• Home
  • Caçadores de troféu pagam milhares de dólares para matar girafas ameaçadas de extinção

Caçadores de troféu pagam milhares de dólares para matar girafas ameaçadas de extinção

1 comments

Charlie Reynolds, à direita, matou uma jovem girafa em uma viagem organizada por Umlilo Safaris da África do Sul | Foto: Facebook/Reprodução
Charlie Reynolds, à direita, matou uma jovem girafa em uma viagem organizada por Umlilo Safaris da África do Sul | Foto: Facebook/Reprodução

Em Glastonbury, na Inglaterra, uma empresa de ex-caçadores de troféu agenda viagens de férias em que os caçadores pagam para matar espécies ameaçadas, incluindo macacos, elefantes, girafas e zebras.

Uma reportagem do jornal The Mirror revelou no início deste mês que os caçadores de troféu chegam a pagar ao ProStalk (empresa de caça) £1.666 (cerca de 8 mil reais) extras para atirar em uma girafa, £6.422 (em trono de 31 mil reais) para um hipopótamo ou £47 para macacos.

O esporte assassino foi recentemente colocado em foco com a reunião da CITES onde delegados de 180 países se reuniram em Genebra para analisar propostas com o objetivo de proteger animais ameaçados.

Atualmente, não existem regras no comércio internacional que protejam as girafas, o que significa que os troféus podem ser exportados e importados sem verificação ou controle alguns.

Mas uma proposta apresentada por seis nações africanas pede que os registros sejam mantidos – o que significaria que o “esporte” pelo menos teria que ser monitorado.

Charlie Reynolds é um dos vários caçadores que caçam e matam girafas por prazer – mas ele afirma estar fazendo um “favor” à natureza.

O caçador disse ao The Times como ele seguiu uma jovem girafa ao redor de uma fazenda no Cabo Oriental da África do Sul por um dia inteiro antes de matá-la com um único tiro na cabeça.

“Ele estava morto antes de atingir o solo”, descreveu Reynolds, que disse estar “muito orgulhoso” de ter matado o animal em 2014, o que lhe custou 500 libras.

Zâmbia está permitindo que caçadores de troféus doentes matem milhares de seus hipopótamos | Foto: Facebook/Reprodução
Zâmbia está permitindo que caçadores de troféus doentes matem milhares de seus hipopótamos | Foto: Facebook/Reprodução

Ele realizou o “feito” em uma viagem organizada pela Umlilo Safaris, uma empresa sul-africana que oferece “caças de troféus” e “caçadas de manejo” para atirar em espécies ameaçadas, como elefantes, rinocerontes, leopardos e leões.

Caça e perda de habitat contribuíram para o número de girafas caísse cerca de 40% para 97 mil em 2016 – mas Reynolds diz que os ativistas não entendem.

O caçador disse: “Eles veem uma foto e pensam: ‘Ele é uma pessoa cruel e horrível’.”

“Se eles parassem a caça, não haveria animais selvagens na África.”

A afirmação vem depois que foi revelado que a Zâmbia poderia ganhar milhões ao permitir que caçadores de troféus abatessem milhares de hipopótamos no país.

A Zâmbia diz que a matança em massa está sendo realizada para controlar a população de hipopótamos no Vale de Luangwa, no leste da nação africana.

Mas a morte dos animais tem sido descrita como um “movimento cínico” por funcionários famintos por dinheiro.

Ontem, a namorada do primeiro ministro britânico Boris Johnson, Carrie Symonds, condenou os “cruéis” caçadores de troféus.

Falando na Birdfair, ela disse: “Um troféu é para ser um prêmio. Algo que você ganha se tiver alcançado algo de mérito que exija muita habilidade e talento”.

“A caça ao troféu é o oposto disso. É cruel, é doente, e é um ato covarde”.

Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


 

About the Author

Follow me


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  1. Pessoas como estas são seres inferiores de muito pouca evolução natural. Infelizmente estão encarnados neste plano terreno para apenas satisfazer a sua vaidade. Porque não têm tempo para fazer o bem e ajudar o próximo fazendo caridade? Mas existe uma lei imutável que é a lei do retorno e a velhice chega para todo mundo, bem como o arrependimento. O maior julgamento de uma pessoa é sua própria consciência, as pessoas pagam por suas ações mais cedo ou mais tarde. Como? Uma doença incurável, uma tragédia em família, um acidente, a perda de um ente querido, uma falência pessoal. Aqui se faz aqui se paga. A dor de um remorso consome as entranhas do ser.
    Aliado a esta caça ilegal está a corrupção e o poder do dinheiro.

{"email":"Email address invalid","url":"Website address invalid","required":"Required field missing"}
>