• Home
  • Conheça sete alternativas livres de crueldade aos testes em animais

Conheça sete alternativas livres de crueldade aos testes em animais

Agricultura celular promete desenvolver a chamada carne limpe

0 comments

Só em 2016, incontáveis de animais foram explorados em mais de 4 milhões de “procedimentos científicos” no Reino Unido. Infelizmente, não existem muitas burocracias ou legislações para impedir a implementação desses procedimentos de tortura. Porém o surgimento de alternativas a essas práticas apresentam esperança para os defensores dos direitos animais 

Forçar a ingestão produtos químicos tóxicos, amarrar a dispositivos de contenção, obrigar a executar atividades repetitivas por horas a fio e o afastamento de suas famílias são as atrocidades mais recorrentes em laboratórios que realizam testes em animais.

Empresas de cosméticos do mundo inteiro estão sendo convocadas a não realizaram testes químicos em animais.
Todos os animais sentem dor e medo, apesar das diferentes fisiologias, funcionamentos bioquímicos e metabolismos. (Foto: reprodução)

O progresso é o maior objetivo da ciência. Sendo assim, é desejada a adoção de métodos cada vez mais modernos e avançados, capazes de produzir resultados rápidos e precisos. Atualmente, a medicina também tem começado a se importar com os direitos animais, buscando assim diminuir a presença deles nos laboratórios.

Com isso, cientistas estão desenvolvendo uma série de métodos de pesquisa inovadores. Os resultados alcançados são satisfatórios, pois associam o livramento do sofrimento animal à soluções relevantes para o homem.

Essa são algumas pesquisas que utilizam alternativas cruelty-free para salvar vidas: 

Coração

Cientistas de Oxford desenvolveram um programa de computador que testa as diversas formas que medicamentos podem afetar o coração humano. Com quase 90% de precisão, essa alternativa salva animais e possibilita o aumento da eficiência da droga no corpo humano.

Diabetes

Pesquisadores da Glasgow Caledonian University usaram células epiteliais doadas por humanos com diabetes tipo 2 para continuarem estudando a doença. Isso evita que camundongos sejam arbitrariamente contaminados para que a patologia seja estudada a partir de seus tecidos. Os especialistas também utilizaram células humanas para gerar células-tronco, que podem ser transformadas em cérebro, nervos e outras células para uso em pesquisas sobre diabetes.

Doenças Renais

Pesquisadores pioneiros da Universidade de Nottingham desenvolveram uma maneira de detectar a doença renal em humanos usando um exame de ressonância magnética. A novidade permitirá que os pesquisadores aprendam mais sobre a doença e salvará ratos e porcos, comumente utilizados em testes.

Feridas no corpo

Pesquisas sobre cura de feridas geralmente usam camundongos para verificação. Porém, estudiosos da Universidade Queen Mary de Londres criaram uma poderosa ferramenta in vitro que oferece vários avanços tecnológicos. Isso evitará os bárbaros experimentos em que a pele dos animais é aberta ou retirada de suas costas.

Anticorpos

Em vez de injetar moléculas estranhas em animais e esperar que eles produzam anticorpos, pesquisadores da Universidade de Leeds desenvolveram uma nova ferramenta bioquímica chamada de proteínas Affirmer. Essa tecnologia livre de crueldade funciona em paridade com os anticorpos de animais.

Pulmão

O Consórcio Internacional de Ciência da PETA doou um dispositivo de exposição VITROCELL para a Universidade Heriot-Watt de Edimburgo. Este dispositivo está sendo usado para estudar os efeitos de substâncias no tecido pulmonar.

Redução de animais torturados

Milhares de coelhos e ratos poderão ser poupados dos testes de toxicidade química. A novidade é resultado de um sistema de compartilhamento de dados online desenvolvido por pesquisadores da Universidade de York e da SimOmics. O sistema permite que as empresas compartilhem dados da toxicidade de suas formulações , evitando que os animais sofram duas vezes.

Essas novas técnicas são alternativas às dolorosas situações que os animais são submetidos em nome da ciência. O mais animador sobre elas é que serão capazes de salvar vidas animais e humanas ao mesmo tempo.

About the Author

Follow me


{"email":"Email address invalid","url":"Website address invalid","required":"Required field missing"}
>