• Home
  • Cão alvejado por mais de 92 balas de chumbo será sacrificado

Cão alvejado por mais de 92 balas de chumbo será sacrificado

0 comments

Um cachorro que foi resgatado em Vila Verde, Portugal, com mais de 92 balas de chumbo alojadas em seu corpo será sacrificado após todas as alternativas de cura médica terem se esgotado.

Brian será sacrificado para aliviar seu sofrimento (Foto: Reprodução / Facebook / ADAAVV)

Brian, como passou a ser chamado o cão, foi resgatado pela Associação para a Defesa dos Animais e Ambiente de Vila Verde (ADAAVV). Segundo a ONG, o cachorro foi examinado e levado aos melhores especialistas – dentre eles o professor Augusto Matos, da Universidade do Porto e Instituto de Ciências Biomédicas Abel Salazarmas -, mas não foi encontrada uma forma de fazê-lo ter qualidade de vida. Sendo assim, para que não continue sofrendo, a entidade optou pela morte induzida.

Segundo os veterinários, o cachorro tinha múltiplas fraturas em várias partes do corpo – a bacia dele estava completamente destruída – que, apesar dos esforços dos profissionais, seriam impossíveis de serem revertidas com cirurgias. Além disso, ele não conseguia urinar senão com o auxílio de uma sonda e também estava com incontinência fecal.

No dia do resgate, Brian foi encontrado gemendo de dor. Além dos ossos fraturados, ele tinha ferimentos pelos corpo, nos quais haviam larvas que o comiam vivo. Os voluntários da entidade se uniram para pagar pelas consultas médicas com os especialistas e se dedicaram integralmente ao cão. Mas, lamentavelmente, não foi possível salvá-lo.

Em uma publicação feita na rede social da ONG, um texto conta a história de Brian pela perspectiva do cachorro. “Não eram só 92 chumbos… 92 chumbos foi o número em que uma das voluntárias da ADAAVV contou até desistir porque eram demais. Fui vítima da maldade humana. A raça humana é má”, diz o post que segue contando sobre o dia em que o cão foi abandonado, após ter sido covardemente agredido. “Deixaram-me ali. Até ver uma mão estendida para mim. Uma mão para cuidar de mim”, continua.

No texto comovente, o estado de saúde em que o cão foi encontrado é citado, além dos esforços dos voluntários da ONG. “O estado em que ficaram os meus ossos não permite que seja feita qualquer cirurgia. O meu corpo foi destruído. Os voluntários tentaram. Juntaram dinheiro e levaram-me a todos os especialistas que puderam. Fiquei internado até hoje. Até o dia em que não restou um pingo de esperança para o meu corpo que tanto me dói. Nada mais há a fazer por mim. A medicina perdeu hoje toda a esperança em mim. Mas quem tomou conta de mim deu-me esperança para além da medicina”, diz.

A esperança para além da medicina, citada no texto pela voz de Brian, é o descanso que ele só poderia encontrar por meio da morte induzida. Procedimento ao qual ele deve ser submetido ainda hoje (8) no Centro Hospitalar Veterinário do Porto. As informações são do portal Semanário V.

Para que a morte do cão não seja em vão, o texto pede que em nome dele a sociedade se conscientize acerca da necessidade de tratar os animais com cuidado e respeito. “Que a minha partida não seja em vão. Que eu sirva de alerta para os maus-tratos aos animais, que eu sirva de exemplo daquilo que não merecemos! Que não se calem cada vez que assistirem a maus-tratos. Que em meu nome chipem os seus animais. Que em meu nome esterilizem os seus animais. Que em meu nome se grite bem alto que isto não está certo!”, alerta a publicação.

About the Author

Follow me


{"email":"Email address invalid","url":"Website address invalid","required":"Required field missing"}
>