• Home
  • Uma cozinha vegana na floresta africana alimenta uma unidade feminina de combate à caça

Uma cozinha vegana na floresta africana alimenta uma unidade feminina de combate à caça

0 comments

Divulgação

No vale do Zambeze, no Zimbábue, a primeira unidade feminina do mundo contra a caça, chamada Akashinga, é alimentada por comida vegana e está prosperando.

A unidade dirigida pela comunidade – parte da Fundação Internacional Contra a Caça Furtiva (IAPF), fundada pelo ex-atirador Damien Mander – protege a terra e sua vida selvagem dos caçadores.

Mander e as mulheres Akashinga foram recentemente o tema de “Akashinga: The Brave Ones”, de 2020, um documentário produzido pelo diretor vencedor do Oscar James Cameron.

A unidade é completamente baseada em vegetais; todos são alimentados pela cozinha e jardim veganos Akashinga Back to Black Roots, administrada por Nicola Kagoro, também conhecido como Chef Cola.

Financiada pela VegFund desde 2018, a cozinha serviu mais de 54.000 refeições em 2019. Esse número deve crescer significativamente nos próximos anos – a IAPF pretende expandir sua unidade em 2025 para 1.000 guardas florestais. Atualmente, possui 171 guardas florestais, funcionários e estagiários.

De volta ao Black Roots, a cozinha prepara refeições saborosas e nutritivas para os funcionários do Akashinga, usando alimentos tradicionais de origem local e, devido à sua localização na floresta, sem eletricidade.

À medida que cresce, a cozinha usa mais ferramentas e tecnologias de baixo impacto. Ela planeja ter um pomar de frutas frescas e até pretende construir uma cabana para cultivar cogumelos.

Um dos principais objetivos da cozinha é incentivar dietas africanas mais tradicionais, daí o nome “Back to Black Roots”.

Durante séculos antes da colonização europeia, pessoas de muitos países africanos fizeram predominantemente refeições vegetarianas. A chef Cola quer incentivar uma mudança para esse modo de comer, não apenas para beneficiar os guardas florestais, mas também para os fornecedores locais de alimentos.

Ela disse ao VegFund: “Usamos muitos grãos secos misturados com produtos frescos, vegetais e frutas. O foco no fornecimento é capacitar a comunidade local e apoiar pequenos empreendedores (que podem ter fazendas de bananas ou hortas). ”

Outro objetivo da cozinha é ensinar sobre os benefícios ambientais, éticos e de saúde da vida baseada em plantas.

A chef Cola foi educada no Centro T. Colin Campbell de Estudos Nutricionais da Universidade de Cornell. O Dr. T. Colin Campbell, autor do livro de 2004 “The China Study”, é um dos principais médicos do movimento baseado em vegetais.

Ela disse: “Eu peguei esse conhecimento e o compartilhei com minha equipe. Todos nós internalizamos e continuamos a fazer referência ao Dr. T. Colin Campbell em nossa cozinha e jardim. ”


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


 

About the Author

Follow me


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

{"email":"Email address invalid","url":"Website address invalid","required":"Required field missing"}
>