• Home
  • China abre seu primeiro centro de reprodução de orcas

China abre seu primeiro centro de reprodução de orcas

0 comments

Redação ANDA – Agência de Notícias de Direitos Animais

Foto: National Geographic

A China está planejando criar mais orcas para suprir a crescente demanda do país por zoológicos e parques temáticos, O Chimelong Group, uma das maiores operadoras chinesas de parques de diversões, abriu o primeiro centro de reprodução de orcas no Chimelong Ocean Kingdom park, na cidade de Zhuhai, no sudeste do país, de acordo com o veículo de mídia estatal Xinhua.

Um total de nove baleias, incluindo cinco machos e quatro fêmeas entre cinco e 13 anos, são mantidos na unidade de reprodução, de acordo com o anúncio do parque.

O centro alega que seu objetivo é “ajudar a fomentar a conscientização do público em relação à proteção da baleia, desenvolver estudos relacionados e progredir em direção à criação de orcas”. O parque não especificou o tamanho da instalação ou se as baleias seriam usadas para performances.

Porém, a prática tem despertado a indignação de ativistas. “Orcas em cativeiro geralmente têm um tempo de vida mais curto do que as orcas selvagens”, disse a Hong Kong Dolphin Conservation Society em um e-mail, acrescentando que a prática de Chimelong pode incentivar a indústria de aquários na China.

A decisão arcaica da China em criar e explorar orcas ocorre em um momento em que parques temáticos em todo o mundo têm fechado suas instalações. Mais de uma dúzia de países, incluindo a Suíça, a Índia e o Chile, assim como alguns estados nos EUA, proibiram o cativeiro de orcas. O SeaWorld, um dos maiores parques temáticos da América, também se comprometeu a encerrar seu programa de reprodução de orcas em 2016, depois da liberação do documentário “Blackfish”.

Porém, à medida que o turismo doméstico e a demanda por atividades de lazer crescem, a China está fazendo exatamente o oposto. Um aquário em Changsha recentemente criou uma baleia beluga em cativeiro.

Um urso polar mantido em um shopping em Guangzhou ganhou as manchetes em todo o mundo no ano passado depois que foi apelidado de “urso polar mais triste do mundo” por causa de suas más condições em cativeiro. Em todo o país, esses belos animais estão sendo explorados não só em parques temáticos, mas também em shoppings e restaurantes como atrações turísticas.

“A prática de reprodução é ruim para as orcas, basta dar uma olhada no documentário Blackfish”, disse um comentarista na rede de mídia social chinesa Weibo, segundo o Quartz.

About the Author

Follow me


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

{"email":"Email address invalid","url":"Website address invalid","required":"Required field missing"}
>