• Home
  • Pirarucu é capturado na Amazônia para produção de botas nos EUA

Pirarucu é capturado na Amazônia para produção de botas nos EUA

0 comments

Por David Arioch

Ao longo de nove meses, a doutoranda em ciência da conservação na Universidade de Adelaide, na Austrália, Sarah Heinrich, apurou 154 anúncios no Ebay envolvendo venda de couro de pirarucu.

A matéria-prima é originária do Brasil e diz respeito a 2,8 mil animais que têm seu couro visado pelo mercado de fabricação de botas nos EUA. A realidade pouco conhecida deu origem a um artigo intitulado “Of Cowboys, Fish, and Pangolins”, publicado por Sarah em junho no periódico acadêmico Conservation Science and Practice.

Segundo a autora, todo o couro de pirarucu que ela encontrou sendo comercializado na internet é baseado em peixes capturados no Brasil. Ela explica que o estudo tem o propósito de alertar para a possibilidade de o pirarucu voltar a ser uma espécie ameaçada de extinção.

Em junho, no mês em que a pesquisa foi publicada, durante operação contra pesca e caça ilegais no Mato Grosso, o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) apreendeu 500 toneladas de peixes. Só de pirarucu capturados ilegalmente foram 224 quilos.

De acordo com a organização WWF Brasil, com o aumento da pesca comercial na Amazônia nas últimas décadas, os peixes vêm sofrendo pressão cada vez mais intensa. Isso gera impacto nas populações das principais espécies, como o pirarucu.

“A espécie corre risco de extinção devido à pesca predatória praticada ao longo de muitos anos. A reprodução natural do peixe é insuficiente para repor o número de pirarucus pescados. A exploração não sustentável fez com que o Ibama criasse em 2004 uma Instrução Normativa que regulamenta a pesca do pirarucu na Amazônia, proibindo-a em alguns meses do ano e estabelecendo tamanhos mínimos para pesca e comercialização da espécie”, informa a WWF Brasil.


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


 

About the Author

Follow me


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

{"email":"Email address invalid","url":"Website address invalid","required":"Required field missing"}
>