• Home
  • Máscaras podem sufocar e causar incômodo em cães e gatos

Máscaras podem sufocar e causar incômodo em cães e gatos

0 comments

medium short-coated white and black dog leaning on window
Unsplash

A pandemia de coronavírus já infectou mais de 200 mil pessoas em todo mundo. Pelo menos 500 milhões de pessoas estão em estado de confinamento e uma das maiores preocupações de família que tutelam animais é zelar pela saúde e segurança de seus amigos de quatro patas.

Para auxiliar este momento extremamente sensível e crítico para o planeta, a ONG People for the Ethical Treatment of Animals (PETA) alerta que cães e gatos devem ser mantidos em ambientes higienizados e merecem os mesmos cuidados que os seres humanos, mas que o uso de máscaras em animais domésticos, pode ser mais prejudicial que benéfico.

Segundo a ONG, máscaras podem causar incômodo, estresse, facilitam acidentes e causam extremo incômodo em cães e gatos. A PETA pede ainda que os tutores permitam que os animais circulem livremente pela quase no período de quarentena e sejam isolados ou aprisionados, pois isso pode causar ansiedade e traumas psicológicos.

A organização reforça que cães e gatos não transmitem coronavírus, mas que o vírus pode sim ficar seus pêlos, assim como fica em qualquer superfície. Então, é fundamental que qualquer pessoa infectada evite tocar em cães, gatos e outros animais sem tomar precauções.

Animais trazem grande conforto, acolhimento e carinho para suas famílias e seu amor incondicional pode ser fundamental para a superação desse momento tão difícil. A cantora Ariana Grande e o ator Arnold Schwarzenegger usaram suas redes sociais para compartilhar fotos aos lados de seus animais domésticos.

Nota da Redação: Cães e gatos não pegam nem transmitem o covid-19. Eles podem apenas pegar as versões canina e felina do coronavírus que não são transmissíveis aos humanos, segundo o que  atestam veterinários do mundo todo. O cão de Hong Kong que a princípio mostrou em exames ter “vestigíos” do covid-19, morreu dois dias depois de ser constatado, por meio de testes mais complexos, que ele não portava o coronavírus humano. Ele era um cão idoso, com 17 anos, e os próprios especialistas de Hong Kong declararam que ele deve ter morrido devido ao estresse causado pela distância da família durante a quarentena. No entanto, tutores infectados com convid-19 devem delegar os cuidados aos seus animais a outras pessoas e, se isso não for possível, usar álcool gel antes de acariciar seus cães e gatos, pois, pode haver uma contaminação superficial do pelo desses animais do mesmo modo que haveria num corrimão de escada, por exemplo. A ANDA tem se preocupado em passar as informações corretas, com embasamento da OMS – Organização Mundial da Saúde e de veterinários, a fim de evitar abandono e maus-tratos. Colabore também disseminando as informações corretas!


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


 

About the Author

Follow me


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

{"email":"Email address invalid","url":"Website address invalid","required":"Required field missing"}
>