• Home
  • Crianças aprendizes de toureiro matam 24 bezerros em quatro dias

Crianças aprendizes de toureiro matam 24 bezerros em quatro dias

0 comments

Foto: Pen News
Foto: Pen News

Uma escola de touradas que treina jovens para matar bezerros para entretenimento provocou uma onda enorme de indignação ao fazer adolescentes matarem 24 dos animais indefesos em apenas quatro dias.

O comediante Ricky Gervais se juntou ao coro de indignação e revolta depois que quatro bezerros foram massacrados por jovens como parte de seu “treinamento” de matador no mês passado, por uma entidade que alegava ser a “academia” das escolas de touradas.

Foto: Pen News
Foto: Pen News

Mas agora uma escola em Colmenar Viejo dobrou os números da prática cruel chegando a 24 bezerros indefesos mortos por seus estudantes em apenas quatro dias.

Imagens capturadas por ativistas de Animal Guardians e La Tortura No Es Cultura mostram que os toureiros são claramente adolescentes.

A praça de touros está quase vazia, mas as crianças estão entre os que assistem, com um menino filamando o massacre em seu tablet.

Algumas das crianças mais novas são depois apresentadas mostrando orgulhosamente orelhas arrancadas dos animais moribundos como um troféu de morte.

Marta Esteban, da Animal Guardians, disse que as idades exatas dos pretensos matadores não podiam ser determinadas, mas alguns jovens começam a treinar com apenas 14 anos.

Ela disse: “Eles geralmente começam a matar animais a partir dos 14 anos de idade e geralmente ficam em escolas de touradas até os 18 anos, embora alguns permaneçam até os 21 anos”.

Foto: Pen News
Foto: Pen News

“Este evento viola o direito das crianças e adolescentes de viver em um ambiente livre de violência e é imperativo que algo seja feito a respeito”.

As lutas com bezerros, conhecidas em espanhol como “becerradas”, são consideradas “aulas práticas” pelas escolas de touradas.

Os bezerros costumam ser usados quando matadores inexperientes ou convidados destreinados entram na arena, porque são menos perigosos para os seres humanos.

No entanto, os bezerros sentem mais agudamente a agonia das espadas e das bandarilhas – os que os enfrentam são menos experientes e os golpes são menos prováveis de serem fatais, prolongando a tortura.

Agora, os ativistas estão lançando uma petição internacional para garantir que as lutas contra bezerros sejam proibidas no país.

Foto: Pen News
Foto: Pen News

Carmen Ibarlucea, presidente da La Tortura No Es Cultura, disse: “É inconcebível que esses atos de extrema violência contra os seres sencientes possam ser considerados uma forma de entretenimento”.

“Eles são uma atrocidade e devem ser banidos. Pedimos às pessoas que assinem a nossa petição e escrevam ao conselho da cidade de Colmenar Viejo pedindo o fim destes espetáculos”.

Milhares de touros mortos por ano

Considerada uma tradição na Espanha, em Portugal, no sul da França e em diversos países da América Latina, as touradas resultam na morte de 250 mil por ano, de acordo com informações da Humane Society International.

Segundo David Arioch, na tauromaquia, entretenimento para a plateia, “arte” para o toureiro e terror para o animal, a vítima recebe inúmeros golpes de arpão antes de amargar uma morte lenta e dolorosa diante de uma plateia que inclui crianças. Naturalmente, aqueles que são mais compassivos e que racionalizam as consequências para o touro, podem se perguntar: “O que ensinamos quando endossamos ou aplaudimos a morte de um animal colocado em uma arena contra a sua própria vontade?”

Em nenhuma tourada o animal demonstra qualquer tipo de satisfação ou prazer em estar diante de uma plateia, por vezes barulhenta, e de uma pessoa que, usando um traje que mascara a brutalidade da realidade, qualifica como arte o ato de provocar um animal para que ele reaja, e assim possa dizer que o “venceu” ou o matou porque foi “melhor que o seu adversário”, complementa Arioch.

“Não creio que o animal tenha o ardil de observar o ser humano como adversário ou rival. Essa racionalização é essencialmente humana. Ao animal, o interesse é apenas de se livrar da situação. É por isso que contra-ataca. A ele, a disputa é inexistente. Se demonstra fúria, acredito que não seja na realidade pelo homem por ser homem, mas pelo que o homem provoca e representa movido pela embófia, presunção”, diz o ativista vegano.

“Na tourada é muito comum o touro não reagir quando não há investidas do toureiro, e isto porque o touro não está na arena por opção, mas somente imposição. Os humanos, seja na arena ou na plateia, que são seus algozes, seja por um viés dissimulado ou não”, complementa ele.

Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


 

About the Author

Follow me


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

{"email":"Email address invalid","url":"Website address invalid","required":"Required field missing"}
>