• Home
  • Startup francesa pretende lançar o foie gras livre de crueldade em 2023

Startup francesa pretende lançar o foie gras livre de crueldade em 2023

0 comments

A nova startup francesa de tecnologia de alimentos, Suprême, decifrou o código para criar foie gras (ou patê de fígado de ganso) através do uso da agricultura celular, sem a necessidade cruel e repugnante de alimentar forçadamente patos e gansos até que seus fígados fiquem hipertrofiados.

“Tudo começa por um ovo de pato ou ganso”, descreve a empresa em seu site. “Pegamos algumas células desse ovo e lhes abastecemos com todos os recursos que são necessários para crescer. Finalmente, nós ajustamos a combinação desses nutrientes para replicar naturalmente o efeito da alimentação forçada no nível das células”.

A empresa planeja estrear seus primeiros produtos de foie gras até 2023.“Queremos reinventar a mais controversa delicadeza francesa— foie gras”, disse o fundador da Suprême, Nicolas Morin-Forest.

“Hoje, 67% dos consumidores franceses rejeitam a maneira como é produzido o foie gras.” Além do patê, as startups do setor de carnes baseadas em células estão trabalhando para criar versões livres de morte de muitos produtos animais de considerados de luxo, incluindo o bife japonês wagyu, lagosta e atum rabilho.

Como é feito o foie gras

A produção deste patê tido como “iguaria francesa” é um dos exemplos mais cruéis de exploração e violência contra os animais. Para arrancar o fígado de patos e gansos e fazer o famigerado prato, os exploradores primeiro precisam deixar o órgão doente e hiperatrofiado para isso as aves são engordadas de maneira forçada, várias vezes por dia, tendo um tubo de metal de 20 a 30 centímetros enfiado na garganta até o estômago.

A ave tem de que engolir em somente alguns segundos uma quantidade tão grande de milho, que o fígado acaba por atingir praticamente dez vezes o seu tamanho normal, e desenvolve uma doença chamada esteatose hepática.

Pouco após este choque diário da engorda, a ave sofre imediatamente de diarreias e vômitos. Além disso, as dimensões do seu fígado hipertrofiado tornam a respiração difícil e o movimento doloroso.

Se este tratamento continuasse, provocaria a morte dos animais engordados. Mas os executores agem antes e tiram a vida desses animais indefesos. Os mais fracos chegam muitas vezes à sala de matança já moribundos, e outros tantos nem conseguem resistir até lá: a taxa de mortalidade dos patos é de dez a vinte vezes mais elevada durante o período de engorda.

Essa rotina cruel e desumana a que são submetidos esses pobres seres é inaceitável. O boicote desse tipo de alimento é imperioso e além de ser a atitude ética e compassiva correta a ser tomada é uma luta que precisa ser abraçada em favor do bem-estar e das vidas desses animais indefesos.

About the Author

Follow me


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

{"email":"Email address invalid","url":"Website address invalid","required":"Required field missing"}
>