• Home
  • Mulher deixa gato morto e esfolado em frente à loja de animais depois de não conseguir devolvê-lo

Mulher deixa gato morto e esfolado em frente à loja de animais depois de não conseguir devolvê-lo

0 comments

Redação ANDA – Agência de Notícias de Direitos Animais

Foto: Sheng
Foto: Sheng/Han Han Weibo

Uma mulher chinesa mandou matar e esfolar um gato que tinha comprado recentemente antes de jogar sua carcaça do lado de fora de uma loja de animais porque ela não conseguiu devolvê-lo ao local.

Ela comprou o gato de pelo curto inglês por £ 305 na cidade de Lijiang, província de Yunnan, mas logo percebeu que não tinha condições financeiras de criá-lo.

Lan Yan emitiu um pedido público de desculpas depois que o incidente foi exposto e causou um ultraje nas mídias sociais locais.
Ela comprou gato de cinco meses em 3 de janeiro, de acordo com o People’s Daily Online.

No entanto, alguns dias depois, a proprietária da loja de animais, Sheng, encontrou uma bolsa de plástico preta fora do estabelecimento quando estava fechando o comércio.

Ela ficou chocada quando descobriu que havia um gato morto e sem pele dentro da bolsa. Sheng afirmou ter percebido que ele era o felino que havia vendido pelos padrões em torno do nariz e olho direito.

A proprietária lembrou-se do dia em que Lan Yan tinha ido comprá-lo: “Ela gostou do gato de pelo branco de cinco meses à primeira vista. A julgar pela sua aparência, gostava de gatos”.

Foto: Sheng/ Han Han Weibo
Foto: Sheng/ Han Han Weibo

A cliente concordou em adquirir o animal pelo preço de 2.560 yuans (£ 305) depois de negociar com Sheng. Antes de Lan Yan sair, Sheng disse que tirou uma foto da cliente e do gato na loja.

No entanto, dois dias depois, Lan Yan percebeu que sua situação financeira não lhe permitiria manter um animal doméstico e voltou ao local com o objetivo de devolvê-lo.

Sheng disse que não concordou com um reembolso porque “o gato não tem problemas de saúde”. Aparentemente isso deixou Lan Yan enraivecida e o gato morto e esfolado foi deixado na frente da loja posteriormente.

O comportamento chocante foi condenado por Sheng em um post nas mídias sociais: “Esta é a primeira vez em que tive que lidar com algo assim desde que abri minha loja. A mulher usou um método extremamente cruel para tirar a vida de um belo animal vivo”.

O post prosseguiu: “Espero que aqueles que não têm certeza sobre um animal doméstico pensem claramente antes de começar a criar um. Tudo bem não amá-los, mas por favor não os prejudique”.

O incidente provocou um clamor do público. Na Weibo, plataforma de microblogging da China, um post sobre a notícia recebeu mais de 82 mil comentários.

Foto: Sheng/ Han Han Weibo
Foto: Sheng/ Han Han Weibo

Várias pessoas expressaram choque absoluto e prometeram rastrear a mulher cruel. Um usuário chamado ‘gan sui mian jun yo’ disse: ‘Se você realmente teve problemas financeiros, poderia dar o gato para outra pessoa. O que isto significa? Para liberar sua raiva? Para liberar sua raiva com uma vida inocente?”.

Han Han, que é uma amiga de Sheng, postou as fotos novamente depois de ouvir a história.

“Depois de ouvir sobre isso, meu primeiro pensamento foi como a mente de alguém poderia ser tão distorcida? Talvez estas sejam palavras fortes, mas o pequeno e belo animal não fez nada de errado e era uma vida. Por que essa mulher cruel tinha o direito de decidir sobre sua vida ou morte?”, questionou.

Lan Yan emitiu uma desculpa pública em uma carta escrita à mão e um vídeo postado nas mídias sociais. “Para todos os amantes dos animais, lamento ter partido seus corações”, disse.

Ela argumentou que não poderia pagar os cuidados do gato devido ao preço elevado de seu aluguel. Yan alegou ainda que implorou para que Sheng lhe desse um reembolso e tinha ido à loja duas vezes com o gato, mas a proprietária se recusou.

Foto: People's Daily Online/Weibo
Foto: People’s Daily Online/Weibo

Depois, admitiu o assassinato do gato no vídeo, acrescentando que ela não o matou, mas pediu que um açougue o fizesse porque “tinha medo de ver sangue”. Lan Yan concluiu suas desculpas dizendo: “Por favor, me perdoem. Por favor, perdoem-me como uma pecadora”.

Sheng relatou o caso à polícia que está realizando uma investigação. Wendy Higgins, que trabalha para a Humane Society International, disse que este é um exemplo chocante de crueldade animal “indecente”.

“Parece que este pobre gato suportou um sofrimento absolutamente terrível para que a mulher pudesse representar algum tipo de vingança contra a proprietária da loja de animais”, destacou.

Higgins pressionou as autoridades chinesas para introduzirem uma lei “robusta” de proteção animal e evitar que animais inocentes não sejam vítimas de tanta crueldade.

A primeira lei de proteção animal da China foi elaborada em 2010, de acordo com a PETA. Um projeto de lei está sendo considerado pela Conferência Política Consultiva do Povo Chinês, informou o Daily Mail

About the Author

Follow me


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

{"email":"Email address invalid","url":"Website address invalid","required":"Required field missing"}
>