• Home
  • Não há bem-estar na vida dos condenados

Não há bem-estar na vida dos condenados

0 comments

Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

Na zootecnia, o bem-estar do animal é definido por parâmetros de conforto físico e psicológico mínimos, limitados pelos interesses do agronegócio. Então, água, comida, abrigo e espaço, tudo é “melhorado” para os animais, desde que representem melhora na qualidade das carnes, dos ovos, da lã e do leite, e não solapem os lucros da produção.

Portanto, quando se ouve a expressão “bem-estar” vinda de alguém que vive da exploração dos animais, ouve-se algo como “estado de conforto mínimo para o animal”. Não é o que se costuma propagandear para incentivar as pessoas a comprarem esses produtos finais.

Na psicologia animal, o bem-estar é definido pelo estado físico do animal, integridade do corpo e resistência psíquica e emocional às agressões sofridas pelo manejo. Os veterinários etólogos, profissionais habilitados para a observação dos comportamentos e do estado físico e psíquico dos animais, levam em consideração comportamentos que o animal pode ter quando vive livremente e os comparam com os que o animal manejado tem. A partir disso admitem que o “bem-estar” do animal foi violado, ou não.

Hoje, a maioria dos animais explorados e mortos para consumo humano, especialmente os suínos, as aves, os vitelos e as vacas usadas para extração do leite, vivem completamente manejados, mesmo que os espaços do confinamento sejam algumas vezes maiores.

O confinamento é a condição básica de todos os animais manejados para abate ou extração de leite e ovos. Os animais criados soltos são raros. E a vida desses é usada para se fazer a propaganda de tudo o que deriva dos outros, criados e mortos em confinamento. Isso engana as consumidoras e consumidores.

Na perspectiva da ética animal, não se deveria falar de bem-estar de nenhum animal manejado. Do que se trata é do bem próprio da vida de cada animal, do bem específico que sua vida lhe teria propiciado, se ele não houvesse nascido na prisão do sistema de produção de alimentos animalizados.

Nesse sistema, tudo é manejado visando lucros para os humanos, desde as sensações físicas, até o espaço, a comida, a sexualidade e a morte. Tudo é planejado para beneficiar os propósitos humanos. Então, falar de bem-estarismo animal, como bem se pode ver, é usar uma expressão convenientemente adotada pelo agronegócio, pelos zootecnistas e pelos consumidores, que preferem aliviar sua consciência, mantê-la no conforto do seu bem-estar, do que abolir o consumo de derivados de animais, um consumo que jamais pode representar qualquer bem para os animais. Bem-estarismo é um termo conveniente para a consciência alienada dos consumidores onívoros.

Na ética animalista genuína, não falamos do bem-estar dos animais, porque seria muita hipocrisia. Quando prendemos o corpo de um animal num cercado construído por nós, humanos, para poder dominar esse animal e obter dele tudo o que queremos, incluindo suas carnes, ovos, leite, lã etc., não estamos preocupados com o bem próprio dele, mas com os benefícios que o consumo de seu corpo trará para nós.

Não há bem-estar algum em nascer, viver e ser morto num sistema criado para produzir animais como se fossem itens ou commodities e, em sua fase de bebês, leva-los à morte para encher o prato humano.

Do bem-próprio do animal, disso os zootecnistas, os consumidores e os agronegociadores nunca falam. Então falam do bem-estar, para disfarçar. E, nós, filósofas, falamos do bem próprio, exproriado deles do dia do nascimento ao da morte.

*Postado originalmente na fanpage do livro Galactolatria: Mau Deleite

About the Author

Follow me


Deixe uma resposta para Robin Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  1. Não preciso defender os animais aqui pq, em tese, todxs, nesse site, se interessam por eles. Mas quero fazer um paralelo com o pensamento expresso nesta página. Cada vez mais vejo veganxs exigindo cadeia/jaula para seres humanos que são bárbaros com animais, isso me parece uma grande contradição e reacionarismo. Nenhum animal, incluindo os humanos, deveriam ser confinados, manejados, etc, etc. Precisamos substituir a sociedade da punição, por uma sociedade pedagógica, ética e amorosa. A jaula do outro – seja quem seja – prende a todxs nós e nunca resolveu ou resolverá nossos problemas. Fomos educados para vingança, essa é uma educação da violência, então, legitimamos coisas horrorosas como prisões, polícias, enfim, estado, etc. Existe um adesivo vegano que diz “se você ama uns por que mata (come) outros”, isso tem de valer para todos… A libertação animal é a libertação de todos, incluindo nós…

    1. Se você defende a pedagogia para ressocializar monstros então que o faça dentro de sua casa. A ressocialização de humanos já caiu por terra a muito tempo. Teses, livros e doutrinas que defendiam e ainda defendem humanos maus estão em descrédito. O humano que maltrata ou mata é irrecuperável. Ainda que por alguns meses ou anos esteja incubado seus desígnios, ele sempre volta a praticar maldades, pois assim é sua mente, determinada a ser mau, pois não se sente culpado. Você quer comparar a atitude de um animal não humano com a de um humano, e não dá, porque um tem consciência, racionalidade e discernimento para escolher uma conduta e o outro não tem pois apenas faz o que está comandado no seu instinto. O homem é o único animal que pode se libertar de seus instintos naturais, por isso é o único que pode ser responsabilizado pelos seus atos.

{"email":"Email address invalid","url":"Website address invalid","required":"Required field missing"}
>