• Home
  • Medicamento que trata a leishmaniose canina é liberado no Brasil

Medicamento que trata a leishmaniose canina é liberado no Brasil

0 comments

Reprodução/Mundodstribos
Reprodução/Mundodstribos

Há uma batalha silenciosa no Brasil. Apesar de pouco badalada, ela é polêmica e coloca no ponto central da discussão o tratamento da leishmaniose visceral canina, doença transmitida pelo mosquito-palha que afeta homens e animais – e pode ser fatal em ambos os casos. Em janeiro de 2013,  o Tribunal Regional Federal da 3ª Região (TRF3) negou vigência à portaria do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) que não permitia o tratamento dos cães infectados com medicamento humano e nem importado. O acordo veio em resposta à ação movida pela Organização Não Governamental (ONG) Abrigo dos Bichos, do Mato Grosso do Sul (MGS). Considerando que no país não existe medicamento específico para o tratamento da doença em cães, até então, os animais contaminados só tinham um destino: o sacrifício.

Contudo, a morte induzida sempre foi contestada por especialistas que garantem que a matança de cães não diminui o índice de contágio da leishmaniose, tendo em vista que o vilão é o mosquito, e é ele que deve ser combatido. Em países como a Índia, onde o protozoário envolvido é a Leishmania donovani, a leishmaniose pode ser transmitida de homem para homem, ou seja, o vetor pica uma pessoa contaminada e transmite o parasita para outra. Tipo de transmissão que não é comum em outras localidades.  Nos humanos, porém, a doença é muito menos perigosa e fatal do que nos cães. A questão é que, dos 88 países do mundo onde a doença é endêmica, o Brasil é o único que ainda utiliza a morte dos animais como instrumento de saúde pública. “A leishmaniose visceral canina tem controle, tem tratamento eficaz e, portanto, não é necessário provocar a morte induzida, exceto em casos específicos”, afirma o veterinário Leonardo Maciel, da Clínica Veterinária Animal Center. Isso porque, após o tratamento, o cão deixa de ser um reservatório ativo e, portanto, não é mais um transmissor.

A boa notícia é que após  décadas de discussão, o grupo de pesquisas da Brasilleish, liderado pelos médicos veterinários Fábio dos Santos Nogueira e Ingrid Menz, com o apoio do laboratório Virbac, anunciou no último dia 28 de agosto que conseguiu a aprovação do Ministério da Saúde e da Agricultura para a comercialização do Milteforan, uma das drogas mais utilizadas na Europa para o tratamento da doença. O medicamento foi testado no Hospital Veterinário Mundo Animal, em Andradina (SP), com resultados eficazes. “A decisão representa um marco na medicina veterinária brasileira. Foram 18 anos da minha vida profissional com dedicação exclusiva à tentativa de dar qualidade de vida aos animais contaminados”, disse Fábio. Com a aprovação, proprietários que optarem por tratar seus cães não terão mais que importar, às escondidas e pagando um alto preço, medicamentos fundamentais para salvar a vida dos animais domésticos.

O veterinário Manfredo Werkhauser, da Clínica São Francisco de Assis, é um dos fundadores da Brasilleish e comemora. “Aguardamos ansiosos a comercialização da droga que já deve estar no mercado a partir de janeiro de 2017. É o que vai possibilitar o tratamento de inúmeros animais contaminados e evitar a morte induzida”.

Fonte: Revista Encontro

About the Author

Follow me


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  1. Que notícia maravilhosa!
    Parabenizo os colegas pelo trabalho e conquista. Profissionais como vcs dignificam a nossa profissão.

{"email":"Email address invalid","url":"Website address invalid","required":"Required field missing"}
>