• Home
  • Cachorro é morto a golpes de barra de metal em Palhoça (SC)

Cachorro é morto a golpes de barra de metal em Palhoça (SC)

0 comments

Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

Existiam dois cachorros na casa de uma senhora, moradora do bairro Pacheco, em Palhoça. Por estar com medo, a tutora dos dois animais pediu para não ser identificada na reportagem. Conta apenas que, no final da tarde desta quarta-feira, ela voltou para casa após um passeio e encontrou a cadela, mãe do Negão, muito agitada.

Latia muito, ia até os fundos da casa e voltava. Estranhando aquela recepção da pequena pinscher, a senhora seguiu o animal até os fundos e encontrou a porta da área de serviço fechada. “Mas como? Se ela estava sempre aberta”, reparou.

Imediatamente a neta foi chamada, orientada a pedir ajuda. Foi quando as duas ouviram de dentro do cômodo: “Não precisa chamar ninguém”. Logo saiu de dentro um jovem com um saco na cabeça, carregando outro pacote, e passou rapidamente pelas duas em direção à cerca, fugindo para a rua.

Caso foi registrado na polícia

Depois do susto, começou o desespero. Negão não foi encontrado no terreno. Um vizinho, que seguiu o invasor, trouxe a pior notícia: o cachorrinho de seis anos estava morto. Foi quando a senhora teve coragem para entrar na área de serviço. “Estava toda ensanguentada”, contou.

Do ato criminoso restou uma barra de metal, sujo de sangue. O caso foi registrado na Delegacia de Polícia de Palhoça no mesmo dia. Na manhã desta quinta-feira, uma equipe do Instituto Geral de Perícia esteve na residência para colher provas. Ninguém havia sido preso até as 17h45min desta quinta-feira.

De três meses a um ano

A Lei 9.605/98 dos Crimes Ambientais prevê no Art 32 que “praticar ato de abuso, maus-tratos, ferir ou mutilar animais silvestres, domésticos ou domesticados, nativos ou exóticos” resulta em detenção de três meses a um ano, mais multa. Em caso de morte do animal, a pena pode ser aumentada em até um terço. No entanto, a presidente da Amigos e Protetores dos Animais de Palhoça (Aprap), Shalma Teixeira, diz que é difícil haver punições nesses casos.

“Acompanhamos dois casos. Um em que uma cadela foi queimada viva e outro que um cachorro foi enterrado, também vivo, e não deu em nada, só um termo circunstanciado. Infelizmente, esses crimes absurdos não são considerados pela justiça no Brasil”,  disse.

Mesmo desapontada, Shalma orienta sobre a importância de denunciar casos como o ocorrido no Pacheco.

“É preciso formalizar a denúncia através de um Boletim de Ocorrência e avisar o órgão de fiscalização da prefeitura, que no caso de Palhoça é a Fundação Cambirela de Meio Ambiente”, disse.

Em caso de flagrante, a indicação é ligar para a polícia, no 190. A Aprap atende no telefone (48) 3242-3253.

Denuncie maus-tratos aos animais

Polícia Militar – 190
Fundação Cambirela de Meio Ambiente (FCAM) – Avenida Ilza Terezinha Pagani, Loteamento Pagani. Telefone: 3279-1796.
Amigos e Protetores dos Animais de Palhoça (Aprap) – Rua Amaro Ferreira de Macedo, s/ nº, sala na Unidade Básica de Saúde Central de Palhoça. Telefone: (48) 3242-3253.

Fonte: Roberto Lorenzon

About the Author

Follow me


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  1. Maus tratos à animais, meu Deus, que diabo de crime é esse que nunca é punido. Só serve para dar trabalho e gasto ao estado em diligencias e detenção para averiguação.

{"email":"Email address invalid","url":"Website address invalid","required":"Required field missing"}
>