• Home
  • Aquecimento da água dos oceanos pode resultar em extinção de espécies

Aquecimento da água dos oceanos pode resultar em extinção de espécies

0 comments

Foto: Reprodução, Notícias ao Minuto

Temperaturas mais elevadas, acidificação da água e o alargamento de zonas com pouco oxigénio são fatores que irão “alterar drasticamente a biodiversidade do fundo oceânico entre os 200 metros e os 6.000 metros de profundidade”, refere o estudo, publicado na revista especializada Elementa, que reúne informação recolhida por 20 dos principais centros mundiais de investigação oceanográfica.

“A biodiversidade em muitas das áreas do oceano profundo é definida pela escassez de alimento que chega ao fundo e nos próximos 80 a 90 anos essa já escassa quantidade de alimento poderá ser reduzida a metade em algumas partes do mundo”, alertou Andrew Thurber, especialista em ecologia marinha na universidade de Oregon, Estados Unidos, e um dos autores do estudo.

“Vamos provavelmente assistir a uma mudança no sentido da predominância de organismos mais pequenos num processo em que algumas espécies vão prosperar, outras vão migrar e muitas vão desaparecer”, adianta Andrew Thurber no artigo publicado na Elementa.

O estudo cruzou informação dos 31 modelos de projeção do funcionamento dos “sistemas vitais” da Terra, desenvolvidos para o Painel Intergovernamental sobre Alterações Climáticas, para fazer previsões sobre as alterações, até 2100, da temperatura, quantidade de oxigénio, acidez (nível de Ph) e quantidade de alimentos no oceano profundo.

A análise das projeções levou os investigadores a concluírem que a temperatura da água nos fundos marinhos abissais (entre 3.000 e 6.000 metros de profundidade) irá aumentar entre 0,5º celsius e um grau celsius no Atlântico Norte, no chamado Oceano do Sul e no Oceano Antártico, em relação aos valores atuais.

Temperaturas em profundidades batiais (entre 200 e 3.000 metros de profundidade) poderão aumentar ainda mais, atingindo até mais quatro graus celsius nos oceanos Pacífico, Atlântico e Ártico.

“Quatro graus pode não parecer muito no nosso dia-a-dia, mas é uma alteração de temperatura radical neste tipo de ecossistemas. É o equivalente a haver um verão quente pela primeira vez em milhares de milhões de anos”, afirma Andrew Thurber.

O investigador sublinha que “o aumento da temperatura da água terá como efeito a aceleração do metabolismo dos seres vivos dos fundos oceânicos, significando que passarão a necessitar de mais alimento numa altura em que menos alimento estará disponível (devido à perturbação da circulação vertical de massas de água)”.

Andrew Sweetman, investigador na universidade Heriot-Watt, em Edimburgo, Reino Unido, reforça que o oceano profundo que normalmente é uma zona de pouca quantidade de alimentos passará a ser uma zona de fome aguda.

“As zonas abissais, abaixo dos 3.000 metros, são das regiões do planeta onde os alimentos são mais escassos. A quantidade de carbono (matéria orgânica) disponível por metro quadrado nestas zonas é inferior ao que existe num cubo de açúcar. O problema é que grandes áreas abissais verão esta pequena quantidade de alimento reduzida a metade. Se se tiver em conta que está em causa um habitat que cobre cerca de metade da Terra, o impacto global será enorme”, explica Sweetman.

Os investigadores sublinham que a perturbação da circulação vertical de massas de água, gerada pelas diferenças de temperatura, que distribui oxigénio e nutrientes, terá impacto significativo nas populações das zonas costeiras, incluindo na pesca comercial, que visa cada vez mais recursos das zonas profundas.

“Se olharmos para a história da Terra, pode concluir-se que pequenas alterações no oceano profundo provocam alterações importantes na biodiversidade. E pode concluir-se que essas alterações foram provocadas pelos mesmos fatores e impacto que os modelos (usados no estudo) preveem que venham a acontecer num futuro próximo”, adverte Andrew Thurber.

“Tendemos a pensar no oceano profundo como uma zona muito estável e demasiado vasta para sofrer impactos significativos, mas é necessário reconhecer que desvios pequenos ao equilíbrio existente são suficientes para alterarem radicalmente esse ecossistema”, conclui o investigador.

*Esta notícia foi escrita, originalmente, em português europeu e foi mantida em seus padrões linguísticos e ortográficos, em respeito a nossos leitores.

Fonte: Notícias ao minuto

About the Author

Follow me


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

{"email":"Email address invalid","url":"Website address invalid","required":"Required field missing"}
>