• Home
  • Especialistas asseguram que plantas não são conscientes e não sentem dor

Especialistas asseguram que plantas não são conscientes e não sentem dor

0 comments

Redação ANDA – Agência de Notícias de Direitos Animais

Reprodução/Care2
Reprodução/Care2

Todo vegetariano no planeta já deve ter ouvido algumas reações típicas depois de mencionar os seus hábitos alimentares. Há o confuso (“mas e quanto ao peixe?”), a clássica preocupação (“mas onde você obtem sua proteína?”), e o frustrante (“mas bacon é tão delicioso!”).

Um questionamento que chama a atenção é este: “As plantas são seres vivos; elas sentem dor também. Por que você está poupando animais e torturando plantas?”, diz o Care 2.

Realmente, as plantas são seres vivos. Elas brotam, crescem, precisam de sustento e também morrem. Elas têm uma vida. Isso significa que são “como nós” então?

O biólogo Daniel Chamovitz, autor do livro “O que uma planta sabe” e reitor de Ciências da Vida da Universidade de Tel Aviv, em Israel, explica que não.

“As plantas não são conscientes. Quando cortamos uma folha, assumimos que a planta está sofrendo. Mas essa é nossa própria percepção antropomórfica sobre o que está acontecendo”, esclarece.

Mas isso não significa que elas não têm qualquer reação a esse corte. Estudos têm mostrado que plantas que ficam em residências, como uma mimosa, fecham suas folhas quando tocadas.

Essa reação, dizem os especialistas, não é a planta fazendo uma careta de dor, mas uma reação elétrica ao toque que serve como proteção contra insetos.

“As plantas não têm receptores de dor”, diz Chamovitz. “As plantas têm receptores de pressão que lhes permitem saber quando estão sendo tocadas ou movidas. São os, mecanorreceptores, uma célula nervosa específica. ”

Isso também é demonstrado por um estudo recente que revelou que a planta agrião thale, um parente próximo do brócolis, pode ouvir quando está sendo comida por uma lagarta, e libera óleos de mostarda extras como resposta que são um pouco tóxicos para o inseto.
A planta é, como qualquer outro ser vivo, destinado a preservar a sua sobrevivência, e essa reação provoca alguma indigestão na lagarta, sendo uma maneira de impedi-la de comer toda a planta.

Em outras palavras, Chamovitz coloca: “Você pode definitivamente matar uma planta, mas não ela se importa.”
A razão para essa apatia, ele diz, é que plantas não são conscientes. Animais, por outro lado, são.

A ciência tem mostrado que animais demonstram comportamentos intencionais, podem se reconhecer em um espelho, solucionam problemas e são capazes de sentir empatia e outras emoções.

Ao contrário de plantas, eles possuem cérebros e receptores de dor e dá para perceber claramente que não só eles instintivamente querem proteger suas próprias vidas (como seres humanos e plantas), mas se preocupam se suas vidas estão ameaçadas.

Nessas situações, eles irão pedir ajuda, irão saltar para fora de um caminhão indo para o matadouro, e eles reconhecem as pessoas que já os salvaram de sentir dor e até mesmo expressam gratidão em alguns casos.

About the Author

Follow me


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  1. Sem fonte, sem credibilidade
    Posta as fontes com os estudos e a publicação original que a conversa começa, senão você é só mais um vegano cagando regra por aí

    1. “vegano cagando regra” não fico admirado de pedir fonte, pois deve acreditar que as plantas pensam e sente dor. As plantas não tem cérebro! e vc que tem, pelo visto, não faz bom uso.

  2. Fiquei em dúvida quando fala que a planta produz respostas elétricas, pensava que elas tinham apenas respostas químicas, pois as elétricas são associadas às sinapses dos neurônios.

  3. sou contra essa corrente. acho que todo ser vivo deve ser respeitado por igual, e não de forma diferente pela forma como percebemos a relação dele com o mundo. Há muit tempo atrás, dizia-se que os animais não sentiam dor, porque não tinham alma. ao longo do tempo, as coisas vão-se revelando. sou a favor do consumo de vegetais poruq esse tipo de consumo, no momento atual, é o que causa menos impacto ao planeta, mas não pela ideia de estar causando alguma forma de transferência de energia sem dano.

{"email":"Email address invalid","url":"Website address invalid","required":"Required field missing"}
>