• Home
  • Vacas são colocadas em câmaras frigoríficas para produzir mais leite

Vacas são colocadas em câmaras frigoríficas para produzir mais leite

0 comments

(da Redação)

Foto: Steve Zolneczko/Flickr
Foto: Steve Zolneczko/Flickr

O local tem sido chamado “hotel”, embora dificilmente seja um local onde alguém vá gostar de dar entrada. Nesses lugares, ao invés de poderem pastar em um gramado, as vacas são colocadas dentro de “câmaras” individuais que medem aproximadamente 4 metros quadrados de área e 3 metros de altura. Cada vaca fica isolada, com a visão apenas de uma outra vaca sofrendo o mesmo destino através de uma janela de vidro. É posto nela algo parecido a uma fralda, e então a temperatura é ligada. As informações são do One Green Planet.

Por que?

As vacas produzem menos leite em temperaturas altas – o que é compreensível pela própria natureza, pois todos os seres vivos ficam um pouco mais lentos no calor. Mas essa é uma má notícia para a indústria de laticínios, pois significa que o “sua” mais importante fonte de receita está em risco.

Dentro do hoteI

Os seis compartimentos desse “hotel” são parte de um experimento científico do Centro Nacional de Laticínios em Victoria, para estudar os impactos do estresse por calor nas vacas. O governo de Victoria gastou 2,5 milhões de dólares para construir essas câmaras de isolamento de calor. As vacas são ordenhadas mecanicamente e têm as suas fraldas trocadas regularmente, sendo que suas fezes e urina são coletadas para pesquisa. Cientistas irão estudar a produtividade de cada vaca e as suas emissões com a temperatura a 32º C durante vários dias em um mesmo horário, o que equivale, para as vacas confinadas lá dentro, a serem expostas a uma onda de calor.

O Dr. Joe Jacobs, cientista pesquisador da indústria de laticínios, disse que eles têm a habilidade de elevar a temperatura a qualquer momento, mas isso poderia impor preocupações de ordem de bem estar animal, como por exemplo levar as temperaturas a 40º Celsius e então retirar as vacas do local para uma temperatura externa de 15º. (A título de informação, tristemente, a indústria de exportação de “carga viva” da Austrália sujeita os animais a temperaturas até superiores a 40º).

O cientista argumenta que as janelas de vidro entre as câmaras também são uma “consideração deliberada de bem estar animal”: ele diz que a possibilidade de uma vaca que está nesses compartimentos por três ou quatro dias poder ver a sua “vizinha” é algo que “a mantém feliz”.

O que isso significa para as vacas

Vacas são animais muito sociais, que não só formam grandes amigos, como também ficam estressadas quando estão separadas deles. Nessas câmaras elas estão incapacitadas de fazer qualquer coisa a não ser sofrer em solidão e assistir ao seu rebanho sendo sujeito à mesma coisa do outro lado do vidro.

Não é de se surpreender que a mídia tenha sido proibida de tirar fotos das vacas em suas fraldas e sufocantes câmaras quentes no dia da abertura da instalação. O Dr. Jacobs disse que ver os animais nesta situação poderia trazer más impressões para algumas pessoas, e que o centro não quer atrair a atenção “desnecessária” das entidades de bem estar animal.

Mas o fato é que a indústria de laticínios está, em primeiro lugar, fazendo algo que ela suspeita que irá incomodar as pessoas; e em segundo, quer manter isso oculto, o que por si só deve ser motivo de grande preocupação pública. Porém, esta não é nem de longe a primeira vez que tal indústria se vê envolvida em práticas preocupantes.

Na verdade, algo está intrínseco ao modelo de negócios dessa indústria e que ela não quer que os consumidores de leite saibam, ou melhor – alguém. Esse alguém é o jovem bezerro que é nascido apenas para manter a sua mãe produzindo leite. A cada ano, centenas de milhares de bezerros são separados de suas mães e enviados para o matadouro como “resíduos” em suas primeiras semanas de vida – tudo para que o leite de suas mães possa ser engarrafado e vendido para consumo humano.

As mães vacas formam fortes laços emocionais com o seu bezerro dentro dos primeiros minutos após darem à luz. Apesar desses laços familiares, é uma prática comum na indústria de laticínios que os recém nascidos sejam arrancados de suas mães e encaminhados para serem mortos com apenas alguns dias de vida.

Uma escolha mais bondosa

Conforme são expostas à verdade sobre o que acontece com esses bezerros, as pessoas ficam chocadas e um número cada vez maior delas está procurando fazer escolhas melhores a favor dos animais.

A única escolha que pode evitar com que essa engrenagem continue explorando vacas de forma inimaginável e matando os seus filhos é a negação do consumo de qualquer derivado de leite de vacas. Felizmente, há muitos tipos de leite que não dependem de sofrimento animal – de soja, amêndoas e de côco são apenas algumas das opções vegetais que já estão amplamente disponíveis nas prateleiras dos supermercados.

About the Author

Follow me


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  1. Dr. Joe Jacobs: O cientista argumenta que as janelas de vidro entre as câmaras também são uma “consideração deliberada de bem estar animal”: ele diz que a possibilidade de uma vaca que está nesses compartimentos por três ou quatro dias poder ver a sua “vizinha” é algo que “a mantém feliz”. Jesus amado!!! O que a criatura não diz por DINHEIRO !!! Feliz??? Cala a boca, idiota!!! Em relação aos outros tipos de leite, fora o leite de soja, que já é mais caro, os outros tipos são CARÍSSIMOS. Eu bem que gostaria de utilizar outro tipo de leite, famílias inteiras poderiam variar, porém, o PREÇO É EXORBITANTE. As razões, eu não sei, mas qualquer produto vegano e vegetariano tem seu preço aumentado no mínimo 3 ou 4 vezes !!! Como querem que as pessoas consumam esses produtos? É um abuso. Uma pessoa sozinha ainda pode, dependendo do seu salário. Mas uma família??? Então, se querem mesmo disseminar o uso de produtos sem crueldade, que insistam e pressionem os produtores pra cobrar preços mais dentro da REALIDADE. Eles estão fora do ar. E não me venham com a conversa fiada “quem quer, dá um jeito”. Essa não, né??? Além do mais, justamente por causa do preço, não se acha em lugar nenhum, a não ser nas capitais e cidades maiores. As cidades do interior tem o de sempre e nada mais.

    1. Cala a boca tu! Tenho salário baixo e Todos minha família é vegana somos 5 compramos coco e fazemos leite dele! Não precisa de comprar leite só faz mal! O estilo vegana vai ganhar!, não compre produtos veganos faça os você

  2. Vegana feliz há muito tempo, sem nenhum problema em consumir o cardápio colorido, variado e nutritivo livre de qualquer produto animal, inclusive o leite de vaca que como o próprio nome sugere, É DELA e de sua cria, assim como o leite humano é para bebês humanos até que não precisem mais dele. Para humanos começarem a pensar que leite e derivados são dispensáveis importante esta divulgação da realidade de fazendas leiteiras, onde a crueldade contra os animais é algo natural, faz parte da rotina como o sol que nasce todos os dias, uma prática geralmente passada de geração a geração, como seria a escravidão de humanos negros até hoje não houvesse um movimento corajoso e destemido de repúdio à esta exploração, pressionando escravocratas a abolirem tal prática apesar das represálias e reações dos tiranos que viam nela apenas o dinheiro que iriam perder. Exploração de animais representa o resultado do egoísmo, insensibilidade, truculência e opressão de humanos contra escravos e será abolida, já está sendo, doa a quem doer, esta Abolição chega tarde mas sem dúvida alguma é para sempre.

{"email":"Email address invalid","url":"Website address invalid","required":"Required field missing"}
>