• Home
  • Mais de 100 países votam a favor de proteções internacionais para as girafas na CITES

Mais de 100 países votam a favor de proteções internacionais para as girafas na CITES

0 comments

Girafas na reserva de Masai Mara no Quênia | FOTO: REUTERS/Goran Tomasevic/File Photo
Girafas na reserva de Masai Mara no Quênia | FOTO: REUTERS/Goran Tomasevic/File Photo

Países membros da convenção votaram em peso na quinta-feira a favor de medidas de combate ao tráfico internacional de girafas, uma espécie em extinção, superando as objeções colocadas por estados da África Austral e recebendo elogios de conservacionistas.

Dessa forma o animal mais alto do mundo ganhou mais proteções depois que nações do mundo apoiaram o fim do comércio internacional não regulamentado de partes do corpo das girafas.

A decisão provisória, tomada em um comitê chave da Convenção sobre o Comércio Internacional de Espécies Ameaçadas de Extinção (CITES), deverá ser aprovada em uma plenária na próxima semana, disseram autoridades. Os requisitos entrariam em vigor 30 dias depois.

“Estamos falando de algumas dezenas de milhares de girafas e conversamos sobre algumas centenas de milhares de elefantes africanos. Então, precisamos ter cuidado”, disse ele.

Cerca de 106 membros do tratado de conservação da vida selvagem, apoiado pela ONU, votaram a favor da moção, 21 votaram contra e 7 abstenções, disse o presidente, acrescentando: “A proposta foi aceita.”

Ativistas da vida selvagem saudaram a decisão de listar nove espécies de girafas no Anexo II da CITES, medida que dá mais proteção à espécie. A vitória veio após a derrota de uma moção do Botswana e outros países do sul da África para excluir suas populações de girafas de qualquer regulamentação.

As girafas enfrentam “uma extinção silenciosa”, informou o Conselho de Defesa dos Recursos Naturais, um grupo de conservação, em um comunicado.

Existem nove subespécies de girafa. Algumas, como a girafa núbia, estão à beira da extinção com apenas algumas centenas de indivíduos restantes no mundo. A maior população, a girafa Masai, caiu para 35 mil animais nos últimos 30 anos. No entanto, algumas outras populações significativas, como as da África do Sul, estão aumentando. As novas medidas não proíbem o comércio internacional, mas exigirão autorizações rígidas e fornecerão dados vitais sobre a extensão global do comércio.

“Ao colocar limites estritos ao comércio em partes de girafas, os países membros da CITES reconheceram que o comércio descontrolado poderia ameaçar a sobrevivência das girafas”, disse Elly Pepper, do grupo norte-americano. “Graças à decisão de hoje, o comércio internacional de partes de girafa – que inclui tapetes e esculturas ósseas – será rastreado de uma forma que nos permita focar nas tendências problemáticas desse comércio destrutivo e lutar por proteções adicionais”, disse ela.

Existem nove subespécies de girafa. Algumas, como a girafa núbia, estão à beira da extinção com apenas algumas centenas de indivíduos restantes no mundo. A maior população, a girafa Masai, caiu para 35 mil animais nos últimos 30 anos. No entanto, algumas outras populações significativas, como as da África do Sul, estão aumentando. As novas medidas não proíbem o comércio internacional, mas exigirão autorizações rígidas e fornecerão dados vitais sobre a extensão global do comércio.

Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


 

About the Author

Follow me


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

{"email":"Email address invalid","url":"Website address invalid","required":"Required field missing"}
>