• Home
  • Urubu atropelado espera nove horas para conseguir socorro em Sorocaba (SP)

Urubu atropelado espera nove horas para conseguir socorro em Sorocaba (SP)

0 comments

Ave levou descarga em rede elétrica e depois foi atropelado (Emídio Marques)
Ave levou descarga em rede elétrica e depois foi atropelada
(Emídio Marques)

A demora no recolhimento de um urubu atingido por um choque elétrico e atropelado por volta das 7h de ontem, 27, indignou o conferente Charles Aparecido Silvério, de 29 anos. Ele, que é morador da rua Silva Barros, na Vila Fiori, conta que após sofrerem a descarga elétrica, duas aves foram atingidos por um veículo. Após o atropelamento, Silvério abrigou um dos animais em sua casa, deixando-o no quintal, mas teve de esperar por aproximadamente nove horas até que fosse levado pela Polícia Ambiental. O outro urubu, entretanto, não resistiu aos ferimentos.

O conferente afirma que tentou contato com a Seção de Controle Animal da Divisão de Zoonoses e com o Zoológico Municipal Quinzinho de Barros, mas foi avisado de que não era competência de ambos recolher a ave. A Zoonoses informou que não captura animais silvestres.

De acordo com Silvério, após a impossibilidade das partes procuradas em resolver a situação, ele decidiu acionar a Polícia Ambiental. Soube, no entanto, que por atenderem ocorrências de 17 municípios da região, nenhum dos policiais poderia ir até o local naquele momento. A princípio, disseram ao rapaz que só recolheriam o animal nesta sexta-feira, no período da manhã.

A reportagem do Cruzeiro do Sul, então, entrou em contato com a Polícia Ambiental, que confirmou a falta de condições para resolver o problema. Porém, cerca de 30 minutos depois, o jornal foi informado que uma guarnição iria até o local. O urubu, que segundo Silvério estava com a asa quebrada e agressivo, foi recolhido por volta das 16h30.

A Secretaria do Meio Ambiente informa que, em casos nos quais animais silvestres em vida livre estejam machucados ou correndo algum tipo de risco ou ainda ameaçando de alguma forma uma pessoa, os munícipes devem ligar para o Corpo de Bombeiros (193) ou para a Polícia Ambiental, órgãos da Secretaria de Estado do Meio Ambiente responsáveis pelo manejo de animais silvestres em vida livre. (Supervisão: Admir Machado)

Fonte: Cruzeiro do Sul

About the Author

Follow me


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

{"email":"Email address invalid","url":"Website address invalid","required":"Required field missing"}
>