• Home
  • Cientistas aprovam criação do Santuário de Baleias do Atlântico Sul

Cientistas aprovam criação do Santuário de Baleias do Atlântico Sul

0 comments

Divulgação
Divulgação

O Comitê Científico da Comissão Internacional Baleeira (CIB), formado por cerca de 200 cientistas que lideram estudos com cetáceos em todo o mundo, aprovou os critérios técnicos e científicos da proposta de criação do Santuário de Baleias do Atlântico Sul e o Primeiro Plano de Manejo para um santuário de baleias em águas internacionais. A próxima etapa será a votação dos dois documentos pela Plenária da CIB, marcada para ocorrer entre os dias 20 e 28 de outubro, na cidade de Portoroz, Eslovênia.

A proposta de criação do Santuário de Baleias do Atlântico Sul é defendida por governos de 12 países africanos e caribenhos, além do Brasil e dos parceiros latinos que integram o Grupo de Buenos Aires, e de tradicionais aliados na conservação da espécie, como Austrália, Reino Unido e México. Na reunião do Comitê Científico da CIB, realizada na cidade de Bled, Eslovênia, entre os dias 7 e 20 de junho, os pesquisadores reconheceram o grande potencial do Santuário, no sentido de incentivar a colaboração de ações de conservação, pesquisa científica e monitoramento de programas relevantes para atingir as metas de gestão e conservação defendidas pela própria Comissão.

De acordo com a área técnica do Ministério do Meio Ambiente (MMA), a aprovação da proposta de criação do Santuário pelo Comitê Científico da CIB demonstra a consistência técnica e científica das ações previstas para a pesquisa, o monitoramento e ações de conservação das espécies de cetáceos que vivem no Atlântico Sul e que enfrentam várias ameaças e desafios, como poluição sonora, química, colisões de navios, lixo marinho e até mudanças climáticas. Para o MMA, a existência do Santuário permitirá uma maior troca de informações e pesquisas sobre os diferentes estoques de baleias. Facilitará, também, o acompanhamento das taxas de recuperação de várias espécies que foram, praticamente, dizimadas durante os anos de caça intensa na região do Atlântico Sul.

Fonte: Jornal Dia Dia

About the Author

Follow me


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

{"email":"Email address invalid","url":"Website address invalid","required":"Required field missing"}
>