• Home
  • Traficantes e caçadores usam tecnologia e mídias sociais para capturar animais

Traficantes e caçadores usam tecnologia e mídias sociais para capturar animais

0 comments

Redação ANDA – Agência de Notícias de Direitos Animais

Foto: Reprodução, The Star

Elefantes não são páreo para caçadores. O massacre macabro de dois elefantes-pigmeus de Bornéu (Indonésia) mostra que os caçadores estão em quase todo o país esperando para atacar a qualquer momento.

No passado, os elefantes-pigmeus eram vítimas de envenenamento, segundo relatos de trabalhadores de plantação de óleo de palma, para impedir que os animais comessem o fruto das palmeiras. Em setembro de 2016, uma manada ficou presa em uma piscina de lama em Rinukut por uma semana, deixando sete mortos.

Quantos outros desastres ocorrerão aos elefantes antes que o governo estadual perceba que são necessários esforços concertados e uma proteção séria de todas as agências relevantes e força de vontade política para que a vida selvagem possa sobreviver em Sabah?
No caso do massacre macabro dos elefantes terrivelmente mutilados, o que chamou a atenção para Sabah foi a ampla publicidade dada à sua inclinação incomum para as presas de sabre.

O Ministério do Meio Ambiente de Sabah e as autoridades competentes deveriam saber que não deveriam divulgar a descoberta. Com imagens dos elefante tornando-se virais nas mídias sociais e na internet, naturalmente isso incita o desejo dos caçadores de pegar as presas valiosas.

Vale destacar que a internet é hoje um meio utilizado por traficantes da vida selvagem e caçadores. Imagens postadas em sites como Facebook, Twitter e Instagram podem fornecer detalhes para a localização de uma espécie.

Os caçadores vasculham sites populares de mídias sociais à procura de quaisquer pistas sobre onde encontrar espécies ameaçadas de extinção. Muitos não sabem que os caçadores são capazes de usar as fotografias de leões incrivelmente raros, tigres e elefantes para encontrar e matar as espécies por meio do download de dados digitais anexados às imagens que irão revelar a localização exata dos animais.

Muitas câmeras modernas e smartphones automaticamente registram a hora exata e o local onde uma imagem é capturada e esses dados são muitas vezes transferidos quando uma fotografia é colocada em uma mídia social.

Em uma época de extinções, os governos gostam de anunciar quaisquer descobertas raras ou únicas de espécies, revelando dados biológicos e geográficos. A escolha da estratégia de “publicar e proteger” deve basear-se no segredo, particularmente do local exato da localização das espécies, ao mesmo tempo em que torna mais urgentes soluções de preservação eficazes.

A publicidade pode gerar apoio financeiro e político para evitar a extinção das espécies ou pode retroceder quando cria ameaças que não existiam anteriormente.

As descobertas únicas requerem intervenção de preservação imediata, que, tendo em vista o histórico em Sabah, é improvável que seja adequada.

A existência ou não de uma espécie listada como ameaçada ou em perigo depende de vários fatores, incluindo a urgência e se outros meios podem fornecer uma proteção adequada.

O UK Guardian informou que as revistas acadêmicas começaram a reter as localizações geográficas de espécies recém-descobertas depois de serem avisadas que os dados têm feito com que caçadores e traficantes deixem lagartos, rãs e cobras à beira da extinção.

Animais e plantas ameaçadas são muitas vezes o alvo dos crimes da vida selvagem devido à sua raridade. A União Internacional para a Conservação da Natureza (UICN) possui regulamentos que proíbem a publicação de dados de localização de espécies ameaçadas e considerados com um alto valor econômico.

É tempo de salvaguardar a vida selvagem do risco de exposição a perdas, danos, morte ou ferimentos por meio de uma publicidade generalizada, segundo o The Star.

About the Author

Follow me


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  1. Esses malditos traficantes tem que receber punição como os que traficam drogas. Tinham que apodrecer na cadeia. Um jeito de tentar pressionar países que nada fazem contra o tráfico é boicotar qualquer produto produzido por eles.

{"email":"Email address invalid","url":"Website address invalid","required":"Required field missing"}
>