• Home
  • Jornalista alemão segue rotas do tráfico de chifres de rinoceronte em Moçambique

Jornalista alemão segue rotas do tráfico de chifres de rinoceronte em Moçambique

0 comments

Foto: Reprodução
Foto: Reprodução

O correspondente do jornal alemão Der Spiegel na África seguiu as rotas do tráfico de chifres de rinoceronte em Moçambique, um negócio ilegal que vale milhões e ameaça a espécie de extinção.

“Há pouco tempo fui feito refém numa pequena aldeia de Moçambique. Agora estou a percorrer velozmente o mato numa carrinha de caixa aberta conduzida pelo chefe de um gangue criminoso, com os seus subordinados a vibrar e a gritar nas traseiras. Eles vão “acabar” comigo, já me disseram antes, e estou convencido de que vão parar na próxima clareira e espancar-me até à morte. Pela primeira vez nos meus quase 30 anos como correspondente em África temo pela vida.

Eu tinha chegado a Moçambique com o fotógrafo sueco Toby Selander uns dias antes para fazer uma reportagem sobre a caça de rinocerontes e o comércio de chifres de rinoceronte. Esperávamos seguir a cadeia de fornecimento desde o assassinato dos rinocerontes na África do Sul, passando pelos intermediários em Moçambique até aos compradores finais de chifres no Vietname”.

A savana sul-africana é o habitat de 21 mil dos 28 500 rinocerontes que restam no mundo. No ano passado, pelo menos 1215 desses animais foram mortos a tiro por caçadores furtivos só na África do Sul e os seus chifres serrados para serem vendidos. Isso significa que a cada período de sete horas há menos um rinoceronte no mundo. Os animais habitam a Terra há milhões de anos, mas se a caça continuar ao seu ritmo atual, os ambientalistas temem que eles possam rapidamente ficar extintos.

“Estamos a lutar pela conservação de uma espécie”, diz um guarda da vida selvagem do Parque Nacional Kruger, a reserva de caça mundialmente famosa no Nordeste da África do Sul onde vive a maior população de rinocerontes do mundo. “Estamos em guerra.”

*Esta notícia foi escrita, originalmente, em português europeu e foi mantida em seus padrões linguísticos e ortográficos, em respeito a nossos leitores.

Fonte: Diário de Notícias

About the Author

Follow me


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

{"email":"Email address invalid","url":"Website address invalid","required":"Required field missing"}
>