• Home
  • Estudo revela perfil de agressores de animais no Rio Grande do Sul

Estudo revela perfil de agressores de animais no Rio Grande do Sul

0 comments

Um estudo feito pela médica veterinária Gisele Kronhardt Scheffer, durante sua graduação em Direito na Faculdade Estácio, traçou o perfil dos agressores de animais no Rio Grande do Sul.
Homens entre 20 e 40 anos lideram a lista dos principais responsáveis por casos de abandono e violência contra animais. Scheffer analisou as características e motivações dos crimes praticados, entrevistando 380 pessoas entre médicos veterinários, protetores de animais e ONGs.
Foto: Pixabay
De acordo com o estudo, os cachorros são as principais vítimas do abandono, sendo atendidos por 88% dos veterinários, enquanto os gatos e outras espécies correspondem a menos de 7%. Os motivos que levaram os tutores a praticar o cruel e injustificável abandono são, entre outros: doenças, ferimentos, velhice, gravidez, comportamento indesejado, deficiência, cadela explorada para reprodução e venda sendo descartada, compra por impulso e até perda de interesse.
Em relação aos maus-tratos, 56,3% dos entrevistados socorreu animais que têm lar, enquanto 37,7% prestou atendimento a animais em situação de rua. As informações são do Jornal do Comércio.
A pesquisa investigou também qual é a violência mais praticada por cada gênero. No caso dos homens, 63,3% deles cometeram espancamento, outros 62,8% privaram o animal de atendimento veterinário e 49,3% acumularam animais, privando-os de bem-estar.
As violências mais frequentes praticadas por mulheres contra animais, segundo o estudo, foram: acumulação, com 64,2%, seguida de privação de atendimento veterinário, com 61,9% e privação de água e alimento, com 41%. A pesquisa reconheceu 75% dos perfis como gênero masculino e 25% como feminino.
De acordo com o levantamento, a maior causa de agressões foi “negligência ou ignorância em relação ao bem-estar do animal”, com 69,6%. “O animal foi desobediente” teve um percentual de 28% no que se refere às motivações dos maus-tratos. Outras razões identificadas pelo estudo foram: “o animal mordeu ou ameaçou morder o autor ou um familiar” (20,1%), “o animal pertencia a um desafeto do autor” (19,1%), “surto de embriaguez/drogadição do autor” (16,2%) “briga em família, com agressão a pessoas e ao animal” (13,7%), dentre outras.

Crime

Maltratar animais é crime previsto na Lei de Crimes Ambientais e tem como punição até um ano de detenção, além de multa. A pena pode ser aumentada em caso de morte do animal.

Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


About the Author

Follow me


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

{"email":"Email address invalid","url":"Website address invalid","required":"Required field missing"}
>