegetais para o qual estamos caminhando não é apenas feito de carne cultivada em laboratório, mas também de alimentos artesanais e de qualidade”, concluiu a empresária e ativista.


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


 

About the Author

Follow me


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

{"email":"Email address invalid","url":"Website address invalid","required":"Required field missing"}
>