• Home
  • Renata Prieto cria projeto de proteção a animais maltratados

Renata Prieto cria projeto de proteção a animais maltratados

0 comments

Renata Prieto (Foto: Felipe Fittipaldi)
Renata Prieto (Foto: Felipe Fittipaldi)

Guitarrista da banda Sempre Livre, sucesso nos anos 80 a bordo do hit Eu Sou Free, Renata Prieto afastou-se dos holofotes na década seguinte para se dedicar a uma causa em nada relacionada ao rock.

Apaixonada por animais desde criança, ficou chocada ao saber da história de um cão da raça rottweiler que seria morto se não encontrasse um novo tutor. “Nunca havia passado pela minha cabeça que pessoas abandonavam animais sem mais nem menos”, conta Renata, que, na época, conseguiu convencer um tio a adotar o cachorro.

Esse foi o pontapé inicial. Em 2006, após conhecer outros protetores de animais, Renata criou o Grupo de Ação, Resgate e Reabilitação Animal (G.A.R.R.A.), que atende cães, gatos e até cavalos que sofreram maus-tratos. Depois de cuidados, eles são oferecidos para adoção.

“É muito gratificante ver a evolução dos animais resgatados e a felicidade das famílias que adotam esses animais”

Um dos diferenciais do projeto é o fato de não utilizar abrigos para manter os animais resgatados. Todos vão para lares temporários de voluntários, à exceção dos cavalos, que ficam em baias alugadas em um haras.

Atualmente, a casa de Renata é a maior dessas moradas provisórias, com nada menos do que 35 cachorros e 25 gatos — no total, já passaram por lá mais de 2 500 animais. Rea­lizadas mensalmente no Parque dos Patins, na Lagoa, as campanhas de adoção contam com um controle rígido do projeto: todos os interessados devem responder a um questionário e passar por uma entrevista. “Também somos o único grupo que tem contratos de adoção. É uma forma de nos certificarmos de que os animais não serão maltratados novamente”, explica.

As despesas do G.A.R.R.A. são pagas com parte do lucro de um bar de Renata e com doações de colaboradores. Apesar disso, há dívidas acumuladas. Mas a idealizadora do projeto não esmorece. “É muito gratificante ver a evolução dos animais resgatados e a felicidade das famílias que adotam esses animais”, diz.

Fonte: Veja Rio

About the Author

Follow me


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  1. Lei de Crimes Ambientais 9605 de 12/2/1998
    Art. 32. Praticar ato de abuso, maus-tratos, ferir ou mutilar animais silvestres, domésticos ou domesticados, nativos ou exóticos: Pena – detenção, de três meses a um ano, e multa.

{"email":"Email address invalid","url":"Website address invalid","required":"Required field missing"}
>