• Home
  • Comissão da OAB reúne-se com direção de zoológico do RJ

Comissão da OAB reúne-se com direção de zoológico do RJ

0 comments

Por CPDA OAB (em colaboração para a ANDA)

Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

A Comissão de Proteção e Defesa dos Animais da OAB do Rio, reúne-se nesta terça feira (14) com o Presidente da Fundação Rio Zoo, Sergio Felippe. O encontro acontecerá na sede do Zoológico do Rio, na Quinta da Boa Vista, às 11 horas. Os advogados querem saber a real situação do Zoológico da Cidade, que no último mês, completou 70 anos e enfrenta problemas de infra estrutura, com jaulas sem placas de identificação dos animais, áreas interditadas como a Casa Noturna (estrutura que abrigava morcegos) e o Viveirão, lixo despejado de forma inadequada, animais como a girafa Zagallo, um dos animais mais populares do zoo, com o abrigo deficiente onde o animal deveria se proteger do sol se encontra reduzido a uma armação de madeira, sem a cobertura original que deveria propiciar uma sombra, ferrugem nas jaulas do mamíferos, viveiro das aves sem conservação, e muitas outras situações de maus-tratos para com os animais. O Ministério Público Federal, com base em um relatório do IBAMA, cobrou da prefeitura uma série de reformas e modificações. Caso não seja apresentado um cronograma de obras até o fim do mês, o Zoológico pode fechar ou ter sua visitação suspensa.

Agora a CPDA/OAB vai propor à administração do Zoo, uma atuação conjunta, para que as reformas se iniciem imediatamente e os sofrimentos dos animais sejam minimizados. Para o Presidente da CPDA/OAB-RJ, Reynaldo Velloso, “As adequações devem ser feitas imediatamente”, pois a situação está insuportável”. “ Sabemos que a transferência dos animais para santuários não é possível no momento, pois existem os problemas logísticos de transporte e a manutenção definitiva dos animais com altos custos, na alimentação, tratadores, veterinários, locais apropriados e adaptação. Como o governo não possui um Programa de Políticas Públicas para animais, não existem recursos para subsidiar qualquer entidade que tenha interesse de recebê-los e mantê-los convenientemente. São cerca de 2.100 animais e aproximadamente 600 espécies. Uma pena”, completou Velloso.

Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

Na reunião será tratado também o problema jurídico que envolve transferência da Girafa Zagalo, com 15 anos de idade, para o Distrito Federal. O deslocamento, longo e desconfortável, pode até matar o animal, um dos símbolos do Zoo do Rio.

O animal foi emprestado há 8 anos para ajudar na reprodução. O parque carioca possuía apenas uma fêmea, que morreu no fim de 2013. O casal de animais não teve cria, e ‘Zagalo’ é, atualmente, a única girafa do RioZoo.

Na ação, o Zoológico de Brasília afirma que, em setembro de 2012, solicitou, de forma amigável, a devolução do animal, por rescisão contratual, mas não teve uma resposta oficial. O parque diz ainda que precisa da girafa para fazer uma permuta por outro animal com Zoológico Safári Portobello Resort & Safári.

A Comissão da OAB já se pronunciou contra a transferência em virtude da idade avançada da girafa e descreveu como irresponsável tal pretensão do Zoológico de Brasília.

Nota da Redação: Zoológico e Aquários são locais onde não devem existir nenhum tipo de regulamentação e sim a extinção completa. Casos como o do Rio de Janeiro servem para alertar a sociedade brasileira sobre a injustiça e crueldade escondida atrás de zoológicos e outros locais que mantém animais em cativeiro apenas para divertimento humano. É preciso clarear a consciência para entender e respeitar os direitos animais. Eles não são objetos para serem expostos e servirem ao prazer de seres humanos. As pessoas podem obter alguns minutos de entretenimento, mas para eles é uma vida inteira de exploração e abusos condenados pelo egoísmo humano.

About the Author

Follow me


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  1. Que filme de horror! Que humilhação aos animais encarcerados e subjugados, sendo usados como moeda de troca e de reprodução de mais animais em cativeiro, tudo isso para exibição voyeurista.

    Vai entender isso… Depois os empregados desses estabelecimentos teimam em alardear que “são amantes de animais e os repeitam”. Conta outra!

    Parabéns à nota de Redação ANDA pelas frases bem arrumadas e reflexivas.

  2. É de fato um absurdo ainda existirem zoo-ilógicos, aquários e etc. no mundo. É incrível que não haja dinheiro nem para manter essa porcaria, mas sim para construir um aquário na mesma cidade, ao custo de milhões e com manutenção altíssima. Um mau exemplo de administração e aplicação de conceitos antropocêntricos equivocados e ultrapassados. NOTA ZERO para a Prefeitura do RJ que é a que mais desrespeita as leis Municipais que protegem os animais – i.e. Lei dos animais comunitários. Uma VERGONHA!

{"email":"Email address invalid","url":"Website address invalid","required":"Required field missing"}
>