• Home
  • Documentarista fala sobre ilha habitada por chimpanzés resgatados da vivissecção

Documentarista fala sobre ilha habitada por chimpanzés resgatados da vivissecção

0 comments

Redação ANDA – Agência de Notícias de Direitos Animais

Divulgação
Divulgação

Uma equipe liderada pelo diretor e jornalista Kaj Larsen, da revista VICE News, viajou para a Libéria para filmar um documentário na chamada “Ilha de Primatas”, em uma área de seis pequenas ilhas habitadas apenas por chimpanzés anteriormente abusados em testes de laboratório, que sobreviveram a doenças e a duas guerras civis.

O Centro de Pesquisas e Banco de Sangue de Nova York (NYBC) foi fechado em meados dos anos 2000, após os defensores dos animais entrarem em ação, relata o World Animal News.

O NYBC assinou um contrato com uma instituição científica patrocinada pelo governo conhecida como o Centro de Pesquisas Biomédicas da Libéria, o que resultou em estudos médicos na Libéria com chimpanzés, os únicos primatas não-humanos suscetíveis à hepatite.

A remota localização era ideal para fugir do radar de ativistas. No início dos anos 2000, os defensores dos direitos animais descobriram o laboratório e pressionaram o NYBC a fechar a instalação em 2005, assim como encerrar a relação contratual.

Betsy Brotman, uma pesquisadora norte-americana que passou 30 anos realizando testes nos chimpanzés liberianos, finalmente percebeu que isso era o melhor para eles: “Os ativistas dos direitos animais estavam certos. Os chimpanzés realmente não devem ser utilizados em experiências”.

Brotman assumiu o compromisso de fornecer suporte para o cuidado e a alimentação dos chimpanzés que haviam sido explorados em pesquisas ao longo dos anos.

O centro de Nova York agora financia o cuidado dos 60 chimpanzés na ilha.

Neste documentário, “O Planeta Real dos Primatas”, a equipe de Larsen viaja extensivamente pela Libéria para visitar a ilha e investigar o legado deixado por pesquisadores e chimpanzés.

“É incrível que esses animais tenham sobrevivido à guerra civil liberiana, um dos episódios mais terríveis de violência nos últimos 50 anos, caracterizada por armar as crianças-soldados com fuzis AK-47, mas que não poderiam sobreviver aos cortes no orçamento do centro de Nova York”, declarou Kaj Larsen.

About the Author

Follow me


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

{"email":"Email address invalid","url":"Website address invalid","required":"Required field missing"}
>