• Home
  • Ativista tenta convencer restaurantes de Nova York a oferecer 50% de opções veganas

Ativista tenta convencer restaurantes de Nova York a oferecer 50% de opções veganas

0 comments

Por Andressa Aricieri/ Redação ANDA – Agência de Notícias de Direitos Animais

Foto: Stephen Yang

Kiki Adami é uma consultora de restaurantes de 28 anos cujo objetivo é “veganizar” todos os restaurantes de Nova Iorque (EUA) e ela está prestando atenção na Bleecker Street. O fato de Greenwhich ter estabelecimentos que comercializam carne como o JG Melon, o Faicco’s e o Murray’s Cheese Shop não irá impedi-la.

“Quero que a rua inteira seja uma Meca vegana. O Great White Way é onde todos os shows da Broadway estão. Quero que seja o Great White Way vegano”, diz a residente de Nova Jersey e vegana há 10 anos.

Adami lançou sua companhia, Veganizer, em 2015, para fazer com que metade dos alimentos oferecidos pelos restaurantes ao redor da cidade seja vegana. Ela também convenceu alguns restaurantes a oferecer noites veganas, incluindo o Pagani, na Bleecker Street. Neste ano ela decidiu focar seus esforços na Bleecker porque a via pública é o lar de alguns restaurantes veganos e a padaria By Chloe. Ela acredita que quando os proprietários dos restaurantes perceberem o sucesso da padaria, irão querer reproduzir suas opções vegetais.

Até agora ela conseguiu convencer outro estabelecimento italiano, o Romagna, a oferecer 50% de opções veganas, segundo matéria do New York Post. Adami está confiante de que isso é só o começo.

“Não tenho nenhuma dúvida na minha mente de que a semente foi plantada”, diz Adami, que não come produtos animais há uma década e abandonou vestuários de couro há seis anos. Entretanto, a maioria dos proprietários de restaurantes do seu bloco alvo duvidam seriamente de que ela seja capaz de convencê-los.

“Estamos abertos há 40 anos e as pessoas vêm de todo mundo para comer paella. Nós não podemos mudar o menu”, diz a proprietária do Cafe Español, Irene Becerril.

Os frequentadores dos restaurantes das ruas agem de maneira similar com os pratos que conhecem e amam. “Veganizar uma rua inteira é absurdo. Variedade faz parte dessa vila “, diz Sealy, uma moradora de 27 anos de Upper West Side.

Adami, ex-diretora de cruzeiros, começou no negócio dos restaurantes trabalhando no GustOrganics, um restaurante na Greenwich Village, a mais ou menos 10 quadras ao norte da Bleecker. Ao abrir, em 2008, Gust serviu uma multidão paleo – pessoas que só comem carne, nozes, sementes e vegetais. Adami começou a trabalhar no local como garçonete em 2010 e chegou à gerência. Em 2015, criou um menu completamente vegano.

“Estava começando a me sentir culpada, sabendo que estava em uma companhia que não estava realmente em linha com a sustentabilidade”, comenta.

Os clientes paleo do restaurante se revoltaram. E-mails e comentários ruins foram deixados no Yelp e os investidores processaram o restaurante por abandonar sua clientela original.

O Gust fechou em 2015. Assim, a cruzada vegana de Adami começou. Ela aborda os restaurantes com a promessa de lucro, mas suas intenções ficam escondidas a princípio.

“Eu nem sequer uso a palavra vegano. Falo sobre dinheiro, negócios e tendências do mercado. Também uso uma roupa muito bonita quando vou conhecer o proprietário… Você usa as ferramentas que tem”, diz.

No final da conversa, ela propõe apenas uma noite vegana assim como fez com Pagani. Depois que é admitida, ela sugere mudanças ainda mais contundentes: fazer com que metade do menu seja vegano.

Se o restaurante entra no jogo, Adami ganha dinheiro, lucra 10% e age como intermediária para os suprimentos de alimentos veganos. O modelo do negócio é como ela e o Veganizer se sustentam.

Adami diz que cinco restaurantes na Bleecker Street e ao redor estão interessados e ela quer mais. Porém, quando a reportagem contatou os proprietários dos estabelecimentos, a maioria disse que não queria desistir de suas opções com carne e queijo.

“A cozinha Georgiana não permite isso”, diz Vasil Chkheidze, proprietário do Old Tbilisi Garden (Bleecker Street 174).

Abi Sharma, proprietário do restaurante indiano Surya (Bleecker Street 154) é ainda mais brusco. “Nosso frango tikka masala paga nossa renda”, afirma.

Porém, Adami não está desencorajada e fala que sua cruzada está apenas começando. Ela também está ajudando a organizar o primeiro jantar vegano no James Beard House neste mês e tem atuado como mentora do Veganizer em Portland, Oregon, Los Angeles, Bruxelas e Toronto.

About the Author

Follow me


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

{"email":"Email address invalid","url":"Website address invalid","required":"Required field missing"}
>