• Home
  • SeaWorld encerra programa de reprodução de orcas, mas explora outros animais

SeaWorld encerra programa de reprodução de orcas, mas explora outros animais

0 comments

Redação ANDA – Agência de Notícias de Direitos Animais

Luna e o filhote. YOUTUBE/SEAWORLD® PARKS & ENTERTAINMENT
YOUTUBE/SEAWORLD® PARKS & ENTERTAINMENT

Mais um filhote de beluga nasceu em cativeiro, no SeaWorld em San Antonio, Texas. A mãe é Luna, uma baleia de 16 anos, nascida no mesmo parque. O pai, Imaq, foi capturado em 1990 e pertence ao Vancouver Aquarium. Desde 2011 ele vive no SeaWorld, onde foi trazido para reprodução.

Segundo o The Dodo, apesar da decisão de encerrar o programa de reprodução de orcas em cativeiro, o parque não fez menção a outros animais. Belugas e golfinhos ainda são explorados constantemente, uma situação que se repete em outros aquários. Diversos animais morrem por causas “desconhecidas”, de acordo com a administração dos parques. Entretanto, os motivos são claros.

Ruby, uma beluga mantida em cativeiro no SeaWorld foi obrigada a engravidar diversas vezes, apesar de cada gestação ter fracassado. A baleia, claramente estressada, flutuava na superfície e era medicada com antidepressivos, assim como os muitos outros animais que ali vivem. Ruby morreu em 2014 após ser levada para um tanque em uma área escondida do parque.

No Canadá, um golfinho do Vancouver Aquarium morreu de causas que a equipe do aquário não divulgou. A administração publicou uma nota afirmando que o golfinho, chamado Jack, havia perdido o interesse em se alimentar e brincar, e seus sintomas progrediram rapidamente. “Jack fará falta para todos nós, equipe, doadores e frequentadores do aquário”, concluiu.

Jack, o golfinho de Vancouver. (Foto: aquablog.ca)
Jack, o golfinho de Vancouver. (Foto: aquablog.ca)

Sarah Fischbeck, ex-mergulhadora do SeaWorld, disse, em entrevista ao The Dodo, que as baleias estavam entediadas e frustradas por viverem presas e muitas vezes eram agressivas com seus cuidadores. Como as orcas, as belugas têm uma estimativa de vida menor em cativeiro. O estresse em que vivem está diretamente ligado ao sistema imunológico dos animais, portanto, apesar de estarem protegidas de predadores, as belugas estão em sofrimento físico e psicológico constante.

O SeaWorld argumenta que a reprodução de animais aquáticos em cativeiro é importante para pesquisas científicas, para proteger as espécies e educar o público a entender melhor a importância da conservação desses animais.

Nota da Redação: A conduta do SeaWorld em relação aos animais é completamente absurda. Este parque visa apenas ao lucro às custas de belas e inocentes espécies.  Há inúmeras evidências sobre os prejuízos do cativeiro a estes animais que ficam angustiados, estressados, doentes e morrem precocemente.  O cativeiro não protege as espécies, apenas as priva da liberdade que teriam na natureza.

About the Author

Follow me


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

{"email":"Email address invalid","url":"Website address invalid","required":"Required field missing"}
>