• Home
  • Vinte e seis macacos são resgatados de um laboratório federal nos EUA

Vinte e seis macacos são resgatados de um laboratório federal nos EUA

Um macaco da espécie Saimiri parado em cima de um galho, uma de suas pernas está dobrada e em cima de um galho alto.

0 comments

Vinte e seis macacos da espécie Saimiri foram recentemente resgatados de um laboratório para testes de nicotina da FDA (Food and Drug Administration). Quatro macacos foram mortos durante o estudo e os sobreviventes foram realocados para o santuário Jungle Friends.

Um macaco da espécie Saimiri parado em cima de um galho, uma de suas pernas está dobrada e em cima de um galho alto.
Um macaco Saimiri em cima de um galho. Foto: Wildlife Reserves Singapore

Esta foi a primeira vez que a FDA liberta macacos de seus laboratórios. A medida foi tomada após pressão do grupo de advocacia The White Coat Waste Project (WCWP) e da primatologista mundialmente reconhecida Jane Goodall.

Os macacos, dos quais apenas seis não estavam envolvidos no estudo, foram submetidos a testes no Centro Nacional de Pesquisa Toxicológica, que investigou o papel de vários níveis da nicotina na dependência de adolescentes. O estudo havia começado em 2014.

Três macacos foram mortos devido a complicações com a anestesia, e um devido a um inchaço gástrico, segundo a agência. Em 2016, a WCWP entrou com um pedido com base na Lei de Liberdade de Informação sobre os materiais utilizados no estudo, obtendo 64 páginas de documentos.

Eles eram submetidos a procedimentos dolorosos, entre os quais eram algemados e confinados para que os efeitos da dependência fossem observados. Os efeitos colaterais envolviam vômito e diarréia, entre outros.

Goodall escreveu uma carta aberta ao comissário da FDA, Scott Gottlieb, dizendo que os experimentos eram “cruéis e desnecessários” e que a prática de testes em animais era “vergonhosa”. O estudo foi interrompido e os macacos sobreviventes foram transferidos para o Santuário de Primatas Jungle Friends, na Flórida.

Um macaco Saimiri olhando para cima à direita, folhas de palmeira ao fundo.
Um dos macacos já realocado no santuário Jungle Friends. Foto: (Facebook | Reprodução)

Os congressistas Brendan Boyle e Matt Gaetz pediram ao comissário Gottlieb que tomasse medidas similares quanto às outras instituições americanas que ainda conduzem experimentos em animais.

Dados do Pew Research Center mostram que a maioria dos americanos se opõe aos testes em animais, enquanto o Departamento de Agricultura americano mostra um recorde no número de macacos explorados em testes.

De acordo com uma pesquisa feita pelo Departamento de Agricultura, quase 76 mil macacos foram explorados em experimentos nas Instalações de Pesquisa Animal nos Estados Unidos em 2017. E mais de 34 mil foram mantidos em cativeiro nessas instalações, apesar de não terem sido explorados em experimentos.

“Este é o começo do fim dos experimentos em macacos, graças ao comissário Scott Gottlieb, à Jane Goodall, ao Congresso, ao Jungle Friends, e aos outros 600 mil apoiadores do White Coat Waste Project que trabalharam para salvar a vida destes macacos,” Noelle Callahan, diretora de políticas públicas do WCWP.

O comissário Brendan Boyle instou à FDA para submeter ao Conselho de Saúde Animal uma revisão, redução e substituição dos testes em animais nos laboratórios. O Conselho é uma organização recentemente fundada por Scott Gottlieb para fornecer à FDA uma supervisão mais detalhada.

“O doloroso teste em primatas não tem lugar no século XXI, e eu parabenizo ao FDA por abrir mão dos cruéis experimentos com macacos e enviar os animais a um santuário onde eles possam respirar e viver em paz,” Boyle disse.

“Este é um importante primeiro passo e eu vou continuar pedindo ao FDA e a outras agências federais para acabar com todos os testes em primatas, o que é visto com maus olhos pela maioria dos americanos por ser desumano, ineficaz e ultrapassado.”

About the Author

Follow me


{"email":"Email address invalid","url":"Website address invalid","required":"Required field missing"}
>