• Home
  • Fita rosa nas tetas da vaca e o câncer de mama

Fita rosa nas tetas da vaca e o câncer de mama

0 comments

O Outubro Rosa, que acontece no mundo inteiro, é uma campanha de conscientização que tem o intuito de chamar a atenção sobre o câncer de mama, problema que atinge mulheres em quase todas as faixas etárias, mas principalmente aquelas acima dos trinta anos.

Mas interessante é que em quase todas as notícias referentes a essa campanha de conscientização, a grande maioria enfatiza apenas a prevenção através do autoexame ou da mamografia. Muito pouca ênfase na prevenção através dos cuidados com a alimentação, stress, álcool, fumo, obesidade, reposição hormonal, diabetes e hereditariedade. Mesmo nesse último quesito, como diz o cardiologista Fernando Luchese, os fatores genéticos constituem-se como uma bomba relógio que você tenta desarmar ou não, dependo do estilo de vida que leva.

O Instituto Nacional do Câncer aponta o Rio Grande do Sul com a maior incidência dessa enfermidade. O alto consumo de gordura animal, carne e laticínios, pode favorecer a alta incidência desse tipo de câncer. Segundo pesquisa realizada pela Universidade de Leeds e publicada na revista especializada British Journal of Câncer, com 35 mil mulheres com idades entre 35 e 69 anos, aquelas que passaram da menopausa e comem mais de 103 gramas de carne vermelha por dia ou carne processada, tem 64% mais chances de desenvolver a doença. Já as mulheres em período pós-menopausa que consomem cerca de 57 gramas de carne por dia têm 56% de chance de desencadear o câncer de mama. A pesquisa revelou que mesmo as mulheres jovens têm leve risco de desenvolver a doença se comerem carne vermelha todos os dias.

No livro intitulado “Your life in your hands” (A Tua Vida Nas Tuas Mãos) da professora de geoquímica Jane Plant, a mesma relata sua experiência pessoal de luta e sobrevivência a cinco tumores mamários, que mesmo passando pelas práticas convencionais de tratamento, só veio a ter a cura efetiva após seis semanas de abandono total do leite e seus derivados. Diz ela que a relação entre o consumo de lácteos e o câncer de mama é similar a do tabaco e o câncer de pulmão. E tudo começou numa viagem do seu marido, que também é cientista, à China. Constataram que tal enfermidade era virtualmente inexistente naquele país, onde apenas uma entre 10.000 mulheres morria de câncer de mama. Já no reino Unido morria uma para cada 12 mulheres. E a mesma constatação em relação aos homens e o câncer de próstata, pois a maioria da população chinesa é incapaz de tolerar o leite e por isso não o tomam. Lá não há o hábito de se dar leite de vaca para as crianças. E não pode ser uma simples casualidade que, mais de 70% da população mundial tem sido incapaz de digerir a lactose. E outra constatação interessante é que os chineses ou mesmo os orientais em geral, que adotam os hábitos da dieta ocidental, seja no seu próprio país de origem, ou quando passam a morar fora, acabam desenvolvendo esse tipo de câncer.´

Segundo a professora Plant, o leite de vaca é um grande alimento, mas só para os bezerros, pois a natureza não o destinou para ser consumido por nenhuma outra espécie. O leite só é natural para o filhote que recebe de sua própria mãe esse alimento. Fora disso torna-se um elemento estranho ao organismo de outra espécie adulta que já deixou a fase de amamentação. De todas as espécies mamíferas, a humana é a única que se comporta como filhote mesmo depois de adulta e teima em tomar leite até morrer de velha. Em média, aos três anos de idade perdemos duas importantes enzimas necessárias à decomposição e a digestão do leite, a renina e a lactase.

Além desse fato o leite possui em sua composição alto teor de gordura, caseína e um conveniente e bonito nome para milhões de células somáticas, que nada mais são do PUS. Não bastasse isso é frequente a contaminação com fezes e pesticidas. Então está na hora de aprofundar o debate e as campanhas que visam alertar esse grave problema que afeta homens e mulheres do mudo inteiro, e inserir nesse contexto o que se evidencia como consequência de um hábito tradicional, porém equivocado. Lá na origem da fazenda fêmeas bovinas são transformadas em escravas leiteiras, onde seus ventres exauridos e mamas judiadas e sugadas são meras máquinas de um lucrativo agronegócio. Ali também tem muito sofrimento e dor nas mamas.

About the Author

Follow me


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  1. Muito interessante a matéria. Mas se não tomarmos leite de onde tiraremos o calcio necessário?Ele até pode existir em um outro produto mas em quantidade bem menor e aí como fica então?

    1. Leia “Galactolatria: mau deleite”, depois mande um email para a autora e compre dela o “Passaporte para o mundo dos leites veganos”.

    2. Hilda. Se estás realmente interessada na questão, assista ao documentário MILK, pesquise outros documentários relacionados ao leite e, se não tiver tempo para ler o livro indicado no outro comentário, assista à palestra de igual nome, que está no youtube e dura só uma hora. É uma hora do seu dia que vai mudar toda a sua perspectiva. O cálcio está em todos os lugares. O cálcio do leite é mal absorvido. Somos enganados há décadas pela mídia comprada pelas indústrias de pecuária. Vai atrás de mais informações.

  2. No mesmo Jornal Britânico de Câncer, tem uma pesquisa feita na China que não prova a correlação de carne e câncer, e o trabalho que prova está comparando vegetarianos não fumantes com consumidores de carne fumantes, é certo que haverá mais risco de contrair câncer, mas será pela carne ou pelo cigarro? é bom que leiam os artigos com atenção….

{"email":"Email address invalid","url":"Website address invalid","required":"Required field missing"}
>