• Home
  • Em quarentena, pessoas usam tempo em casa para dar lar temporário a animais

Em quarentena, pessoas usam tempo em casa para dar lar temporário a animais

1 comments

A quarentena imposta pelo coronavírus fez com que algumas pessoas decidissem oferecer lar temporário para animais abandonados, aproveitando de maneira útil e solidária o tempo em casa.

Como estabelecimentos que abrigam animais estão fechados por conta do isolamento social, voluntários da proteção animal afirmam que o aumento do interesse das pessoas em dar lar temporário aos cães e gatos surgiu em boa hora.

Agnes encontrou um novo lar (Foto: Arquivo pessoal)

“O lar temporário é fundamental para que o animal possa ter um ambiente acolhedor, com atenção a ele, até que uma família o adote em definitivo”, explicou ao G1 a médica veterinária Silvana Mendes.

E foi durante a quarentena que o assessor jurídico Italo Chiodelli, de 29 anos, decidiu se tornar uma dessas pessoas que oferece lar temporário a animais. Com uma rotina atarefada, ele não tinha tempo para isso antes. No entanto, agora que passou a trabalhar em casa com a namorada, a cadela Agnes ganhou um lugar para ficar provisoriamente.

“Nós sempre gostamos muito de animais. Com os dois em home office, pudemos fazer isso”, afirmou. Agnes ficou com o casal por quase um mês, até que foi adotada.

Ítalo contou que a boa ação beneficia não só o animal, mas também quem abre as portas de sua casa. Segundo ele, a companhia de Agnes o ajudou a enfrentar a ansiedade causada pela pandemia.

Tom no lar temporário (Foto: Arquivo pessoal)

“Nós estávamos há uma semana fechados em casa, muito abalados. Fizemos o lar temporário a princípio para ajudar a Agnes, mas a verdade é que ela nos ajudou”, disse.

Decididos a encontrar um lar definitivo para a cadela, os dois fizeram fotos de Agnes e divulgaram com frases motivacionais.

“Fizemos algumas imagens descontraídas para postar nas redes sociais e ajudá-la a ser adotada. Assim, também passamos uma mensagem legal para quem está aflito”, contou Ítalo.

A estudante de Ciências Sociais Julia Maia, de 21 anos, também decidiu ajudar um animal, junto de seu namorado. Ela viajou de São Paulo para Curitiba, no Paraná, para passar um final de semana na casa do companheiro. Porém, com o surgimento dos primeiros casos de Covid-19, ela acabou não retornando para a sua cidade.

“Vim passar uns dias e acabei ficando para a quarentena toda”, disse ao G1. O tempo livre casou com a vontade de ajudar e, assim, o cachorro Tom encontrou um lar temporário.

Agnes foi adotada após ficar quase um mês em lar temporário (Foto: Arquivo pessoal)

“Nós moramos longe um do outro. Hoje não podemos ter um cachorro, mas aproveitamos este momento para adotar temporariamente um”, contou. O animal ficou na casa do namorado de Julia por algumas semanas e deixou o clima mais leve.

“A presença dele dinamizou a nossa vida. Deu uma esperança em um momento cheio de incertezas”, afirmou. E com a ajuda do casal, Tom foi adotado. “É um cachorro que estava na rua e graças à nossa ajuda está mais próximo de um lar”, disse.

A estudante de medicina Marina Nanni sempre quis adotar um cachorro, mas mora com amigos e um deles não quer ter um animal. No entanto, com a chegada do coronavírus ao Brasil, as aulas da Universidade Federal do Paraná (UFPR) foram suspensas e o amigo dela retornou temporariamente para a casa da família. Marina, então, aproveitou a situação e já está no segundo lar temporário.

“É muito bom, porque muda a dinâmica da casa, ajuda a manter uma rotina nos cuidados a ele. É uma alegria pro nosso dia a dia”, disse Marina.

Marina e o cão Remy (Foto: Arquivo pessoal)

Remy, o primeiro cão a ser abrigado pela estudante, foi adotado 15 dias depois de chegar na casa de Marina. O segundo ainda aguarda por uma família no lar temporário oferecido por ela.

“A gente se apega, é um pouco difícil quando eles vão embora. Por outro lado, é muito bom saber que eles vão ter uma nova família”, completou.

Requisitos para oferecer lar temporário

A pessoa que pretende oferecer lar temporário a um animal abandonado precisa ter um espaço confortável para abrigá-lo, além de uma casa ou apartamento sem acesso à rua. No caso dos gatos, esse acesso pode ser limitado pelo uso de telas nas janelas ou quintais.

Grupos de proteção animal costumam orientar a pessoa para que ela faça adaptações na casa, caso necessário, para receber o cachorro ou gato.

Julia, seu namorado e o cachorro Tom (Foto: Arquivo pessoal)

É importante também que a pessoa esteja ciente que a adoção pode acontecer rapidamente, como pode demorar. Com exceção de casos em que entidades e protetores buscam lares temporários com tempo pré-determinado para acabar, a situação costuma ser imprevisível. E é preciso lembrar que o animal é um ser senciente que deve ser tratado com responsabilidade.

Veja abaixo uma lista de entidades que buscam pessoas para oferecer lar temporário. Clique nos nomes das ONGs para ser direcionado às redes sociais de cada uma delas.


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


About the Author

Follow me


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  1. vo recebe uma cadela aqui em casa por 10 dias so pare ela recupera da cerugia de castracao pq a pessoa q esta com ela trabalha e nao pode vigia ela para os filhote dela nao mana pq eles ja esta na hora de desmama

{"email":"Email address invalid","url":"Website address invalid","required":"Required field missing"}
>